Sun. Apr 14th, 2024

As mulheres em Tigray foram sujeitas a crimes inimagináveis ​​durante a guerra e as suas tumultuosas e contínuas consequências. Acredita-se que mais de 100 mil mulheres em Tigray tenham sofrido violência sexual relacionada a conflitos. Especialistas em saúde estimaram recentemente que mais de 40 por cento das mulheres de Tigray sofreram algum tipo de violência baseada no género durante a guerra. A maioria deles – impressionantes 89,7% – nunca recebeu qualquer apoio médico ou psicológico pós-violência.

Sobreviventes relataram que foram inseridos objectos estranhos nos seus corpos, que os seus filhos foram assassinados à sua frente, que foram forçados à escravatura sexual, passaram fome e foram intencionalmente infectados com VIH e outras infecções sexualmente transmissíveis. Uma vítima lembrou-se de ter sido informada de que estava sendo estuprada porque “um útero Tigrayan nunca deveria dar à luz”. Alguns sobreviventes estão agora a cuidar dos filhos dos seus violadores. Outros estão provavelmente a tornar-se novos sobreviventes da violência sexual relacionada com conflitos, com pouca esperança de recurso por parte do governo.

Infelizmente, as mulheres de Tigray não estão sozinhas. Hoje, a violência sexual relacionada com conflitos continua a ser um problema persistente em todo o Corno de África. Especialistas das Nações Unidas expressaram alarme sobre o alegado uso generalizado de violações pelas Forças de Apoio Rápido na guerra em curso no Sudão, um horror que lembra assustadoramente o genocídio em Darfur, onde as mulheres sofreram violência sexual em massa. Na Eritreia, vizinho do Norte de Tigré, mulheres recrutadas para o exército federal terão sido vítimas de violência sexual durante o serviço nacional obrigatório. Na Somália, a leste, as mulheres que vivem em campos de refugiados e centros para pessoas deslocadas internamente enfrentam um elevado número de violência baseada no género e são frequentemente alvo de milícias e soldados predatórios. Fora do Corno de África, a República Democrática do Congo testemunhou níveis alarmantes de violência sexual durante o conflito em curso, com números especialmente elevados de crianças vítimas.

É uma prática que continua a ser utilizada impunemente, apesar dos compromissos internacionais para a sua eliminação. Em 2022, o Presidente Biden divulgou um memorando sobre a violência sexual relacionada com conflitos, comprometendo-se a reforçar o compromisso do governo dos EUA de combater e responsabilizar os responsáveis ​​por tal violência. A União Europeia continua a emitir declarações sobre a necessidade de acabar com o CRSV em todo o mundo. E a Resolução 1325 da ONU, aprovada há quase 25 anos, apela a “todas as partes em conflito” para que tomem medidas especiais para proteger as mulheres e as raparigas da violência baseada no género, especialmente do abuso sexual, no contexto do conflito armado. Ainda assim, a violência e a impunidade continuam.

Para pôr fim à violência sexual relacionada com conflitos, as vozes das mulheres devem ser incluídas em todos os níveis de tomada de decisão. A investigação mostra que quando as mulheres participam num processo de paz, este dura mais tempo; manter a paz é uma forma de garantir que as atrocidades relacionadas com o conflito não continuem. No contexto de Tigré, isto exigirá o envolvimento e a participação activos das mulheres na concepção e implementação de medidas de protecção, na definição de acções legais e judiciais e na contribuição para iniciativas sustentáveis ​​de construção da paz. Um bom exemplo a seguir seria o da Libéria, onde as mulheres, incluindo as sobreviventes, lideraram movimentos que desempenharam um papel fundamental no fim de uma guerra civil brutal caracterizada por violações generalizadas.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *