Tue. May 28th, 2024

As empresas que produzem os semicondutores mais avançados solicitaram mais de 70 mil milhões de dólares em subsídios federais, aproximadamente o dobro do montante de financiamento disponível, disse a secretária do Comércio, Gina Raimondo, na segunda-feira.

Num esforço para revitalizar a produção nacional de semicondutores, o governo federal está a distribuir 39 mil milhões de dólares em subsídios como incentivo para que as empresas produzam mais dos minúsculos chips que alimentam tudo, desde smartphones a carros e aviões de combate. O financiamento destina-se a fortalecer a cadeia de abastecimento dos EUA e reduzir a dependência do país de fontes estrangeiras de chips. Atualmente, apenas 12% dos chips são fabricados nos Estados Unidos.

Até agora, as bolsas têm se mostrado populares entre as empresas. Num discurso na segunda-feira no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, Raimondo disse que o seu departamento recebeu mais de 600 declarações de interesse.

As autoridades federais tiveram de ser “duras com as empresas”, disse Raimondo, acrescentando que pressionou os executivos das empresas a “fazer mais por menos”. Ela acrescentou que o nível de interesse também significava que os funcionários “teriam de dizer não às empresas excelentes”.

A Sra. Raimondo enfatizou a necessidade de reforçar a produção doméstica dos chips tecnologicamente mais avançados, que são fabricados em grande parte em Taiwan.

As autoridades federais planejam conceder cerca de US$ 28 bilhões em subsídios a empresas que fabricam esses chips de ponta, disse Raimondo. Esses semicondutores – produzidos por empresas como a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, Intel e Samsung – são utilizados em inteligência artificial, smartphones, supercomputadores e no hardware militar mais sensível.

“É muito difícil, mas é nossa função esticar o dinheiro o máximo possível”, disse Raimondo em entrevista na segunda-feira.

Ela disse que os novos investimentos federais colocariam os Estados Unidos no caminho certo para produzir cerca de 20% dos tipos de chips lógicos mais avançados do mundo até o final da década – atualmente, produz zero, disse Raimondo.

Embora as empresas possam receber apenas uma parte do valor solicitado originalmente, Raimondo disse estar “muito confiante” de que as empresas ainda “farão o que disseram que fariam” com o dinheiro, em parte porque o governo distribuirá financiamento à medida que certos marcos são alcançados.

Sra. Raimondo enfatizou que os fabricantes também poderiam se beneficiar de outros tipos de apoio financeiro além dos subsídios federais. O Departamento do Comércio tem capacidade para apoiar até 75 mil milhões de dólares em empréstimos e garantias de empréstimos para avançar projectos. As empresas também podem receber créditos fiscais que as reembolsam por 25% da construção do projecto.

“É uma quantia significativa de dinheiro que cada empresa receberá”, disse ela.

O interesse no programa tem sido tão forte que as autoridades federais, que originalmente pretendiam ajudar a criar pelo menos dois novos clusters de produção em grande escala para produzir chips lógicos de ponta, agora esperam exceder essa meta, disse Raimondo.

Durante o evento, Raimondo disse que a necessidade de mais produção de chips nos Estados Unidos foi aumentada pela ascensão da inteligência artificial.

“A IA será a tecnologia que definirá a nossa geração”, disse ela. “Você não pode liderar em IA se não liderar na fabricação de chips de ponta. E assim o nosso trabalho na implementação da Lei CHIPS tornou-se muito mais importante.”

Até agora, as autoridades federais concederam três subvenções no âmbito do novo programa a empresas que produzem chips legados, que são criados com processos de produção mais antigos, mas que continuam a ser utilizados numa variedade de produtos, como automóveis e máquinas de lavar louça. Este mês, a administração Biden concedeu US$ 1,5 bilhão à fabricante de chips de Nova York GlobalFoundries, que as autoridades disseram que ajudaria a garantir um fornecimento estável de chips para os principais fornecedores e fabricantes de automóveis.

Os projetos que serão concluídos até 2030 terão prioridade nas premiações, disse Raimondo.

As empresas privadas anunciaram US$ 200 bilhões em investimentos na fabricação de semicondutores desde que o presidente Biden assinou a Lei CHIPS em 2022 e antes que as autoridades federais “gastassem um único dólar”, disse Raimondo.

Embora tenha havido um aumento nos investimentos, alguns fabricantes de chips encontraram obstáculos ao tentarem expandir a sua presença industrial nos Estados Unidos. TSMC, Intel, Microchip Technology e outras ajustaram os seus calendários de produção à medida que a queda nas vendas de muitos tipos de chips pressionou as empresas a gerirem os seus gastos em novos projetos.

Embora a maior parte do dinheiro seja reservada para cobrir a construção de novas e ampliadas instalações de produção, a Lei CHIPS também inclui 11 mil milhões de dólares para apoiar a investigação de novas tecnologias de chips.

Funcionários do governo Biden já enfrentam dúvidas sobre o potencial de outra rodada de subsídios para fabricantes de chips. Raimondo disse que as autoridades poderiam atingir os objetivos do programa com o financiamento que já estava disponível, mas pode ser necessário mais dinheiro para fortalecer ainda mais a fabricação nacional de semicondutores.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *