Sun. May 26th, 2024

Um padre católico que abusou sexualmente de um coroinha na Louisiana está na prisão e uma diocese pagou uma indenização à família da vítima. Agora, o bispo da diocese puniu o pai da vítima, um ex-diácono, com a mais alta censura da Igreja: a excomunhão.

Foi a última reviravolta em uma batalha de anos que colocou o ex-diácono Scott Peyton e sua família contra a Diocese de Lafayette.

Os Peytons e a diocese encontraram-se em lados opostos de uma lei estadual que deu às vítimas de abuso sexual infantil mais tempo para abrir processos judiciais.

A lei, que foi aprovada na Assembleia Legislativa do Estado em 2021, mas anulada na sexta-feira pelo mais alto tribunal do estado, não se aplicava exclusivamente às vítimas de abusos clericais. No entanto, a lei gerou novos processos civis contra igrejas da Louisiana e membros do clero que trabalhavam para elas.

A batalha tem suas raízes em 2018, quando o filho de Peyton, Oliver, acusou o pároco da Igreja Católica de São Pedro, em Morrow, de agredi-lo sexualmente três anos antes, quando ele tinha 16 anos. como diácono.

Enquanto o Gabinete do Xerife da Paróquia de St. Landry investigava as acusações, o Padre Guidry foi suspenso de suas funções na igreja e mais tarde confessou a agressão, de acordo com os autos do tribunal.

Num depoimento, o Padre Guidry disse que o abuso ocorreu quando Oliver Peyton veio à reitoria para “aconselhamento espiritual”.

“Mesmo que o padre tenha confessado, fomos evitados pelos membros da nossa comunidade”, disse Peyton, acrescentando que ele e a sua família se sentiram compelidos a mudar-se para outra igreja na diocese.

Em abril de 2019, o Padre Guidry foi condenado a sete anos de prisão por molestar um menor e proibido de ter qualquer contacto com os Peyton ou com qualquer pessoa menor de 18 anos, de acordo com os autos do tribunal.

A diocese disse em 2019 que o Padre Guidry tinha sido “removido do ministério”, mas não ficou imediatamente claro se ele foi destituído. Em março de 2021, os Peytons ganharam um acordo por uma quantia não revelada em uma ação judicial contra o Padre Guidry e a Diocese de Lafayette.

Peyton, que foi ordenado diácono em 2012, renunciou ao diaconado em 4 de dezembro de 2023. Peyton também informou ao bispo, J. Douglas Deshotel, que a família Peyton estava deixando a Igreja Católica.

O bispo respondeu um dia depois, desejando boa sorte ao Sr. Peyton e dizendo que, sacramentalmente, ele permaneceria diácono. Mas em 13 de março, o bispo escreveu ao Sr. Peyton para dizer que havia sido excomungado.

“Estou ciente de que a sua família sofreu um trauma, mas a resposta não está em deixar a Santíssima Eucaristia”, escreveu Dom Deshotel.

Peyton disse que não apelaria do decreto, que o proíbe de receber a sagrada comunhão e de participar de qualquer outra forma na Igreja Católica. “Já sofremos o suficiente”, disse ele.

“O que ele fez à minha família com esta excomunhão prova a razão pela qual saí”, acrescentou, referindo-se ao bispo. “É uma instituição que quer punir aqueles que se manifestam contra ela.”

Muitos católicos acreditam que aqueles que são excomungados morrem em estado de pecado.

“Ele basicamente me condenou ao inferno”, disse Peyton, que, com sua família, agora são membros de uma igreja anglicana a cerca de uma hora de onde moram.

O Bispo Deshotel e um advogado da diocese, Gilbert Dozier, não foram encontrados para comentar.

Quanto ao motivo pelo qual ele não renunciou imediatamente após o surgimento das acusações de abuso sexual, o Sr. Peyton disse que via ser diácono como sua vocação. Os Peytons finalmente decidiram que, para seguir em frente e se curar, precisariam deixar a Igreja Católica para sempre.

“Nós pulamos de uma igreja para outra, tentando encontrar aquele lar, mas você se torna esse estigma”, disse a esposa de Peyton, Letitia.

Em Abril de 2019, o Bispo Deshotel publicou uma lista de dezenas de membros do clero que tinham trabalhado na diocese e que tinham sido “acusados ​​de forma credível de abuso sexual de um menor ou de um adulto vulnerável” no século passado.

Entre os que constavam da lista estava Gilbert Gauthe, um padre que se declarou culpado na década de 1980 de abusar sexualmente de pelo menos 37 crianças. A igreja o destituiu e pagou mais de US$ 10 milhões para resolver ações judiciais movidas pelas vítimas.

Peyton disse que, tanto quanto é do seu conhecimento, nenhum dos membros do clero da Diocese de Lafayette que foram acusados ​​de abuso sexual foi excomungado.

Durante o processo criminal contra o Padre Guidry e o processo, os Peytons tornaram-se defensores declarados de uma lei estadual que permitia às vítimas de abuso sexual infantil buscar indenização por danos civis, independentemente de há quanto tempo os crimes ocorreram.

Letitia Peyton testemunhou a favor da lei perante legisladores estaduais. Ela e o marido fundaram a TentMakers, uma organização sem fins lucrativos para apoiar sobreviventes de abuso sexual cometido por membros do clero católico.

O seu ativismo provavelmente encorajou outras vítimas de abuso a se manifestarem, disse Kristi Schubert, a advogada do caso civil, que disse também representar pelo menos cinco pessoas com acusações de abuso sexual contra a diocese.

A excomunhão de Peyton pode ter um efeito inibidor, disse Schubert.

“Excomungar Scott Peyton envia uma mensagem aos sobreviventes de abuso de que não é seguro falar contra abusadores sexuais de crianças”, disse ela.

Em janeiro, a Diocese de Lafayette contestou a chamada lei retrospectiva no mais alto tribunal da Louisiana, que na sexta-feira disse que a lei violava os direitos constitucionais do devido processo.

Se tivesse sido mantida, a Diocese de Nova Orleães, que está em falência há quase quatro anos, ao procurar protecção contra dezenas de processos judiciais relacionados com alegações de abuso sexual, estaria potencialmente aberta a milhões de dólares em reclamações adicionais.

Schubert disse que o apelo da Diocese de Lafayette era provavelmente estratégico e pretendia desencorajar outras vítimas de se apresentarem.

“A Diocese de Lafayette corre o risco de perder milhões e milhões de dólares”, disse ela.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *