Tue. May 28th, 2024

À medida que o seu acordo nuclear de 2015 com as grandes potências se desgastou ao longo dos anos, o Irão expandiu e acelerou o seu programa nuclear, reduzindo o tempo que seria necessário para construir uma bomba nuclear se quisesse, embora negue querer fazê-lo.

Um alto comandante da Guarda Revolucionária Iraniana disse na quinta-feira que o Irã poderia rever sua “doutrina nuclear” em meio às ameaças israelenses. Embora não tenha sido claro exactamente o que ele quis dizer, e esse termo tende a referir-se a países que, ao contrário do Irão, possuem armas nucleares, abaixo está um esboço da posição do Irão.

Colapso do negócio e tempo de intervalo

O acordo de 2015 introduziu limites estritos às actividades nucleares do Irão em troca do levantamento das sanções internacionais contra Teerão. Reduziu o stock de urânio enriquecido do Irão, deixando-o apenas com uma pequena quantidade enriquecida até 3,67% de pureza, longe dos cerca de 90% de pureza que são adequados para armas.

Os Estados Unidos disseram na época que o principal objetivo era aumentar para pelo menos um ano o tempo que o Irã precisaria para produzir material físsil suficiente para uma bomba nuclear – o maior obstáculo em um programa de armas.

Em 2018, o então presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo, reimpondo sanções a Teerão que reduziram as suas vendas de petróleo e prejudicaram a sua economia. Em 2019, o Irão começou a violar as restrições às suas atividades nucleares e depois foi muito além delas.

READ MORE : Desta vez, a explosão no Iraque, o ataque aéreo à base militar apoiada pelo Irão, é Israel?

Já violou todas as principais restrições do acordo, incluindo sobre onde, com que máquinas e até que nível pode enriquecer urânio, bem como quanto material pode armazenar.

O seu stock de urânio enriquecido, que foi limitado a 202,8 kg pelo acordo, era de 5.500 kg em Fevereiro, de acordo com o último relatório trimestral do órgão de vigilância nuclear da ONU que inspeciona as centrais de enriquecimento do Irão.

O Irão está actualmente a enriquecer urânio com uma pureza até 60% e dispõe de material enriquecido a esse nível, se for ainda mais enriquecido, suficiente para duas armas nucleares, de acordo com a definição teórica da Agência Internacional de Energia Atómica.

Isso significa que o chamado “tempo de fuga” do Irão – o tempo que seria necessário para produzir urânio suficiente para armas nucleares – é próximo de zero, provavelmente uma questão de semanas ou dias.

A AIEA inspeciona os locais de enriquecimento declarados pelo Irão: uma central acima do solo e uma central subterrânea maior no seu complexo de Natanz e outra enterrada no interior de uma montanha em Fordow.

Como resultado da cessação da implementação de elementos do acordo pelo Irão, a AIEA já não pode monitorizar integralmente a produção e o inventário de centrifugadoras, máquinas que enriquecem urânio, e já não pode realizar inspecções instantâneas. Isto gerou especulações sobre se o Irão poderia ter criado um local secreto de enriquecimento, mas não há indicações concretas de que tal aconteça.

Armamento

Além do enriquecimento de urânio, há a questão de quanto tempo o Irão levaria para produzir o resto de uma arma nuclear e potencialmente torná-la pequena o suficiente para instalar um sistema de entrega como um míssil balístico, se assim o desejar. Isto é muito mais difícil de estimar, pois é menos claro quanto conhecimento o Irão possui.

As agências de inteligência dos EUA e a AIEA acreditam que o Irão tinha um programa coordenado de armas nucleares que interrompeu em 2003. Trabalhou em aspectos de armamento e algum trabalho continuou até 2009, concluiu a AIEA num relatório de 2015.

O Irão nega alguma vez ter um programa de armas nucleares, embora o Líder Supremo Ali Khamenei tenha dito que, se quisesse, os líderes mundiais “não seriam capazes de nos deter”.

As estimativas de quanto tempo o Irão necessitaria para se armar geralmente variam entre meses e cerca de um ano.

Em Março de 2023, o principal oficial militar dos EUA na altura, General Mark Milley, testemunhou ao Congresso que a armamento levaria vários meses ao Irão, embora não tenha dito em que se baseava essa avaliação.

Num relatório trimestral publicado em Fevereiro deste ano, a AIEA afirmou: “As declarações públicas feitas no Irão relativamente às suas capacidades técnicas para produzir armas nucleares apenas aumentam as preocupações do Director-Geral sobre a correcção e integridade das declarações de salvaguardas do Irão”.

Diplomatas disseram que essas declarações incluíam uma entrevista televisiva do antigo chefe nuclear do Irão, Ali Akbar Salehi, na qual ele comparou a produção de uma arma nuclear à construção de um carro, e disse que o Irão sabia como fabricar as peças necessárias.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *