Mon. Jul 15th, 2024

Pouco antes de a guerra russo-ucraniana atingir hoje o seu marco de dois anos, as agências de inteligência dos EUA alertaram que a Rússia poderia apontar uma arma nuclear para um alvo incomum: não qualquer lugar da Terra, mas satélites em órbita no espaço.

Colocar uma arma em órbita não é apenas uma ameaça militar. É também um risco para a economia espacial – e para a economia terrestre. Existe uma indústria pouco conhecida, mas em rápido crescimento, que faz seguro para satélites, mas não oferece seguro contra armas nucleares.

O que está em jogo: centenas de milhares de milhões (e provavelmente biliões) de dólares quando incluídos os serviços que dependem de satélites, segundo David Wade, subscritor do Atrium Space Insurance Consortium, que assegura satélites para o Lloyd’s.

Dos mais de 8.000 satélites em órbita, milhares pertencem a empresas privadas, de acordo com Orbiting Now, um site que compila dados de rastreamento de satélites em tempo real da NASA e de outras fontes. A arma russa teria sido projetada para atingir satélites na órbita baixa da Terra, onde opera a maioria dos satélites comerciais.

O Starlink da SpaceX domina a indústria de serviços de Internet baseados no espaço, e a Amazon também tem grandes aspirações no espaço. Mas a queda acentuada nos custos de lançamento nos últimos anos – impulsionada em grande parte pela SpaceX – tornou possível a entrada de muitos intervenientes mais pequenos, levando a um frenesim no negócio de satélites que levou a Comissão Federal de Comunicações a abrir um Gabinete Espacial no ano passado.

Wade estimou o valor total de todos os satélites segurados em órbita em US$ 25 bilhões. Isso não inclui a receita que eles geram. A Satellite Industry Association estimou as receitas dos serviços não governamentais de satélite em 113 mil milhões de dólares em 2022.

O investimento na economia espacial está a aumentar rapidamente. A actividade espacial poderá totalizar 620 mil milhões de dólares este ano, de acordo com a estimativa disponível mais recentemente. Isso representa um aumento em relação aos US$ 545 bilhões em 2022, de acordo com uma estimativa da Space Foundation, uma organização sem fins lucrativos que promove a educação e o empreendedorismo espacial.

As aspirações para a economia espacial incluem a mineração de minerais raros e água, turismo, comunicações e infraestrutura de transferência de dados. Na quinta-feira, um módulo lunar da Intuitive Machines, viajando em um foguete SpaceX, tornou-se a primeira nave privada a pousar na Lua, o que alguns esperam levar à mineração de água que poderia ser usada para produzir combustível para missões industriais mais distantes.

Uma arma espacial também prejudicaria outras empresas. As indústrias, desde a agricultura à tecnologia, dependem de satélites, e setores como o transporte marítimo, os transportes, a banca e a gestão da cadeia de abastecimento dependem do GPS, que utiliza satélites. A ameaça também teria “um efeito depressivo” nas avaliações das empresas espaciais em geral, disse Donald Moore, CEO da Space Finance Corporation e professor de política espacial na Faculdade de Direito da Universidade de Michigan.

A nova ameaça também poderia prejudicar os planos do governo dos EUA de confiar em atores privados, no momento em que se espera que o Departamento de Defesa divulgue detalhes de uma nova estratégia para integrar satélites comerciais na segurança nacional, observou Brian Weeden, diretor do programa para a Secure World Foundation, uma organização sem fins lucrativos que trabalha com política espacial.

Alguns são céticos quanto ao risco. Os efeitos precisos dependeriam de incógnitas sobre a arma, do plano de contingência da empresa e de outros fatores. “Ainda poderíamos nos comunicar”, disse Henry Hertzfeld, professor de política espacial na Universidade George Washington e ex-economista-chefe da NASA. “Ainda temos alguns telefones fixos”, acrescentou, falando do telefone do escritório. E duvida que a Rússia introduza esta ameaça, pois também poria em perigo as suas actividades espaciais. Notavelmente, também violaria um tratado espacial internacional.

Mas o risco não é coberto pelo seguro. “As exclusões para atos de guerra, dispositivos antissatélite e reação nuclear, radiação nuclear ou contaminação radioativa (exceto a radiação que ocorre naturalmente no ambiente espacial) são normalmente listadas em uma apólice de seguro espacial”, disse Wade por e-mail.

O modelo espacial dos EUA depende fortemente da comercialização, observou Russell Sawyer, corretor de seguros espaciais da Lockton, em Londres. O governo transferiu o risco para as empresas privadas, disse ele, e esta tendência poderá mudar se a ameaça nuclear for realmente séria: “O governo seria necessário”. – Efrat de Livni

Arquivos do Reddit se tornarão públicos. A empresa busca uma avaliação de pelo menos US$ 5 bilhões e vê a inteligência artificial como uma ajuda para turbinar seu negócio de vendas de anúncios e gerar novas receitas de licenciamento. Esta semana, confirmou que assinou um acordo com o Google que supostamente vale US$ 60 milhões por ano para ajudar o gigante das buscas a treinar seus modelos de IA.

A Comissão de Valores Mobiliários abandonará algumas das suas propostas de divulgações climáticas. A agência não exigirá mais que as grandes empresas públicas revelem as emissões do “Escopo 3” criadas indiretamente ao longo da sua cadeia de valor, disseram fontes à Reuters. Ao recuar na proposta, que introduziu numa regra de divulgação climática em 2022, a agência pode esperar impedir o litígio, forçando-a a defender o seu poder de exigir quaisquer divulgações climáticas.

O aumento do preço das ações da Nvidia estabelece um recorde. A fabricante de chips adicionou US$ 277 bilhões em valor de mercado na quinta-feira, o maior ganho diário de uma empresa listada nos EUA, após seu relatório de lucros explosivos. Os resultados ajudaram a impulsionar as recuperações tanto no S&P 500 como no índice composto Nasdaq.

Bill Ackman intensifica sua campanha contra o Business Insider. O investidor bilionário está envolvido numa disputa com a publicação desde que esta publicou um artigo dizendo que a sua esposa, Neri Oxman, uma proeminente académica e arquiteta, tinha plagiado a sua dissertação. Na sexta-feira, seu advogado enviou uma carta de 77 páginas à controladora da publicação, pedindo-lhe que corrigisse o artigo e apresentasse um pedido de desculpas.

Mesmo enquanto Vladimir Putin enfrenta novas sanções dos EUA após a morte de Aleksei Navalny, o presidente russo surgiu esta semana com duas grandes concessões corporativas que poderiam fortalecer a sua posição. A Danone, o conglomerado alimentar francês, concordou em vender os seus activos russos a um amigo de Putin, com um grande desconto, enquanto a fabricante de salgadinhos Mondelez disse que permaneceria na Rússia.

Putin está numa espécie de série de vitórias no aniversário de dois anos da invasão da Ucrânia pelo Kremlin. Apesar de um limite máximo de preços para as exportações de petróleo russas, o Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento sólido do produto interno bruto da Rússia este ano. Além disso, Putin pode dar-se ao luxo de ganhar tempo enquanto espera para ver se Donald Trump vencerá em Novembro, talvez trazendo relações mais calorosas e alívio das sanções.

“Tenho más notícias”, disse ao DealBook Alexandra Prokopenko, economista russa que passou anos no Banco Central em Moscovo antes de deixar a Rússia em 2022. “Durante os próximos 12 a 18 meses, Putin definitivamente terá dinheiro para manter o atual nível de guerra.”

Vivienne Walt relata para DealBook sobre as cartas que Putin possui:

Ele tem amigos importantes e está fazendo novos. Após a proibição europeia do petróleo russo, Putin encontrou compradores ávidos na Índia e na China. O fornecimento de combustível com desconto é apenas uma forma de aprofundar os laços entre Moscovo e Pequim. Os chineses também forneceram à Rússia equipamentos essenciais para a perfuração de gás natural no Ártico, depois de empresas ocidentais terem cortado o seu acesso à tecnologia. Noutros lugares, a Rússia depende de uma frota paralela de petroleiros de países amigos para transportar o seu petróleo por todo o mundo, ganhando milhares de milhões por mês, segundo dados da Bloomberg.

Muitos profissionais russos que fugiram após a invasão estão retornando, tendo encontrado uma recepção fria no exterior. Entretanto, bens restritos como os semicondutores, alguns deles provenientes dos EUA, chegam de forma relativamente contínua através de uma cadeia de abastecimento recém-construída que vai da China, passando pelos países do Golfo Pérsico, até à Turquia. “A Rússia mudou cedo para uma economia de guerra e com sucesso significativo”, disse Holger Schmieding, economista do Berenberg Bank, ao DealBook.

A economia russa foi reconstruída em torno da guerra. Os gastos com defesa e segurança representam cerca de 40% do orçamento do país, depois que Putin aumentou o orçamento militar da Rússia este ano. “A Rússia está viciada em esteróides militares”, disse Prokopenko.

A dor ainda pode se instalar. Os russos poderão lentamente começar a sentir os custos económicos da guerra. “Putin tem dinheiro suficiente para continuar esta guerra por mais um ano”, disse Sergei Guriev, economista russo e reitor da Universidade Sciences Po de Paris, por e-mail. “Depois disso, ele terá de cortar gastos não militares, como educação e saúde”, disse ele. “Em algum momento isso criará problemas para Putin.”


Uma mansão de US$ 82 milhões em Hampstead Heath, em Londres, inspirada em Versalhes. Vilas na Riviera Francesa e Italiana. Um super iate de US$ 325 milhões, o Amadea, apreendido em San Diego, e uma abundância de obras de arte.

O valor dos activos russos, incluindo propriedades comerciais, confiscados pelo Ocidente desde que o Kremlin invadiu a Ucrânia está na casa dos milhares de milhões. Está custando milhões a mais aos países ocidentais para administrar e cuidar do saque.

Pior ainda, a venda da soma dos activos russos congelados, como alguns países estão a pedir, poderia criar problemas financeiros e jurídicos ainda maiores.

Algumas autoridades dos EUA dizem que é hora de vender os ativos, em vez de continuar com a manutenção cara. Este mês, eles solicitaram permissão a um tribunal de Manhattan para vender o Amadea, que pertence a um amigo de Putin, Suleyman Kerimov, e custa aos contribuintes cerca de US$ 600 mil por mês para limpeza e manutenção. Na Grã-Bretanha, as autoridades estimaram mais de 1 milhão de dólares em custos de manutenção da propriedade congelada de Hampstead Heath.

Cerca de 300 mil milhões de dólares em fundos soberanos congelados são ainda mais uma dor de cabeça. Fazem parte da vasta carteira de investimentos de Moscovo que os bancos e instituições financeiras ocidentais congelaram após a eclosão da guerra. A Casa Branca apelou à utilização dos fundos para reconstruir a Ucrânia.

Alguns líderes europeus pensam que isso seria uma má ideia. Itália, França e Alemanha temem que tal medida possa violar o direito internacional, prejudicar a reputação da Europa entre os investidores e prejudicar o comércio internacional.

Prokopenko, o economista russo, disse: “Isso poderia minar a confiança na Europa. Os países do Golfo e da Ásia têm reservas na Europa. O euro seria menos favorável.”

O grupo dos 7 líderes reúne-se neste fim de semana virtualmente para discutir como ajudar a Ucrânia. Uma ideia é confiscar os lucros dos activos russos. A recompensa pode ser grande. No ano passado, a Euroclear, uma câmara de compensação em Bruxelas que detém dois terços dos activos, obteve um lucro de 4,4 mil milhões de euros ao reinvestir títulos russos vencidos.


Obrigado por ler! Nos vemos na segunda-feira.

Gostaríamos de receber seu feedback. Envie pensamentos e sugestões por e-mail para [email protected].

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *