Tue. May 21st, 2024

Esquecendo a hostilidade entre os Estados Unidos e a China, o secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, visitou a China com o objetivo de melhorar as relações com Pequim. A China emitiu um aviso ao Secretário de Estado dos EUA, além de sugerir um abrandamento nas relações.

O presidente chinês, Xi Jinping, realizou uma reunião com o secretário de Estado dos EUA, Blinken, na sexta-feira. Na reunião, o presidente chinês disse a Blinken que os Estados Unidos e a China deveriam ser parceiros, não inimigos.

Mas para normalizar o relacionamento deles, muitas coisas precisam ser feitas da maneira certa.
Nessa reunião, as autoridades dos EUA destacaram várias diferenças com a China sobre a Rússia, Taiwan e o comércio.

Numa reunião realizada no Grande Salão de Pequim, Chinping disse que os dois países fizeram alguns progressos positivos na normalização das relações desde que se reuniram com o presidente dos EUA, Joe Biden, no ano passado. Há margem para melhorar ainda mais este esforço de desenvolvimento de relacionamento.

Ele também disse que o mundo é grande o suficiente para o desenvolvimento e a prosperidade mútuos da China e dos Estados Unidos. Esperamos que os Estados Unidos tenham uma visão mais positiva do desenvolvimento da China. Quando estas questões fundamentais forem resolvidas, a relação será mais sustentável, desenvolvida e virada para o futuro.’

READ MORE : Comandos somalis treinados pelos EUA são detidos por roubar rações

Mais cedo, no mesmo dia, Blinken teve uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang He.

Na reunião, Wang He alertou Blinken sobre ultrapassar os limites, dizendo que se os EUA pressionarem em algo, o relacionamento irá para o fundo.
Wang He também alertou que os Estados Unidos não deveriam violar a fronteira com Taiwan. Neste momento, os Estados Unidos queixaram-se de que Pequim está a ajudar a Rússia de várias maneiras na guerra da Ucrânia.

A propósito dessa reunião, o Secretário de Estado dos EUA, Blinken, disse que teve uma reunião de cinco horas e meia com o Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês. Suas discussões foram intensas e construtivas.

Blinken visitou a China em junho do ano passado. A sua visita aliviou as tensões entre os dois países. Blinken é o mais alto diplomata dos EUA a visitar a China em cinco anos.

A rivalidade dos EUA com a China não é nova. Em 2022, a China cortou laços militares com os Estados Unidos em resposta à visita da então presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan. No ano passado, as relações dos EUA com a China deterioraram-se ainda mais devido a vários motivos. Estas incluem proibições dos EUA às exportações de tecnologia para a China, balões de vigilância chineses nos EUA e aumento da actividade militar chinesa no Mar do Sul da China.

Os dois presidentes reuniram-se em novembro do ano passado, após a visita de Blinken à China em junho. O encontro entre Biden e Xi aliviou um pouco as tensões entre os dois países. Embora as relações entre Washington e Pequim não tenham piorado, vários problemas permanecem. Há tensão entre os dois países por causa de Taiwan. Washington está muito zangado com a forma como a China apoia a Rússia na guerra da Ucrânia. Não foi feito muito progresso na redução da quantidade de produtos químicos necessários para produzir fentanil na China. Além disso, Pequim não aceitou bem o projeto de lei aprovado recentemente no Senado dos EUA para proibir a empresa chinesa TikTok.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *