Tue. May 21st, 2024

O Parlamento do Gana aprovou na quarta-feira uma projeto de lei que reprime ainda mais os direitos LGBTQ, impondo penas de prisão àqueles que se identificam como gays ou formam grupos LGBTQ, medidas que a Amnistia Internacional classificou como uma das legislações mais rigorosas do continente africano.

A legislação, se sancionada pelo presidente Nana Akufo-Addo, significaria que as pessoas condenadas por se identificarem como gays poderiam ser condenadas a três anos de prisão, aqueles considerados “promotores” de questões LGBTQ poderiam pegar cinco anos, e aqueles que se envolvem em o sexo gay receberia cinco anos em vez dos três anos previstos na legislação anterior.

O projecto de lei é o mais recente de uma onda de legislação anti-gay aprovada em África: a Tanzânia, o Níger e a Namíbia reforçaram essas leis nos últimos anos, enquanto o Uganda adoptou uma lei anti-gay que inclui a pena de morte.

Trinta e um países do continente criminalizam a atividade sexual consensual entre pessoas do mesmo sexo, segundo a Amnistia. Muitos experimentaram um aumento nas atitudes, comportamentos e retórica homofóbicos nos últimos anos, afirmou o grupo de direitos humanos num relatório do ano passado.

“Ainda há muitos países em África onde ser LGBTQ é considerado mau ou não africano”, disse Linda Nduri, gestora de campanha para África na All Out, uma organização sem fins lucrativos baseada no Quénia.

Os dois principais partidos políticos do Gana apoiam o projecto de lei, mas nos últimos dias a sua aprovação foi retardada por mudanças sugeridas por um membro do Novo Partido Patriótico do governo, Alexander Afenyo-Markin, para torná-lo menos severo.

Ele disse no início deste mês que o Parlamento deveria decidir se as pessoas condenadas ao abrigo da lei anti-gay deveriam receber aconselhamento e ser obrigadas a prestar serviço comunitário em vez de serem presas. Mas alguns dos seus colegas no Parlamento gritaram-lhe, dizendo que deveriam ser impostas penas de prisão.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *