Fri. Jul 19th, 2024

Sob tremenda pressão para conseguir milhares de milhões de dólares para apoiar as forças armadas da Ucrânia e reabastecer os arsenais cada vez menores dos seus membros, a União Europeia disse na quarta-feira que tinha concebido uma forma legal de usar activos russos congelados para ajudar a armar a Ucrânia, tal como estava a considerar outros mecanismos para reforçar as suas indústrias de defesa.

Os desenvolvimentos constituem um marco importante, com o financiamento dos EUA à Ucrânia a permanecer estagnado no Congresso e as defesas da Ucrânia a fraquejarem à medida que a escassez de munições, projécteis de artilharia e mísseis forçam o racionamento do campo de batalha.

Embora a UE esteja a estudar diversas formas de encontrar dinheiro para compras de defesa, todas elas enfrentam obstáculos.

O objectivo de “fazer a Rússia pagar” pelo arsenal da Ucrânia e pela sua reconstrução tornou-se um slogan popular entre os aliados, mas transformá-lo numa política efectiva revelou-se difícil, em grande parte devido a preocupações legais em torno da liquidação de activos estatais russos congelados sob sanções.

Agora, após meses de disputas políticas, a Comissão Europeia, o ramo executivo da UE, encontrou uma forma de utilizar os lucros desses activos russos congelados em benefício da Ucrânia, sendo a maior parte destinada ao apoio militar à Ucrânia.

Previsto para aprovação pelos líderes da UE reunidos em Bruxelas na quinta-feira, o plano poderá fornecer à Ucrânia até 3 mil milhões de euros, ou cerca de 3,25 mil milhões de dólares, por ano, ou até 15 mil milhões de euros (16,3 mil milhões de dólares) de 2023 a 2027, dependendo da situação. condições de mercado. O primeiro pagamento a Kiev poderá ser feito já em julho, informou a comissão na quarta-feira.

Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, há mais de dois anos, as nações ocidentais tomaram a medida invulgar de congelar mais de 330 mil milhões de dólares em activos do banco central russo detidos no estrangeiro. A maior parte deles – mais de 217 mil milhões de dólares – está na União Europeia. Com os pagamentos à Rússia bloqueados por sanções, Moscovo não conseguiu aceder a esses activos, vendê-los ou beneficiar dos juros auferidos sobre eles.

Como tal, o dinheiro gerado a partir dos activos permaneceu preso no estrangeiro, sendo a grande maioria detida na Bélgica pela Euroclear, uma empresa de serviços financeiros. Segundo o plano da UE, 97% dos lucros gerados por esses activos a partir de 15 de Fevereiro iriam para a Ucrânia. Empresas como a Euroclear reteriam 3% para financiar litígios em curso e futuros da Rússia que tentasse recuperar os seus activos e receitas.

Este ano, 90 por cento desse lucro inesperado iria para o financiamento de armas para a Ucrânia, disse a comissão, com o restante reservado para o fundo do bloco para a reconstrução da Ucrânia.

“Os russos não ficarão muito felizes”, disse Josep Borrell Fontelles, o disse o principal diplomata da UE esta semana. A quantidade de dinheiro, acrescentou, “não é extraordinária, mas não é negligenciável”.

Uma versão anterior deste plano foi adiada duas vezes no decurso de 2023 devido a divergências entre os Estados-Membros e Preocupações do Banco Central Europeu. O banco, a versão da Reserva Federal dos EUA para a zona euro, alertou que a utilização de activos do banco central de outro país poderia prejudicar a reputação da Europa como um lugar seguro para armazenar dinheiro, o que poderia prejudicar a aspiração do bloco de aumentar a utilização internacional da sua moeda comum, o euro.

Tal como Borrell previra, os russos ficaram indignados com a proposta. “Isto é banditismo e roubo total”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, na quinta-feira, informou a agência de notícias russa TASS.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, foi mais contido. “Os europeus estão perfeitamente conscientes dos danos que tais decisões podem causar tanto à sua economia como à sua imagem, à sua reputação como fiadores fiáveis ​​da inviolabilidade da propriedade”, disse Tass, citando-o.

As receitas provenientes dos activos russos congelados são um começo, mas a UE precisará de mais milhares de milhões para continuar a apoiar a Ucrânia e reforçar a sua própria defesa, especialmente com a possibilidade iminente de uma ruptura completa na ajuda americana à Ucrânia sob a presidência de Trump.

Os arsenais dos 27 membros do bloco foram esgotados após dois anos de transferências de armas e munições para a Ucrânia. Igualmente importante é o facto de a indústria de defesa europeia afirmar que precisa de mais certeza e de investimento inicial antes de poder aumentar a produção.

A construção de uma indústria militar integrada é um território novo para a União Europeia, que desde o seu início tem sido principalmente uma aliança económica e comercial.

Mas a necessidade de os europeus investirem na defesa tornou-se mais urgente após comentários recentes pelo ex-presidente Donald J. Trump, o presumível candidato presidencial republicano. Ele disse no mês passado que se oporia à defesa da OTAN dos membros europeus que pagavam mal para as necessidades de defesa conjunta da aliança, e que “encorajaria” a Rússia a “fazer o que quiserem” na Europa.

Os europeus tomaram nota. “Durante décadas, a Europa não investiu o suficiente na sua segurança e defesa”, disse Charles Michel, o presidente do Conselho Europeu, que define as prioridades políticas, numa carta aos líderes da UE reunidos em Bruxelas na quinta-feira. “Agora que enfrentamos a maior ameaça à segurança desde a Segunda Guerra Mundial, é tempo de tomarmos medidas radicais e concretas para estarmos preparados para a defesa e colocarmos a economia da UE em “pé de guerra”.

“Isso significa gastar mais e comprar mais em conjunto, portanto com mais eficiência”, acrescentou. “Devemos também ajudar a indústria de defesa a ter acesso a fundos públicos e privados.”

Na cimeira de quinta-feira, os líderes da UE discutirão a ideia de fazer com que o banco climático e de desenvolvimento do bloco, o Banco Europeu de Investimento, se aventure em compras de defesa – uma grande mudança na sua estratégia e propósito das alterações climáticas e da energia verde, destacando a urgência sentida em todos os países. a UE para reforçar as capacidades militares.

Alguns países da UE gostariam que o bloco emitisse títulos em conjunto para angariar financiamento barato para a defesa. Mas isto não é popular entre os países mais ricos da UE, especialmente a Alemanha. O bloco também mantém o Mecanismo Europeu para a Paz, um fundo extra-orçamental que tem sido lentamente utilizado para compras de defesa para a Ucrânia. A França quer que este fundo pague apenas equipamento fabricado na Europa, o que é visto como uma grande limitação, dado que a indústria de defesa europeia afirma ser incapaz de produzir rapidamente o suficiente para satisfazer as necessidades crescentes.

Entretanto, os países da UE que operam fora das restrições e estruturas da UE conseguiram agir mais rapidamente para apoiar a Ucrânia, sublinhando a rigidez do bloco. A República Checa tem liderado um grupo de compradores com outros aliados da UE e já garantiu 300.000 munições para a Ucrânia, uma vez que os seus arsenais estão perigosamente baixos.

Funcionários da administração Biden têm feito viagens frequentes à Europa para discutir a utilização de recursos russos para ajudar a Ucrânia. Numa reunião de ministros das Finanças no Brasil no mês passado, a secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, disse que a apreensão definitiva de activos era uma possibilidade e sugeriu que havia uma justificação legal para o fazer.

Mas a reunião foi marcada por divisões entre os decisores políticos. Alguns, como o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, argumentaram que a tomada directa de activos do banco central russo violaria o direito internacional.

Ashley Nelson contribuiu com relatórios de Frankfurt, e Alan Rapport de Washington.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *