Fri. Apr 19th, 2024

O primeiro carregamento de ajuda a chegar a Gaza por mar em quase duas décadas foi totalmente descarregado no sábado num cais improvisado no Mediterrâneo, marcando um marco numa aventura que as autoridades ocidentais esperam que alivie o agravamento da privação alimentar no enclave.

O navio, o Open Arms, rebocou uma barcaça vinda de Chipre carregada com cerca de 200 toneladas de arroz, farinha, lentilhas e atum, carne bovina e frango enlatados, fornecidos pela instituição de caridade World Central Kitchen.

José Andrés, o chef hispano-americano que fundou o World Central Kitchen, disse que a sua equipa começaria a enviar a comida por camião, inclusive para o norte de Gaza, uma área assolada pela ilegalidade e gravemente danificada pelos ataques aéreos israelitas.

Mas a distribuição deveria acontecer à sombra de uma série de ataques que mataram ou feriram palestinos que lutavam por alimentos desesperadamente necessários. Os grupos de ajuda das Nações Unidas tiveram de suspender em grande parte as entregas no norte de Gaza no mês passado, e o seu gabinete de direitos humanos documentou mais de duas dúzias de ataques deste tipo.

O último derramamento de sangue ocorreu na noite de quinta-feira na cidade de Gaza, onde pelo menos 20 pessoas morreram depois que um comboio de ajuda humanitária foi atacado. As autoridades de saúde de Gaza e os militares israelitas trocaram culpas; muitos detalhes sobre o que aconteceu permaneceram obscuros no sábado.

A World Central Kitchen ofereceu poucos detalhes sobre o seu plano de distribuição, mesmo durante o carregamento de um segundo navio de abastecimento em Chipre. Os militares israelitas afirmaram num comunicado que mobilizaram forças navais e terrestres para proteger a área onde os fornecimentos foram descarregados, embora não esteja claro quem cuidaria da distribuição.

“A Open Arms conectou uma barcaça cheia de quase 200 toneladas de alimentos ao cais construído pela WCK na costa de Gaza”, disse a instituição de caridade em comunicado, referindo-se a um cais montado por júri que construiu com escombros na costa de Gaza. “Toda a carga foi descarregada e está sendo preparada para distribuição em Gaza.”

As 200 toneladas de alimentos entregues por via marítima equivalem a cerca de 10 camiões, uma gota no oceano em comparação com os cerca de 150 camiões por dia que a agência de ajuda das Nações Unidas, UNRWA, afirma estarem actualmente a entrar em Gaza. E mesmo isso é apenas uma fracção do que é necessário, dizem os grupos de ajuda, para fornecer uma nutrição adequada aos habitantes de Gaza.

Com o enclave sob um bloqueio quase total após mais de cinco meses de bombardeamento israelita, a ONU alertou que grande parte dele está em risco de fome e apelou a Israel para garantir que mais alimentos e cuidados médicos cheguem aos habitantes de Gaza.

Um novo relatório divulgado na sexta-feira pela UNICEF, a agência das Nações Unidas para as crianças, concluiu que as crianças na Faixa de Gaza enfrentavam uma privação alimentar cada vez mais profunda e que um número alarmante sofria de “desnutrição grave”, a forma de desnutrição com maior risco de vida. .

Aproximadamente uma em cada 20 crianças em abrigos e centros de saúde no norte de Gaza caiu nessa condição, definida como sendo perigosamente magra para a sua altura, afirma o relatório. Citou exibições realizadas pela agência.

Os exames revelaram que a desnutrição aguda, o que significa que o corpo é privado de nutrientes essenciais, tornou-se bastante comum entre crianças com menos de 2 anos de idade em Gaza. Em algumas áreas, as taxas de desnutrição aguda duplicaram desde que foram registadas pela última vez em Janeiro, afirma o relatório.

Em comparação, a taxa de desnutrição aguda entre crianças pequenas era inferior a 1 por cento antes da guerra, disse a UNICEF.

A situação poderá em breve ficar mais terrível. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse na sexta-feira que Israel planeava avançar com uma ofensiva terrestre em Rafah, uma cidade do sul onde mais de metade da população de Gaza está abrigada.

As autoridades ocidentais estavam esperançosas de que as negociações sobre um cessar-fogo e uma troca de reféns e prisioneiros seriam retomadas nos próximos dias. Netanyahu planeava enviar em breve uma delegação israelita ao Qatar, local dos esforços de mediação.

O Hamas actualizou a sua própria proposta, já não exigindo que Israel concorde imediatamente com um cessar-fogo permanente e com a retirada das tropas israelitas de Gaza em troca do início de uma troca de reféns e prisioneiros, segundo pessoas familiarizadas com as negociações. O Hamas abandonou a sua exigência de um cessar-fogo permanente e propôs a libertação de reféns em troca de uma retirada faseada das tropas israelitas de partes da Faixa de Gaza, bem como da libertação de prisioneiros.

Entretanto, Israel continua sob intensa pressão para abrir mais passagens terrestres para Gaza, a fim de permitir a aceleração da ajuda. Os responsáveis ​​humanitários sublinharam que a entrega de abastecimentos por via marítima ou aérea é muito menos eficiente do que por camião.

O Open Arms é o primeiro navio autorizado a entregar ajuda a Gaza desde 2005, segundo Ursula von der Leyen, presidente do braço executivo da União Europeia. Ela descreveu a operação como um projeto piloto para estudar a abertura de um corredor marítimo para abastecimento do território.

Os Estados Unidos também estão a liderar uma iniciativa para criar um cais flutuante temporário ao largo da costa de Gaza para facilitar o trânsito de mercadorias. As autoridades americanas esperam que o cais possa permitir a entrega de dois milhões de refeições por dia aos 2,3 milhões de habitantes da região.

A World Central Kitchen está se preparando para enviar um segundo navio com alimentos do porto cipriota de Larnaca, disse a instituição de caridade, mas não ficou claro quando partiria. A embarcação está equipada com duas empilhadeiras e um guindaste para auxiliar nas futuras entregas marítimas, e deverá transportar 240 toneladas de alimentos, entre cenouras, atum em lata, grão de bico, milho, arroz, farinha, óleo e sal, além de mais de 250 toneladas. quilos de tâmaras frescas doadas pelos Emirados Árabes Unidos.

Desde outubro, organizadores e cozinheiros palestinos que trabalham com a World Central Kitchen serviram mais de 37 milhões de refeições em Gaza, afirma o grupo.

A instituição de caridade também tem enviado ajuda por camião a partir dos seus armazéns no Cairo e fornecido alimentos para lançamentos aéreos realizados pela Jordânia e pelos Estados Unidos. Na sexta-feira, 23 toneladas de alimentos foram lançadas no norte, disse Andres.

Monika Pronczuk relatado de Bruxelas, e Gaya Gupta e Nicholas Fandos de nova York. Rei Abdulrahim contribuiu com reportagens de Jerusalém.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *