Mon. Jun 24th, 2024

Quase um quarto dos fumantes de cigarros mentolados pararam de fumar um ou dois anos após a entrada em vigor da proibição do mentol, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira.

Os pesquisadores descobriram que cerca de metade dos fumantes de mentol mudaram para outros cigarros e outro quarto conseguiu continuar fumando mentol. A taxa de fumantes de mentol que pararam de fumar foi maior em países que impuseram proibições, em contraste com cidades ou estados, uma vez que era mais difícil para as pessoas dirigir alguns quilômetros para continuar comprando cigarros de mentol, de acordo com o estudo.

A Food and Drug Administration tem instado a administração Biden a impor uma proibição aos cigarros mentolados, um objectivo que gerou intensa oposição de retalhistas e empresas de tabaco, juntamente com preocupações, num ano de eleições presidenciais, de que poderia alienar os eleitores negros.

Os fumadores negros, que são fortemente a favor dos cigarros mentolados, também são os que mais têm a ganhar com essa proibição, afirmam investigadores de saúde pública, observando que as mortes prematuras por cancro, doenças cardíacas e pulmonares poderiam ser evitadas após um declínio acentuado nas taxas de tabagismo.

O estudo analisou os efeitos das proibições em outros países, incluindo o Canadá e alguns na União Europeia, bem como as proibições em vigor em estados, incluindo Massachusetts. Os pesquisadores revisaram estudos, taxas de tabagismo e vendas de cigarros como parte de suas análises.

“Nossa análise descobriu que a proibição do mentol terá um impacto pró-equidade, o que significa que esperamos que o tabagismo reduza ao máximo entre os indivíduos negros que fumam em comparação com outros grupos raciais ou étnicos”, disse Sarah Mills, principal autora do estudo e professor assistente da escola de saúde pública da Universidade da Carolina do Norte.

O que resta saber é se a Casa Branca, talvez assombrada pela reacção anti-regulatória contra as medidas de saúde pública tomadas durante a pandemia do coronavírus, irá avançar com a proibição este ano. Em Dezembro, a Casa Branca adiou a decisão sobre a proposta pelo menos até Março, levantando especulações de que esta iria definhar enquanto o Presidente Biden procura um segundo mandato.

Os cigarros mentolados geram bilhões de dólares em vendas todos os anos para os oponentes da proibição, incluindo a Reynolds American, fabricante dos cigarros Newport; Altria, fabricante do mentol Marlboros; e postos de gasolina e lojas de conveniência.

Os opositores montaram uma campanha sobre as possíveis consequências de uma proibição, patrocinando anúncios que ameaçam um aumento do tráfico ilícito de cigarros na fronteira entre os EUA e o México. Eles também elevaram o perfil daqueles que preveem um aumento potencial da violência policial contra fumantes negros de cigarros mentolados. Mas a proibição proposta pelos EUA não visa indivíduos; a aplicação é proposta a nível do fabricante.

Especialistas em saúde pública intensificaram a pressão nas últimas semanas, organizando um “funeral mentolado” fora da Casa Branca para chamar a atenção para o número anual de 480 mil mortes relacionadas com o tabagismo. Os antigos cirurgiões-gerais apelaram à Casa Branca no início deste mês para “salvar vidas” finalizando imediatamente a proibição e “não se distrair com a indústria do tabaco e os seus apologistas”.

E a Campanha para Crianças Livres do Tabaco divulgou na quinta-feira sua própria pesquisa que sugeria que uma proibição não diminuiria o apoio dos eleitores negros ao presidente. A pesquisa, realizada para o grupo de defesa, indicou que 62 por cento dos entrevistados relataram ser a favor da proibição do mentol, em comparação com 25 por cento que desaprovaram.

“Estes novos dados provam o que já sabemos ser verdade – os eleitores negros querem ver uma proibição do mentol”, disse Derrick Johnson, presidente da NAACP, num comunicado.

No novo estudo, os investigadores observaram que as empresas de cigarros levantaram preocupações sobre o tráfico ilícito de mentol como argumento contra a proibição. Mas o estudo indicou que o Canadá não registou um aumento nas apreensões de cigarros ilícitos após a sua proibição a nível nacional. Ainda não está claro se uma proibição dos EUA teria um efeito semelhante.

Num estudo realizado em 2021 que utilizou um modelo para avaliar os efeitos da proibição do mentol, David Levy, professor de oncologia da Universidade de Georgetown, descobriu que isso poderia levar a uma redução geral do tabagismo de cerca de 15%. Até 2060, projectou o estudo, poderão ser ganhos até 11 milhões de anos de vida em vez de perdidos devido a mortes relacionadas com o tabagismo.

“Esses efeitos são retardados”, disse Levy, “mas mesmo assim são importantes”.

Ruth Igielnik contribuiu com reportagens.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *