Sat. Jun 15th, 2024

Se não priorizarmos a solidariedade, este projecto perigoso e antidemocrático terá sucesso. Muito mais do que um mero slogan ou hashtag, a solidariedade pode orientar-nos para um futuro pelo qual vale a pena lutar, fornecendo a base de um plano credível e galvanizador para a renovação democrática. Em vez do ideal do século XX de um Estado-providência, deveríamos tentar imaginar um Estado solidário.

Precisamos urgentemente de uma contravisão do que o governo pode e deve ser, e de como os recursos públicos e as infra-estruturas podem ser mobilizados para promover a ligação social e reparar o tecido social, para que a democracia possa ter uma oportunidade não apenas de avançar, mas de florescer. A solidariedade, aqui, é tanto uma meta que vale a pena alcançar quanto o método de construir o poder para alcançá-la. É ao mesmo tempo meio e fim, a criação de laços sociais para que possamos tornar-nos suficientemente fortes para mudarmos políticas em conjunto.

Historicamente, a questão da solidariedade tem sido levantada em conjunturas voláteis como a que vivemos. As concepções contemporâneas de solidariedade tomaram forma pela primeira vez após as revoluções democráticas do século XVIII e ao longo da Revolução Industrial. À medida que os reis eram depostos e o papel da Igreja como autoridade moral diminuía, filósofos e cidadãos perguntavam-se como a sociedade poderia ser coerente sem um monarca ou um deus. O que poderia unir as pessoas numa era secular e pluralista?

Os pensadores do século XIX que começaram a contemplar seriamente e a escrever sobre a ideia de solidariedade usaram frequentemente a imagem do corpo humano, onde diferentes partes trabalham em conjunto. Mais notoriamente, o sociólogo francês Émile Durkheim colocou a solidariedade no centro da sua investigação, argumentando que à medida que a sociedade aumentasse em complexidade, os laços sociais entre as pessoas se fortaleceriam, cada pessoa desempenhando um papel especializado enquanto ligada a um todo maior. A solidariedade e a coesão social, argumentou ele, seriam o resultado natural da crescente interdependência social e económica. Mas, como o próprio Durkheim acabaria por reconhecer, a economia industrial que ele inicialmente imaginou que geraria solidariedade serviria na verdade para enfraquecer os seus frágeis laços, promovendo o que ele chamou de anomia, a desesperança corrosiva que acompanhava a crescente desigualdade.

Nos Estados Unidos, a solidariedade nunca alcançou o mesmo prestígio intelectual que na Europa. Desde a fundação desta nação, o conceito tem sido geralmente negligenciado e a prática ativamente reprimida e até mesmo criminalizada. As tentativas de forjar a solidariedade inter-racial encontraram-se repetidamente com repressão violenta, e a organização laboral, efectivamente proibida até à era do New Deal, ainda ocupa um terreno jurídico hostil. Décadas de políticas favoráveis ​​ao mercado, promovidas tanto por republicanos como por democratas, minaram a solidariedade de formas tanto subtis como evidentes, desde o encorajamento a vermo-nos como consumidores individuais em vez de cidadãos até à promoção do individualismo e da competição em detrimento da colectividade e da cooperação.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *