Mon. May 27th, 2024

A polícia disse na segunda-feira que imagens de uma câmera de vigilância em um vagão do metrô ajudaram a levar à prisão de três pessoas em conexão com o tiroteio fatal de um homem de 45 anos na semana passada.

Justin Herde, 24, Alfredo Trinidad, 42, e Betty Cotto, 38, estavam sob custódia em conexão com o assassinato de William Alvarez, 45, do Bronx, segundo o Departamento de Polícia de Nova York.

Alvarez estava viajando em um trem D em direção ao sul por volta das 5h da manhã de sexta-feira, quando os três suspeitos embarcaram na estação Fordham Road e discutiram com ele, disse a polícia. Alvarez levou um tiro no peito, disse Michael M. Kemper, chefe de trânsito do Departamento de Polícia, em entrevista coletiva na segunda-feira. O chefe Kemper acrescentou que os agressores do Sr. Alvarez fugiram do trem na estação das ruas 182nd-183rd.

Cerca de 1.000 dos cerca de 6.500 carros do sistema estão equipados com câmeras, parte de um esforço mais amplo iniciado em 2022 pela Autoridade de Transporte Metropolitano, que planeja instalar câmeras nos demais carros até o final deste ano.

Os assassinatos no metrô são raros, mas atraem intensa atenção do público. Este ano ocorreram outros dois incidentes fatais no sistema. No início deste mês, um homem de 35 anos foi morto e outras cinco pessoas ficaram feridas em um tiroteio na estação Mount Eden Avenue, no Bronx, durante a hora do rush noturno. E em janeiro, um pai de três filhos, de 45 anos, foi baleado em um trem número 3 no Brooklyn depois de intervir em uma discussão.

Os líderes do transporte público estão sob intensa pressão para trazer o número de passageiros de volta aos níveis pré-pandêmicos, e fazer com que o sistema pareça seguro é fundamental para essa missão. O número de passageiros aumentou cerca de 3% em janeiro, oscilando em média em cerca de 3 milhões de passageiros diários. Em 2019, o número de passageiros diários foi de cerca de 5 milhões.

O chefe Kemper descreveu na segunda-feira os homicídios como “incidentes isolados”, mas menos crimes começaram a surgir no metrô nos últimos meses. A criminalidade geral em Janeiro aumentou mais de 45 por cento em comparação com o mesmo período do ano passado. A maior parte do aumento foi por causa de roubo, disse a polícia.

Em resposta, o prefeito Eric Adams ordenou um aumento na presença policial este mês: mais 1.000 policiais uniformizados foram destacados para o sistema de trânsito, uma demonstração de força que ecoa um aumento semelhante no final de 2022.

Nos últimos dois anos, os líderes estaduais e municipais lançaram diversas iniciativas anticrime no metrô, incluindo horas extras extras para policiais e a remoção involuntária de moradores de rua com doenças mentais graves. As autoridades também instalaram as câmeras na esperança de trazer mais escrutínio aos locais onde os passageiros estavam preocupados com ataques aleatórios, assaltos e aumento do número de moradores de rua. Na época, os vigilantes da privacidade criticaram o plano da câmera como tendo motivação política e sendo caro. O prefeito e a governadora Kathy Hochul disseram que, além de melhorar a segurança pública, as medidas visavam combater a percepção pública – alimentada por vários crimes de grande repercussão – de que o sistema havia se tornado muito mais perigoso.

Uma análise do New York Times do MTA e das estatísticas policiais publicada em novembro de 2022 mostrou que a chance de ser vítima de crimes violentos no metrô era remota, mesmo que a taxa de crimes como assassinato, estupro, agressão criminosa e roubo tivesse mais que duplicado desde 2019. A análise descobriu que a taxa – 1,2 crimes violentos para cada milhão de viagens de metrô – era aproximadamente igual à chance de se ferir em um acidente de carro durante uma viagem de três quilômetros.

Até agora, neste ano, a criminalidade aumentou 13% em comparação com o mesmo período do ano passado. Mas depois do salto do início do ano, a criminalidade no metro caiu até agora no mês de Fevereiro em cerca de 17 por cento em comparação com Fevereiro passado.

As novas câmeras também levaram a prisões por outros crimes, incluindo o ataque ao Monte Éden em janeiro, disse a polícia. “Você não vai se safar”, disse Andrew Albert, membro do conselho do MTA, na reunião mensal do conselho da autoridade, na segunda-feira. “E sua foto estará em todo lugar.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *