Wed. Jun 19th, 2024

Joseph Wu, ministro das Relações Exteriores de Taiwan, disse na quinta-feira que a suspensão dos envios de armas dos EUA para a Ucrânia encorajaria a China em suas agressões contra Taiwan e alimentaria a propaganda de Pequim de que os Estados Unidos não são um parceiro confiável.

“Quando as pessoas nos perguntam se é aceitável que os Estados Unidos abandonem a Ucrânia, a resposta é não, porque o mundo não funciona de uma forma a preto e branco, ou se olharmos apenas para um teatro de cada vez”, ele disse. “O mundo está interligado.”

Se a Rússia conseguir ocupar uma parte maior da Ucrânia e reivindicar a vitória, acrescentou, “isso seria visto como uma vitória dos Estados autoritários porque a Rússia, a China, a Coreia do Norte e o Irão estão agora ligados”.

Os comentários de Wu, feitos em uma ampla entrevista de uma hora em Taipei, ocorrem no momento em que o governo Biden tenta fazer com que o Congresso aprove um pacote de financiamento suplementar que daria US$ 60 bilhões em ajuda à Ucrânia.

Muitos republicanos da Câmara opõem-se firmemente a dar mais ajuda à Ucrânia, adoptando a postura “América Primeiro” adoptada pelo antigo Presidente Donald J. Trump, um candidato pró-Rússia que os pressionou a rejeitar o pacote. Durante meses, alegaram que estariam dispostos a considerar fornecer mais assistência a Kiev se a administração Biden impusesse severas restrições à imigração na fronteira dos Estados Unidos com o México. Mas, a pedido de Trump, recusaram um pacote de financiamento que teria feito isso, considerando as medidas fronteiriças demasiado fracas.

O pacote também inclui 8 mil milhões de dólares de ajuda para combater a China na região Ásia-Pacífico, dos quais 1,9 mil milhões de dólares seriam para reabastecer os stocks de armas dos EUA enviadas para Taiwan. E inclui 14,1 mil milhões de dólares em ajuda militar a Israel.

Alguns legisladores republicanos afirmam que a China é uma ameaça maior do que a Rússia e que o financiamento proposto para a Ucrânia deveria ser destinado ao combate à China. Mas outras autoridades republicanas no Congresso e muitos democratas defendem o mesmo argumento de Wu: que a segurança de Taiwan está ligada à da Ucrânia, porque a China verá fraqueza por parte dos Estados Unidos – e uma maior probabilidade de sucesso num potencial invasão de Taiwan — se a Ucrânia for derrotada.

Os líderes chineses afirmam há décadas que Taiwan, uma ilha independente de facto, deve ser colocada sob o domínio do Partido Comunista, pela força, se necessário. Xi Jinping, o líder da China, continuou a promover essa posição.

Os governos dos EUA e de Taiwan têm tentado dissuadir a China de invadir Taiwan, nomeadamente através do reforço militar na região e do reforço de alianças com outras nações democráticas.

Se os Estados Unidos abandonarem a Ucrânia, disse Wu, a China “interpretará isso como uma sugestão” de que, se conseguir manter uma acção sustentada contra Taiwan, “os Estados Unidos irão recuar, os Estados Unidos e os seus aliados irão recuar.” O pensamento entre as autoridades chinesas seria este, disse ele: “OK, já que a Rússia pode fazer isso, nós também podemos fazer isso”.

“Portanto, a determinação dos EUA em fornecer apoio aos países que sofrem agressões autoritárias é muito importante”, disse Wu.

Depois que as tropas dos EUA se retiraram do Afeganistão em 2021, a China fez propaganda através da mídia estatal tradicional e das redes sociais de que “o compromisso dos EUA com qualquer coisa não é firme”, disse Wu. “Sofremos uma enorme onda de guerra cognitiva.”

A China também espalhou desinformação, sublinhando as narrativas russas sobre a guerra, disse Wu, incluindo a ideia de que a expansão da NATO forçou o presidente Vladimir V. Putin a atacar a Ucrânia, e que os Estados Unidos, em última análise, não estão empenhados em apoiar a Ucrânia.

Na véspera da invasão da Rússia, em Fevereiro de 2022, Putin visitou Xi em Pequim e os seus dois governos anunciaram uma parceria “sem limites”.

Wu disse que alguns países da Europa Central e Oriental que procuram forjar parcerias anti-autoritárias reforçaram as suas relações com Taiwan durante a guerra.

Os seus comentários sobre a necessidade de os Estados Unidos continuarem a apoiar Taiwan ecoam os de outros altos funcionários taiwaneses. Em maio de 2023, Bi-khim Hsiao, então embaixador de facto de Taiwan nos Estados Unidos e agora o novo vice-presidente, apresentou argumentos semelhantes aos repórteres em Washington.

E em fevereiro, o deputado Raja Krishnamoorthi, democrata de Illinois, disse durante uma visita de legisladores americanos a Taiwan que o atual presidente, Tsai Ing-wen, e o presidente eleito, Lai Ching-te, deixaram claro aos legisladores que “se por alguma razão, os ucranianos não prevalecem, o que apenas encorajará as hostilidades contra Taiwan.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *