Mon. May 27th, 2024

Karl Lagerfeld era um megacolecionador. De camisas brancas de gola alta (1.000). De livros (300.000). De decoração de época (Art Déco, Grupo Memphis, europeu do século XVIII). E de lares – pelo menos 20, na Europa e em Nova York.

“Ele adorava comprar, redesenhar e decorar casas”, disse Sébastien Jondeau, assistente de longa data e guarda-costas do estilista, falecido em 2019 aos 85 anos.

Uma dessas casas, o covil do vilão Bond no Quai Voltaire, em Paris, que foi a última residência de Lagerfeld – foi vendida em leilão na Câmara de Comércio e Indústria de Paris na terça-feira por 10 milhões de euros (US$ 10,8 milhões). Mais de 50 participantes se reuniram para a venda do apartamento de 2.800 pés quadrados, que Lagerfeld dividia com Choupette, seu querido gato Birman de olhos azuis. A licitação começou pouco depois das 10 horas, no valor de 5,3 milhões de euros, e rapidamente se transformou num impasse entre duas partes: uma que estava fora do local e comunicava através de um responsável do leilão na sala através de um telefone fixo, a outra que era representada por um advogado francês sentado na segunda fila e recebendo instruções pelo celular.

O advogado, que não quis revelar o seu nome por razões de confidencialidade, parecia estar a receber instruções em inglês do seu cliente através de um auscultador telefónico. As ofertas oscilaram entre os dois licitantes em incrementos de 50 mil a 150 mil euros durante quase 20 minutos, até que a oferta do advogado saltou de 9,3 milhões de euros para 10 milhões de euros. O oficial do leilão na linha fixa com o licitante por telefone fez um gesto com a mão para que seu licitante se retirasse. Quando o leiloeiro Bertrand Savouré anunciou que o apartamento havia sido vendido, os presentes explodiram em aplausos. Savouré não revelou o nome ou a nacionalidade do comprador.

O produto da venda irá para o espólio de Lagerfeld, que será distribuído aos sete herdeiros de Lagerfeld: o ex-modelo Baptiste Giabiconi, que receberá 30 por cento; Jondeau e o ex-modelo Brad Kroenig (pai do afilhado de Lagerfeld, Hudson) receberão 20% cada; e a diretora artística da Chanel, Virginie Viard, a musa criativa de Lagerfeld, Amanda Harlech, e as executivas da marca Karl Lagerfeld, Caroline Lebar e Sophie de Langlade, que dividirão os 30 por cento restantes, segundo a revista semanal francesa Le Point.

O leilão ocorre num momento de interesse renovado em Lagerfeld. “Paradise Now: The Extraordinary Life of Karl Lagerfeld”, uma biografia de William Middleton, ex-chefe da sucursal parisiense do Women’s Wear Daily, foi publicada nos Estados Unidos no ano passado e está sendo adaptada pela Paramount como um documentário, produzido por Graydon Carter. Em junho, o Disney+ transmitirá “Becoming Karl Lagerfeld”, uma série biográfica de seis episódios baseada no livro “Kaiser Karl” da jornalista francesa Raphaëlle Bacqué. E a Thames & Hudson lançou recentemente “Karl Lagerfeld: A Life in Houses”, um livro de arte em grande formato de Patrick Mauriès e Marie Kalt, ex-editora da Architectural Digest France, que detalha 13 propriedades de Lagerfeld.

“Cada lugar tinha seu próprio espírito”, escrevem os autores na introdução. Os imóveis de Lagerfeld “revelam seu caráter mais plenamente do que qualquer biografia”.

Especialmente o apartamento Quai Voltaire. Lagerfeld encontrou o apartamento de oito quartos, que fica no terceiro andar de um edifício do século 17 e tem vista para o Sena e as Tulherias, há 20 anos, enquanto lia a revista Maison & Demeure.

“Quando comprou o apartamento, ele disse: ‘Talvez eu trabalhe um pouco nele’”, lembrou Jondeau. “Depois ele passou três ou quatro anos refazendo tudo.”

Lagerfeld mandou derrubar paredes, molduras elaboradas foram arrancadas e uma mistura de concreto cinza e resina foi derramada no parquet de carvalho. O único remanescente da decoração histórica do edifício era o teto com afrescos de uma capela, que ele havia escondido por um teto falso. Ele reconfigurou o layout em uma grande sala de frente para o rio, um quarto com banheiro, um guarda-roupa de 550 pés quadrados, uma pequena lavanderia e uma despensa, onde guardava sua Diet Coke. Não era permitido cozinhar no apartamento, pois Lagerfeld detestava o aroma da comida nos ambientes residenciais. Fazia as refeições em outro apartamento de sua propriedade, na esquina, na Rue des Saints-Pères.

Ele emoldurou a sala principal com estantes de livros envoltas por portas de vidro branco leitoso. As janelas foram tratadas de forma semelhante, mas com vidro branco unidirecional que permitiu a Lagerfeld apreciar a vista enquanto mantinha os holofotes dos barcos de turismo e as lentes telefoto afastadas.

Lagerfeld mobiliou o apartamento com design do início do século 21, grande parte dele da Galerie Kreo, uma varejista de decoração contemporânea em Paris. Havia uma cadeira cromada bulbosa de Marc Newson, um par de cadeiras reclináveis ​​de vidro transparente e uma mesa de centro em forma de caixa combinando de Konstantin Grcic e uma estante de metal laqueado e Corian de Ronan e Erwan Bouroullec. Tudo estava em preto, branco, prata ou cinza. A iluminação era de um azul assustador que não projetava sombras.

“Aqui não há cor, porque estou constantemente rodeado de cor”, disse ele à Architectural Digest France em 2012. “Prefiro viver num ambiente neutro.” Os móveis foram vendidos pela Sotheby’s em Mônaco em 2021.

A vida do Sr. Lagerfeld no apartamento era meticulosa e controlada. Uma mesa era para desenhar, outra para preencher cheques, uma terceira pequena escrivaninha para correspondência. “Havia um pequeno sofá onde ele só se sentava para ler revistas”, disse Jondeau. Não havia nenhuma arte nas paredes, exceto um retrato serigrafado de Takashi Murakami do Sr. Lagerfeld. Ele raramente recebia visitantes.

“Nunca fui lá”, disse Clémence Krzentowski, cofundador da Galerie Kreo. “Ele me mandava fotos quando os móveis que entregamos estavam todos entregues e dizia que Choupette ‘amava tudo’”.

“O apartamento de Karl no Quai Voltaire era o mesmo de Coco Chanel quando ela morava no Ritz: muito íntimo, seu refúgio de luxo”, disse Jondeau. “Espero que caia em boas mãos.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *