Mon. Jul 15th, 2024

Marina, uma advogada moscovita, decidiu ficar em casa quando o líder da oposição russa Aleksei A. Navalny foi enterrado na sexta-feira passada. Ela esperava uma grande multidão e prisões generalizadas no Cemitério Borisovsky, dado o atual clima de repressão na Rússia, e pensou que seria melhor prestar-lhe homenagem outro dia.

Ela não estava sozinha nesse pensamento. Quando ela veio colocar flores no domingo, teve que esperar na fila por até 40 minutos, disse Marina em entrevista por telefone de Moscou. (Como outros, ela pediu que seu sobrenome fosse omitido por medo de represálias.)

Depois do funeral do Sr. Navalny – quando milhares de pessoas esperavam do lado de fora da igreja e marchou através do rio Moskva até ao cemitério onde foi enterrado – era amplamente esperado que a multidão diminuísse. Presumivelmente, essa era a esperança dentro do Kremlin. Desde então, porém, o túmulo tornou-se um local de peregrinação para aqueles que anseiam que a sua visão da “bela Rússia do futuro” se torne realidade.

No entanto, com a morte de Navalny, aos 47 anos, numa das colónias penais mais duras e remotas da Rússia, esse sonho parece agora distante para Marina e muitos outros.

“Não pensei que ele seria morto na prisão”, disse ela. “Achei que ele realmente iria sair, seria um ponto de viragem e tudo mudaria. Não processei totalmente a morte de Navalny. Por enquanto não sei, não tenho nenhuma visão de futuro.”

Isto não se deve apenas ao facto de ele ter morrido, acrescentou ela, “mas porque as forças do mal estão a aproximar-se”, numa referência à tendência cada vez mais totalitária da Rússia.

Marina e muitos outros disseram que apenas fazer a viagem ao bairro suburbano de Borisovo, onde Navalny está enterrado, foi uma experiência curativa. O túmulo está tão cheio de flores que muitas vezes é impossível ver a cruz de madeira em sua cabeceira.

A fila parecia enorme quando Marina chegou em um ônibus cheio de pessoas segurando buquês, ela lembrou, mas era o dobro do tempo quando ela saiu. Mediazona, um meio de comunicação independente russo, calculado que aproximadamente 27.000 pessoas usaram a estação de metrô mais próxima na sexta, sábado e domingo para visitar o túmulo do Sr. Navalny.

“Senti-me muito melhor quando vi quantas pessoas partilham os mesmos valores comigo”, disse Yulia, 47 anos, que visitou o túmulo no sábado. “Depois do funeral de Aleksei, me senti melhor emocionalmente, como se um peso tivesse sido tirado, porque vi que toda a propaganda, todos esses palhaços miseráveis ​​​​na televisão, não influenciam a maioria das pessoas”

Ambas as mulheres disseram que a multidão no cemitério parecia ser composta por pessoas de diversas idades e origens. Marina disse ter notado pequenos bilhetes deixados no túmulo por pessoas de cidades russas além de Moscou.

Muitas das pessoas que compareceram ao funeral na sexta-feira estavam preparadas para a possibilidade de serem detidas. As detenções em massa não se concretizaram, mas as autoridades pareciam estar a utilizar vídeos e fotografias, de diversas fontes, possivelmente para deter pessoas mais tarde.

Essa não foi uma ameaça inútil. Desde o funeral, surgiram relatos de pessoas que apareceram nas imagens do evento sendo visitadas pelas autoridades em casa e detidas. Isso se soma a pelo menos 400 pessoas detidas em memoriais improvisados ​​nas duas semanas entre a morte de Navalny e o funeral. O meio de comunicação OVD-Info informou que outras 113 pessoas em 19 cidades da Rússia foram detidas na sexta-feira por estarem de luto aberto por Navalny.

“Eles querem matar a memória de Aleksei, querem matar as suas ideias, mas não podem fazê-lo, porque ele colocou as suas ideias nos corações e mentes das pessoas há muito tempo”, disse Nikolai Lyaskin, um político que passou anos trabalhando com o Sr. Navalny.

“Aleksei sempre foi, pareceu e foi percebido como alguém inquebrável, inabalável”, disse ele. “Ele era como um farol apontando o caminho a seguir, que as coisas estão ruins, mas devemos lutar. Agora o farol foi removido e temos que navegar sozinhos de alguma forma.”

Em Janeiro de 2022, Navalny e sete dos seus associados foram adicionados à lista oficial de “terroristas e extremistas” do governo russo, colocando-os nas mesmas condições jurídicas que os Taliban, o Estado Islâmico e grupos nacionais nacionalistas de extrema-direita. (O Talibã pode visitar a Rússia livremente, mas os associados de Navalny fugiram do país para evitar a prisão.) No ano anterior, a sua organização, o Fundo Anticorrupção, foi adicionada à lista, tornando ilegal a execução de qualquer pessoa associada a ele. para cargos públicos e criminalizando a filiação ao grupo.

O facto de tantas pessoas continuarem a afluir ao cemitério para lamentar alguém considerado “terrorista e extremista” é “um acontecimento extraordinário”, disse uma cientista política russa, Ekaterina Schulmann, na terça-feira no seu canal no YouTube.

“Isto está a acontecer em Moscovo, no ano de 2024, depois de dois anos de guerra e de uma emigração bastante massiva, precisamente por parte das pessoas que apoiaram Aleksei Navalny ou poderiam apoiá-lo”, disse ela.

A viúva do Sr. Navalny, Yulia Navalnaya, que também mora fora da Rússia, divulgou um vídeo na quarta-feira, agradecendo àqueles que foram a um túmulo que ela não pode visitar.

“Olhando para você, tenho certeza de que nem tudo é em vão”, disse ela. “Essas fotos estão cheias não apenas de tristeza e pesar, mas também de esperança. Aleksei sonhava com uma bela Rússia do futuro. E você é a Rússia. Esses dias vi muito carinho, gentileza e união. E é exatamente isso que nos distingue das pessoas sentadas no Kremlin.”

No vídeo, ela instou os russos a atenderem ao apelo de Navalny, da prisão onde ele morreu mais tarde, para votarem contra Vladimir V. Putin nas eleições presidenciais ao meio-dia de 17 de março, numa demonstração de unidade política.

Mas as sondagens realizadas pelo independente Levada Center são preocupantes. Apenas um em cada 10 entrevistados após sua morte falou com aprovação de suas atividades. Cerca de 20 por cento dos entrevistados tiveram uma opinião positiva sobre as pessoas que tentavam honrar a memória de Navalny, enquanto uma quantidade semelhante teve uma atitude negativa. “A maioria”, escreveram os pesquisadores, “é indiferente”.

Para pessoas como Shura Burtin, jornalista independente, a morte de Navalny e as suas consequências levaram a um sentimento de desespero.

“Esperar que haja algo normal com a Rússia num futuro próximo é perigoso”, escreveu Burtin no Meduza, um meio de comunicação independente com sede na Letónia.

“Acho que é importante sentir nossa fraqueza”, disse ele. “É claro que não temos futuro e que estamos muito fracos. Para ver como estamos desconectados, como somos ruins em ajudar uns aos outros.”

Ao contrário de Marina e Yulia, o Sr. Burtin está exilado fora da Rússia. Mas ele compartilhou o desejo urgente de se cercar de pessoas com ideias semelhantes após a morte de Navalny.

“Quando descobri sobre Navalny, tive vontade de ligar para todo mundo. Por enquanto, esta é a única coisa que me vem à mente: estar mais próximos uns dos outros”, escreveu ele. “Acho que é hora de entrar em modo de emergência e tentar se comportar de maneira diferente.”

Marina disse que quer visitar o túmulo novamente em breve, talvez quando menos pessoas estiverem lá, para que ela possa se despedir adequadamente sem ser pressionada a seguir em frente.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *