Fri. Apr 19th, 2024

Maria e o seu marido, Aleksandr, estão certos de que o presidente Vladimir V. Putin garantirá um quinto mandato como líder da Rússia nas eleições presidenciais deste fim de semana.

Mas o casal, que mora em Moscou com os três filhos, não tem tanta certeza sobre o que acontecerá a seguir. Em primeiro lugar nas suas mentes estão os receios de que Putin, encorajado pela conquista de um novo mandato de seis anos, possa declarar outra mobilização para os soldados lutarem na Ucrânia. Aleksandr, de 38 anos, que deixou a Rússia pouco depois de Putin anunciar a primeira mobilização em setembro de 2022, mas regressou recentemente, está até a considerar deixar o país novamente, disse a sua esposa.

“Só ouço falar de mobilização – que há uma ofensiva planeada para o verão e que as tropas precisam de rotação”, disse Maria, 34, numa conversa no WhatsApp. Ela se recusou a permitir que o nome da família do casal fosse usado, temendo repercussões do governo.

Muitos russos têm se preocupado com uma série de questões antes da votação, que começou na sexta-feira e dura três dias. Embora as autoridades russas tenham negado que esteja planeada outra mobilização para a guerra, persiste um sentimento de desconforto.

As preocupações parecem basear-se na possibilidade de Putin usar o seu poder irrestrito para fazer mudanças que evitou antes da votação. Denis Volkov, diretor do Levada Center, um dos poucos pesquisadores independentes na Rússia, disse que essas ansiedades ainda são sentidas principalmente pela minoria de russos que se opõe ao governo.

Embora uma potencial mobilização continue a ser a maior causa de preocupação, também há desconforto em relação às finanças e à economia. Alguns russos temem que o rublo, que foi apoiado pelo governo após a queda no ano passado, possa desvalorizar novamente, aumentando o custo das importações. Os empresários preocupam-se com o aumento dos impostos e os activistas da oposição esperam mais repressão aos dissidentes.

“As pessoas estão muito ansiosas”, disse Nina L. Khrushcheva, professora de assuntos internacionais na New School da cidade de Nova Iorque, que visita regularmente a Rússia. “A incerteza é o pior, por mais que o povo russo esteja habituado à incerteza.”

As preocupações reflectem o estado de espírito actual na Rússia, onde muitos aprenderam a esperar o melhor, mas a esperar o pior. A incerteza foi agravada por um governo que, segundo os especialistas, se tornou cada vez mais autoritário.

Depois de mais de duas décadas no poder, Putin não é restringido por um partido da oposição no Parlamento ou por uma sociedade civil forte. Ele é, portanto, relativamente livre para agir como quiser.

Alguns especialistas dizem que o Kremlin poderia usar os resultados da votação – que se espera ser uma vitória esmagadora para Putin – para reprimir ainda mais a dissidência e intensificar a guerra na Ucrânia, que se pretendia ser uma “operação militar especial” enérgica. ”Mas se transformou em um trabalho árduo que causou centenas de milhares de vítimas.

“Numa eleição autoritária, os resultados são previsíveis, mas as consequências não”, disse Yekaterina Schulmann, uma cientista política russa, em resposta a perguntas escritas do The New York Times. “Se o sistema decidir que funcionou bem e que tudo está bem, então o período pós-eleitoral pode ser o momento para tomar decisões impopulares.”

Schulmann apontou como exemplo a última reeleição de Putin, em 2018, que foi seguida por um aumento altamente impopular na idade de reforma na Rússia.

As eleições na Rússia são geridas de forma rigorosa pelo Kremlin através do seu controlo quase total dos meios de comunicação social e das empresas estatais, cujos trabalhadores são frequentemente pressionados a votar. A máquina eleitoral filtra candidatos indesejados e os activistas da oposição foram forçados a fugir ou acabaram em prisões russas. O dissidente mais proeminente do país, Aleksei A. Navalny, morreu no mês passado numa colónia penal no Ártico, onde estava preso.

Embora o resultado da votação não esteja em questão, os russos ainda estão preocupados com o processo. A votação será a primeira desde a decisão de Putin de invadir a Ucrânia em fevereiro de 2022.

Um consultor de Moscovo que trabalha com empresas russas disse que alguns dos seus clientes programaram deliberadamente novas ofertas de ações na bolsa de Moscovo para que acontecessem num período que esperavam ser relativamente calmo antes da votação. Ele pediu anonimato para não comprometer seu relacionamento com seus clientes.

Os consumidores russos também correram para comprar automóveis no início do ano, depois de analistas do mercado automóvel sugerirem que o período antes das eleições poderia ser o melhor momento para comprar, porque o rublo poderia ser desvalorizado quando a votação terminasse. O número de carros novos vendidos na Rússia em janeiro e fevereiro aumentou mais de 80% em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo o Avtostat, um site de notícias sobre a indústria automobilística russa.

As empresas estão preocupadas com a possibilidade de o governo aumentar os impostos após a votação. Na quarta-feira, Putin disse que o governo iria elaborar novas regras fiscais para indivíduos e entidades privadas, e especialistas disseram que isso provavelmente significaria que os impostos aumentariam para ambos os grupos.

Yevgeny Nadorshin, economista-chefe da empresa de consultoria PF Capital em Moscou, disse que as empresas estão particularmente preocupadas com o aumento dos impostos e com o aumento dos custos trabalhistas. “Isso colocaria em risco a competitividade da Rússia”, disse ele.

Nadorshin também destacou os rumores generalizados de outra mobilização de tropas que, se ocorresse, poderia restringir ainda mais o mercado de trabalho para as empresas, disse ele.

Volkov, do Levada Center, disse que a maioria dos russos, após o choque inicial da invasão em grande escala da Ucrânia e da mobilização que se seguiu sete meses depois, adaptou-se ao novo mundo. Grande parte disso foi o resultado dos esforços do governo para elevar o moral, garantindo que a economia do país permanecesse saudável e injectando dinheiro no seu sector industrial.

“Tem havido uma séria redistribuição de recursos a favor da maioria, que sente que agora pode viver uma vida normal sem se envolver directamente na guerra”, disse ele, referindo-se aos aumentos salariais dos trabalhadores das fábricas e a vários pagamentos sociais.

Ainda assim, ele apontou o que disse ser uma polarização crescente entre apoiadores e oponentes de Putin.

“O mal-entendido mútuo hoje é maior e mais agudo do que antes”, disse Volkov.

Muitos activistas russos anti-Kremlin – aqueles que permanecem no país e aqueles que partiram – temem uma nova repressão à dissidência.

Yevgeny Chichvarkin, um empresário russo e activista da oposição em Londres, disse acreditar que depois das eleições, os dissidentes enfrentariam uma escolha difícil entre fugir ou enfrentar a prisão.

“Nada vai ajudar; a escolha será ir para a prisão ou deixar o país”, disse ele numa entrevista ao Zhivoy Gvozd, um meio de comunicação russo independente.

Mas alguns analistas expressaram dúvidas de que Putin fará muito mais do que já fez para acabar com a dissidência.

“O sistema não pode permanecer num estado de mobilização e tensão para sempre”, disse Aleksandr Kynev, um cientista político baseado na Rússia, especializado em política regional. “Se você der muito poder aos serviços de segurança, amanhã eles poderão removê-lo do poder”, disse ele. “Vladimir Putin entende isso bem.”

Alina Lobzina relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *