Sat. Jun 15th, 2024

Sempre que escrevo, como fiz na semana passada, que não penso que o anti-sionismo seja necessariamente anti-semita, recebo e-mails de leitores judeus que estão zangados, desapontados ou, por vezes, simplesmente perplexos. “Israel é a entidade política através da qual o povo judeu exerce o seu direito natural de autodeterminação e controlo sobre o seu próprio destino”, dizia uma típica mensagem recente. “Como destacar o povo judeu para privá-lo desses direitos não é antissemita?”

Responder plenamente a esta questão exigiria mais do que uma única coluna, mas quero fazer uma breve tentativa, porque ultimamente, em reacção ao sofrimento grotesco em Gaza, duas tendências feias e entrelaçadas estão a ganhar força. Oponentes bem-intencionados do nacionalismo judaico, alguns deles próprios judeus, estão a ser falsamente difamados como anti-semitas. Ao mesmo tempo, o anti-semitismo está a camuflar-se em anti-sionismo, com as pessoas a cuspir a palavra “sionista” quando na verdade parecem querer dizer “judeu”.

As minhas próprias opiniões sobre o sionismo são ambivalentes e conflitantes. Sou um judeu secular, sem qualquer ligação particular a Israel, espiritual ou não, embora também reconheça que a minha capacidade de me manter afastado do país é possibilitada pelo grande privilégio de um passaporte americano. Penso que a ideia de Israel como uma entidade colonial que acabará por ser desmantelada é uma fantasia maligna – a maioria dos judeus israelitas não tem outro lugar para ir – mas também reconheço que a criação do país não pode ser dissociada da desapropriação do Palestinos.

Sim, como os sionistas frequentemente salientam, os palestinianos estavam longe de ser os únicos refugiados à medida que os mapas eram redesenhados na sequência da Segunda Guerra Mundial. Após a criação de Israel, mais judeus foram desenraizados dos países árabes e muçulmanos do que árabes expulsos das suas casas na histórica Palestina. Não é culpa de Israel que alguns dos seus vizinhos tenham mantido os palestinianos deslocados como refugiados apátridas, em vez de os integrarem como cidadãos plenos. Mas nunca poderia culpar um palestiniano por considerar obscenamente injusto que eu tenha o direito de “regressar” a um país com o qual não tenho ligações familiares, enquanto os palestinianos que perderam as suas casas em 1948 não o fazem.

Também compreendo porque é que muitos judeus, sobreviventes de milénios de tentativas para os destruir como povo, colocam a sua necessidade de autodeterminação nacional acima de outros valores concorrentes. Mas não é preciso odiar os judeus para fazer um cálculo moral diferente.

Neste momento, o crescimento incessante dos colonatos na Cisjordânia criou uma realidade de Estado único no terreno, embora uma realidade em que as pessoas tenham direitos e liberdades muito diferentes, dependendo da sua origem étnica e religiosa. Há pessoas de boa vontade que pensam que a saída para esta situação insuportável reside na luta pela igualdade de direitos democráticos num Estado único para todos os que vivem no território entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo. “É hora de os sionistas liberais abandonarem o objetivo da separação entre judeus e palestinos e abraçarem o objetivo da igualdade entre judeus e palestinos”, escreveu Peter Beinart em Jewish Currents em 2020.

A ideia de um Estado binacional apela à minha crença na democracia e no multiculturalismo, mas na prática temo que seria um desastre que evoluiria para uma terrível guerra civil. (Já é bastante difícil para os Flamengos e os Valões gerirem a partilha de um Estado na Bélgica.) No entanto, enquanto o status quo for intolerável e a solução de dois Estados defendida por liberais como eu parecer muito fora de alcance, é compreensível que os idealistas tatear em busca de uma alternativa.

Dito isto, não posso culpar os judeus que vêem, na crescente demonização do sionismo, a repetição de uma história antiga e aterrorizante. Afinal, o anti-sionismo nem sempre é anti-semitismo, mas às vezes é. E neste momento, alguns opositores de Israel parecem estar a tentar provar que a comunidade judaica dominante está certa em fundi-los.

Um estudante israelo-americano da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, enviou-me uma fotografia de um graffiti onde se lia “Sionistas não são bem-vindos”, com uma seta apontando para uma mezuzá pendurada na porta de um dormitório. Em São Francisco, onde artistas e activistas insistiram que o influente Centro de Artes Yerba Buena expurgasse “membros do conselho sionista e financiadores”, o chefe executivo judeu do centro demitiu-se na semana passada, citando uma “reação mordaz e anti-semita dirigida a mim pessoalmente”.

Muitos esquerdistas jurarão que não estão a ser anti-semitas quando usam “sionista” como o mais desdenhoso dos epítetos. O proprietário de um bar em Salt Lake City que baniu os “sionistas” do seu estabelecimento insistiu, no Instagram, que o sionismo “não tem nada a ver com a bela fé judaica”.

Mas a grande maioria dos judeus discorda, e o desejo de um regresso a Israel está profundamente ligado à prática religiosa judaica; os rituais dos dois feriados judaicos mais importantes, Páscoa e Yom Kippur, culminam com as palavras “próximo ano em Jerusalém”. Há uma longa história de pedidos aos judeus para extirparem o que consideram partes cruciais da sua identidade como condição de aceitação. Há uma história igualmente longa de que tal aceitação, se é que é concedida, é passageira.

Enquanto escrevo isto, a revista literária Guernica está tendo um colapso por causa de um ensaio minucioso escrito por Joanna Chen, uma tradutora britânica-israelense de poesia hebraica e árabe, sobre tentar, depois de 7 de outubro, “trilhar a linha da empatia, sentir-se paixão por ambos os lados” e encontrar sentido em levar crianças palestinianas para hospitais israelitas. Nada nos escritos de Chen sugere outra coisa senão horror face à carnificina que se abateu sobre os civis em Gaza, mas mesmo assim o artigo ocasionou demissões em massa do pessoal totalmente voluntário de Guernica; o ex-co-editor da revista chamou-a de “uma apologia dolorosa do sionismo”.

Num movimento covarde, Guernica retratou o ensaio e lamentou tê-lo publicado. Em partes da esquerda, neste momento fanaticamente maniqueísta, aos judeus, especialmente aos judeus israelitas, só é permitida a sua humanidade se estiverem dispostos a rejeitar explicitamente o colectivo. Poucos outros povos estão sujeitos a expectativas semelhantes.

A analogia é imperfeita, mas eu compararia as exigências da esquerda para que os judeus repudiem o sionismo com as exigências da direita para que os muçulmanos renunciem à Shariah. Não há nada de errado em opor-se à autoridade da lei religiosa ou criticar a forma como a Shariah é aplicada em partes do mundo muçulmano. Mas tratar os muçulmanos como suspeitos se eles não romperem com as suas próprias tradições é obviamente islamofóbico.

Depois de anos argumentando que a intenção por trás das palavras ofensivas importa menos do que os seus efeitos, os esquerdistas deveriam estar equipados para trazer um pouco de subtileza e sensibilidade às discussões sobre os judeus e o sionismo. Recusar-se a fazê-lo não ajuda em nada os palestinianos. Apenas convence demasiados judeus de que os gritos pela libertação palestina são uma ameaça.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *