Sun. May 26th, 2024

Um projeto de lei contra o anti-semitismo foi aprovado na Câmara dos Representantes dos EUA. O projeto foi aprovado na quarta-feira, apesar da oposição do movimento pelas liberdades civis. Agora será enviado ao Senado, a câmara alta do Congresso, para aprovação.

320 membros votaram ontem a favor da aprovação do projeto na Câmara dos Deputados. E 91 pessoas votaram contra o projeto. Acredita-se que o projeto de lei tenha sido aprovado em resposta aos protestos em universidades dos EUA contra o ataque de Israel a Gaza.

Se o projeto se tornar lei após ser aprovado no Senado, codificaria a definição de anti-semitismo da Aliança Internacional para a Memória do Holocausto (IHRA). Se a definição da IHRA for acrescentada à lei, o Departamento de Educação dos EUA poderá congelar o financiamento às universidades acusadas de práticas anti-semitas.

Os críticos dizem que a definição de anti-semitismo da IHRA poderia ser usada para suprimir os protestos anti-Israel em curso nas universidades dos EUA..

READ MORE : Reunião Blinken-Xi pede parceria e também alerta

De acordo com a definição da IHRA, o anti-semitismo é “uma ideia específica sobre os judeus, que pode ser usada para expressar ódio aos judeus”.

De acordo com a definição da IHRA, qualquer coisa que ataque o Estado de Israel também é considerada antissemitismo. Porque Israel é considerado uma comunidade judaica.

Na sexta-feira passada, a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) enviou uma carta aos membros da Câmara dos Representantes. A carta instava os membros da Câmara dos Representantes a não votarem a favor do projeto. Foi dito que, de acordo com a lei federal existente, a discriminação e o assédio anti-semitas já são proibidos.

A lei anti-semitismo foi aprovada na Câmara dos Representantes dos EUA numa altura em que ocorrem protestos anti-Israel em várias universidades do país. Os manifestantes exigiram que as autoridades universitárias boicotassem Israel.

Apesar das críticas às ações militares de Israel, a administração Biden e outras autoridades de Washington prometeram apoio contínuo a Israel. Os membros do Parlamento dos EUA também aumentaram a pressão sobre as administrações universitárias para que parem os protestos. Eles afirmam que estes protestos são anti-semitas.

Os líderes dos protestos em curso em várias universidades negaram as acusações.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *