Mon. May 27th, 2024

“Quem matou Marielle Franco?” Essa tem sido a questão que assombra o Rio de Janeiro nos últimos seis anos, desde que um homem armado assassinou a vereadora negra, gay e feminista que lutava contra a corrupção arraigada e as gangues poderosas da cidade.

Mas agora a sua família e os milhares de apoiantes que saíram às ruas em nome da Sra. Franco parecem ter uma resposta.

Policiais brasileiros prenderam na manhã de domingo Chiquinho e Domingos Brazão – dois irmãos que já serviram na Câmara Municipal do Rio, assim como Franco – sob acusações de que ordenaram seu assassinato em 2018 para silenciar suas batalhas contra a corrupção, de acordo com um policial que falou sob condição de anonimato porque a operação não havia sido anunciada oficialmente.

A polícia também prendeu Rivaldo Barbosa, o ex-chefe de polícia do Rio que inicialmente supervisionou a investigação do assassinato da Sra. Franco, sob acusações de que ele a obstruiu intencionalmente, disse o funcionário.

Os documentos judiciais com as acusações recomendadas contra os homens permaneceram lacrados no domingo.

Ubiratan Guedes, advogado que representa Domingos Brazão, negou as acusações contra seu cliente. “Ele não conhecia Marielle, não tinha ligação com Marielle”, disse ele aos repórteres no domingo.

Os advogados de Barbosa disseram que precisavam de mais tempo para analisar as acusações. Os advogados de Chiquinho Brazão, que atuou na Câmara do Rio ao mesmo tempo que Franco e hoje é deputado federal, não comentaram.

A senhora Franco e seu motorista, Anderson Pedro Gomes, foram assassinados em março de 2018, quando um homem armado disparou balas em seu carro quando saíam de um evento focado no empoderamento de mulheres negras. A Sra. Franco, 38 anos, foi uma das estrelas políticas em ascensão no Brasil. Ela cresceu em uma favela – os bairros profundamente empobrecidos nas encostas do Rio – e se tornou a única mulher negra eleita em 2016 para a Câmara Municipal do Rio.

Ela rapidamente se tornou talvez a voz mais forte contra a notória violência do Rio, argumentando que ela estava enraizada em profunda desigualdade e numa força policial corrupta e brutal. Ela também enfrentou as milícias do Rio, os grupos paramilitares criminosos fundados por ex-policiais que controlam muitas favelas e extorquem seus moradores.

Quando isso a tornou um alvo, a Sra. Franco foi desafiadora. Uma noite, em março de 2018, ela postou online sobre a suspeita de assassinato policial de um jovem negro quando ele saía de uma igreja, escrevendo: “Quantos mais devem morrer para que esta guerra acabe?” Ela foi morta na noite seguinte.

Desde então, seu assassinato se tornou um grito de guerra para ativistas em todo o Brasil, com “Quem matou Marielle Franco?” estampada em murais, camisetas e faixas de protesto.

Após a morte de Franco, sua irmã, Anielle Franco, ganhou fama como ativista antiviolência em uma cruzada por justiça. Ela se tornou a primeira ministra da igualdade racial do Brasil no ano passado. Em entrevista à televisão no domingo, Anielle Franco disse que a longa luta para lembrar a Sra. Franco e encontrar seus assassinos mostra que “estamos respondendo à violência política, aos moradores das favelas que votaram em Marielle e às mulheres que corajosamente entraram na vida política”. arena em um sistema que nos diz que isso não é para nós.”

Antes das prisões de domingo, a polícia havia prendido outros quatro suspeitos do assassinato, incluindo dois ex-policiais. Um deles, Ronnie Lessa, é acusado de atirar em Dona Franco e Gomes.

A Suprema Corte do Brasil confirmou um acordo judicial para Lessa na semana passada, o que significa que sua confissão poderia ser usada na investigação. Os advogados do Sr. Lessa então o abandonaram como cliente.

Quando essa notícia gerou especulações na imprensa de que os irmãos Brazão poderiam ser presos em breve, os irmãos negaram publicamente que estivessem envolvidos no crime.

Chiquinho Brazão serviu com Franco no conselho de 51 cadeiras do Rio e foi eleito para o Congresso logo após seu assassinato.

Domingos Brazão foi vereador do Rio de 1997 a 1999 antes de passar para o Legislativo estadual do Rio e depois para o sistema judiciário estadual. Ao longo de 25 anos em cargos públicos, ele enfrentou acusações policiais de compra de votos e homicídio, que foram posteriormente retiradas.

Marcelo Freixo, ex-vereador do Rio que ajudou a apresentar Franco à política, disse no domingo em entrevista à televisão que não ficou surpreso com as acusações de que tais altos funcionários estavam envolvidos.

“Há muito tempo afirmamos que o crime, a polícia e a política estão inextricavelmente ligados no Rio”, disse ele.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *