Sat. Jun 15th, 2024

O presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, alertou que se os caças F-16 fornecidos à Ucrânia pelos seus aliados ocidentais operassem a partir de aeródromos de outros países, as bases seriam “alvos legítimos” para ataque.

No entanto, num discurso aos pilotos da Força Aérea Russa na quarta-feira, Putin rejeitou as sugestões de alguns líderes ocidentais de que a Rússia está a planear invadir países da NATO, considerando-as “completas sem sentido”.

A ameaça de que a Rússia possa agir contra outros países tornou-se um dos principais argumentos utilizados pelo governo ucraniano e pelos seus apoiantes para tentar persuadir os EUA a enviar mais ajuda militar ao país.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse novamente numa entrevista à CBS News publicada na quinta-feira que a guerra “pode chegar à Europa e aos Estados Unidos da América”.

“Isso pode chegar muito rapidamente à Europa”, disse Zelensky.

Na quinta-feira, nas Nações Unidas, a Rússia vetou uma resolução que teria alargado a supervisão da ONU sobre as sanções ligadas ao programa nuclear da Coreia do Norte, provocando acusações de nações ocidentais de que estava a agir para manter aberto o oleoduto de armamento dos norte-coreanos para utilização na Ucrânia. .

A votação russa – uma reversão do seu apoio anterior ao programa de monitorização – atraiu a condenação dos líderes mundiais. Nos Estados Unidos, o porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, classificou-a como uma “ação imprudente” que deixou claro os laços crescentes entre Pyongyang e Moscovo.

A votação ocorreu um dia depois de Putin visitar a cidade provincial de Torzhok, na região de Tver, ao norte de Moscou, onde inspecionou um centro de treinamento para pilotos militares russos.

Falando com os pilotos, Putin disse que a Rússia gastou com suas forças armadas apenas uma fração do que os Estados Unidos gastam. “Considerando esta diferença”, disse ele, as preocupações de que Moscovo combata a NATO são “absurdas”.

Putin também reiterou o seu argumento de que o alargamento da OTAN na sequência do colapso soviético foi a principal razão para a sua decisão de atacar a Ucrânia em 2022.

“Atravessamos o oceano e nos aproximamos das fronteiras dos EUA?” ele perguntou. “Não, são eles que estão se aproximando de nós e chegaram às nossas fronteiras.”

Mas Putin deixou aberta a porta para um campo de batalha expandido quando chegou a decisão dos aliados da Ucrânia de equipá-lo com caças F-16 de fabricação americana.

“As aeronaves F16 também podem transportar armas nucleares, e teremos de ter isso em conta ao organizarmos as nossas operações de combate”, disse Putin.

Na quinta-feira, nas Nações Unidas, a Rússia vetou uma resolução que teria alargado a supervisão da ONU sobre as sanções ligadas ao programa nuclear da Coreia do Norte, provocando acusações de nações ocidentais de que estava a agir para manter aberto o oleoduto de armamento dos norte-coreanos para utilização na Ucrânia. .

A Ucrânia também teve um papel importante na resposta do Kremlin ao ataque terrorista que matou pelo menos 143 pessoas na semana passada numa sala de concertos nos arredores de Moscovo.

Pouco depois do ataque, Putin e outras autoridades russas, sem provas, descreveram a Ucrânia como o provável cérebro por detrás do ataque. Putin acabou por reconhecer que o ataque tinha sido “perpetrado por islamitas radicais”, mas manteve a afirmação de que a Ucrânia poderia tê-lo ordenado.

Na quinta-feira, continuando nesse sentido, o comité de investigação da Rússia, o equivalente do FBI no país, afirmou num comunicado que tinha “obtido provas” de que os agressores estavam “ligados a nacionalistas ucranianos”, sem especificar quais eram essas provas.

Os investigadores disseram ter “confirmado dados de que os autores do ataque terrorista receberam quantias significativas de dinheiro e criptomoedas da Ucrânia, que foram usadas na preparação do crime”. Disseram também que outra pessoa havia sido presa em conexão com o ataque e que em breve compareceria ao tribunal.

O governo ucraniano negou qualquer envolvimento no ataque. Os Estados Unidos e outros governos ocidentais afirmaram repetidamente que o Estado Islâmico – que emitiu duas reivindicações de responsabilidade – estava por trás do ataque e que a Ucrânia não estava envolvida.

Com 74 vítimas do ataque à sala de concertos ainda hospitalizadas, Putin ainda não as visitou nem se deslocou ao local do ataque. Dmitri S. Peskov, porta-voz do Kremlin, disse na quinta-feira que Putin esteve fortemente envolvido no esforço de resgate na noite do ataque e que uma visita ao local do ataque prejudicaria seu trabalho.

Emin Agalarov, executivo do proprietário da sala de concertos, o Crocus Group, defendeu na quinta-feira como sua equipe lidou com o ataque e suas consequências, incluindo um incêndio na sala, e a conformidade do edifício com os requisitos de segurança contra incêndio e proteção. Falando na televisão estatal, Agalarov disse que os sistemas de incêndio e outros sistemas de emergência funcionaram normalmente e permitiram que milhares de pessoas evacuassem o prédio.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *