Sun. May 26th, 2024
Um estudante pró-palestino foi escoltado pela polícia desde o campus da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, na quarta-feira, com as costas enfaixadas. Foto: ReutersUm estudante pró-palestino foi escoltado pela polícia desde o campus da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, na quarta-feira, com as costas enfaixadas. Foto: Reuters

A tensão estava no auge no campus da Universidade da Califórnia (UCLA), em Los Angeles, EUA. Centenas de policiais de choque atacaram estudantes que se manifestavam contra a agressão de Israel em Gaza. Após a prisão, eles estão sendo levados com as costas amarradas. Os manifestantes em toda a universidade gritavam: ‘Deixem nosso campus’.

Follow Google News to get the latest news From Nais News Follow Google News to get the latest news From Nais News

Esta imagem do campus da UCLA foi na noite de quarta-feira, horário local. Na continuação dos protestos anti-Israel que acontecem em várias universidades dos Estados Unidos, os estudantes da UCLA também realizam vários programas. Entretanto, estudantes pró-Israel da universidade atacaram-nos com cassetetes na noite de terça-feira passada. Depois disso, a polícia iniciou batidas e prisões no local.

A polícia não consegue impedir o protesto mesmo depois de atacar os estudantes. Em vez disso, os protestos estão a espalhar-se em novas universidades, incluindo a Universidade de Indiana. Atualmente, os alunos estão cursando programas em cerca de 50 universidades nos Estados Unidos. Mais de 1.000 manifestantes foram presos de lá. Estudantes universitários de diferentes países, incluindo Reino Unido, Canadá, França, Itália e Egito, iniciaram o movimento através das fronteiras dos Estados Unidos.

A polícia começou a se reunir no campus da UCLA na noite de quarta-feira. Mais de 2.000 estudantes que protestavam foram avisados ​​de que seriam presos se não saíssem do campus. Mais tarde, a polícia iniciou a operação tarde da noite, por volta das 15h30. Também foi alegado que eles dispararam balas de borracha neste momento. No entanto, não se sabe imediatamente quantos estudantes foram detidos.

Os manifestantes tentaram bloquear a polícia com guarda-chuvas e barricadas feitas à mão durante o dharpak. Mas não ajudou muito. Jack Bedrosian, um morador de Los Angeles que estava no local no momento, disse que houve um protesto pacífico. E hoje (quarta-feira) à noite não houve protesto. Portanto, chamar a polícia é um ato repreensível.

 

O controlador da cidade de Los Angeles, Kenneth Mejia, criticou a operação policial. Em uma postagem no X (antigo Twitter) na quarta-feira, ele disse: “Houve uma forte presença policial no campus da UCLA depois que estranhos atacaram um protesto estudantil pacífico na noite de terça-feira. Os estudantes agora terão que enfrentar a polícia. Apelamos à UCLA e aos líderes municipais para que protejam os estudantes. Não os machuque mais.

Um estudante sendo detido no campus da Universidade da Califórnia Foto: Reuters

Os alunos não param

O Hamas atacou Israel em 7 de outubro do ano passado. Desde esse dia, as forças israelitas continuam a atacar Gaza indiscriminadamente. 34 mil 596 palestinos foram mortos no vale até agora. Existe uma grave crise humanitária devido à falta de alimentos, água e equipamento médico.

Entretanto, os estudantes iniciaram protestos anti-Israel nos Estados Unidos há algumas semanas. O protesto começou na Universidade Columbia, em Nova York. No dia 18 de abril, a polícia prendeu cerca de 100 estudantes de lá. Os protestos então se espalharam pelos Estados Unidos.

Além da UCLA, a polícia também atacou manifestantes na Universidade do Texas na quarta-feira. Pelo menos 17 estudantes foram detidos ali, disseram as autoridades universitárias. Neste dia, estudantes foram retirados de um prédio da Universidade Fordham, em Nova York, e várias pessoas foram presas. Estudantes da Universidade de Tecnologia de Massachusetts (MIT) foram vistos bloqueando uma estrada perto do campus na tarde de quarta-feira.

Um policial aponta sua arma para os estudantes Foto: Reuters

Um dia antes, na terça-feira, a polícia prendeu cerca de 300 manifestantes da City University of New York e da Columbia University. Isabella, estudante da City University, indignada com a ação da polícia, disse: “Fomos atacados”. foi brutalmente detido. Também fiquei detido por seis horas. Fiquei bastante magoado. (O corpo) também foi cortado.’

As autoridades universitárias continuam a tentar equilibrar os protestos estudantis. Por um lado, têm de proteger a liberdade de expressão e, por outro lado, têm de lidar com acusações de anti-semitismo e de discurso de ódio. A administração do presidente pró-Israel dos EUA, Joe Biden, parece estar a seguir o mesmo caminho.

Como disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Karin Jean-Pierre, aos jornalistas: “Acredito que um número muito pequeno de estudantes está a causar o problema. Se quiserem protestar, têm o direito de fazê-lo pacificamente, de acordo com a lei, como outros americanos.

 

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *