Sat. Jun 15th, 2024

Contêineres marrons maiores que um carro estavam retorcidos e esmagados. Enormes vigas de aço deformadas em arcos tortos. Pilares de concreto irregular sobressaíam da água – uma tumba de destroços que refletia vagamente no rio cinza.

A cerca de 100 metros de distância, nas profundezas do rio Patapsco, em Baltimore, o local de um dos piores desabamentos de pontes da história do país é uma cena assustadora.

A Guarda Costeira dos EUA permitiu que o The New York Times subisse a bordo de um barco de resposta na tarde de sábado para testemunhar de perto a destruição da ponte Francis Scott Key, que foi atingida pelo navio de carga Dali na terça-feira, matando seis homens, todos trabalhadores da construção civil. estavam trabalhando para tapar buracos na ponte.

À medida que o navio da Guarda Costeira, de 45 pés de comprimento, se aproximava do local do desastre, um militar que havia feito várias viagens ao local preparou os passageiros para a vista que estava por vir.

“Ainda é chocante todas as vezes.”

O barco da Guarda Costeira aproximou-se inicialmente do cargueiro pela parte traseira, a popa, que foi poupada de grande parte do impacto do colapso. Duas pessoas podiam ser vistas caminhando a estibordo, embora não estivesse claro se eram investigadores ou membros da tripulação, todos da Índia e que permaneceram no navio para mantê-lo operacional.

Estava visível uma âncora que os tripulantes usaram no desespero para evitar que o navio batesse na ponte, submersa em águas calmas. Uma barreira fina e amarela flutuou ao redor do navio para conter derramamentos. Parecia semelhante à fita da cena do crime. Os contêineres cinza e vermelhos estavam empilhados em até nove fileiras de altura, protegendo parcialmente por um momento os destroços que estavam atrás deles.

À medida que o barco da Guarda Costeira se aproximava do navio de carga, a enorme escala do colapso tornou-se visível. Alguns funcionários estatais a bordo, que não estavam autorizados a falar com a mídia, balançaram a cabeça e murmuraram baixinho.

“Oh meu Deus.”

Massas deformadas da ponte cortaram o convés de aço do navio, fazendo com que pedaços do casco azul se soltassem. Em um amplo pedaço do convés cheio de crateras pelo golpe da ponte, nós de metal enegrecido se transformavam em um labirinto metálico e confuso.

Um grande pedaço de concreto saiu do navio. Duas pessoas vestidas de laranja moviam-se entre os destroços do convés, equilibrando-se com as mãos e os pés, como se fosse uma montanha. Os pássaros rodopiando ao lado da carga, em busca de peixes abaixo, tornavam a magnitude da ponte e do navio ainda mais pronunciada.

Um barco que parecia pertencer ao Corpo de Engenheiros do Exército movia-se entre os espaços triangulares das vigas submersas da ponte. Outros barcos com guindastes acoplados navegavam nas proximidades. Em direção aos lados norte e sul do rio, as partes da ponte eram altas, e o vazio entre elas agora se transformava em um memorial mortal.

Poucos sons distintos emanavam do local. Ventos fortes moveram correntes de água contra pedaços de destroços. Ruídos fracos de motores de barcos giravam no ar.

Principalmente, porém, houve silêncio absoluto. Os passageiros a bordo do navio da Guarda Costeira pareciam passar quase tanto tempo olhando para a água quanto para cima.

Os corpos de Alejandro Hernandez Fuentes, 35, de Baltimore, e Dorlian Ronial Castillo Cabrera, 26, de Dundalk, Maryland, foram recuperados esta semana.

Mas lá embaixo, talvez sob os restos emaranhados de uma ponte que ligava dois bairros da classe trabalhadora em Baltimore, estavam os restos mortais de quatro homens ainda não recuperados pelos mergulhadores: Miguel Luna, na casa dos 40 anos, de El Salvador; Maynor Yasir Suazo Sandoval, na casa dos 30 anos, de Honduras; Jose López, na casa dos 30 anos, da Guatemala; e um quarto homem que não foi identificado pelas autoridades.

Quando o navio da Guarda Costeira deu meia-volta no final da tarde de sábado, o motor rugiu mais alto e nuvens pesadas pairaram no alto. Logo, a cena do colapso, que se estendia pelas águas claras do horizonte, pareceu desaparecer. As imagens gravadas na memória não.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *