Sun. May 26th, 2024

O Presidente Biden reconheceu que o aumento da imigração ilegal durante a sua presidência é uma ameaça à sua reeleição. Ele sabe que a maioria dos eleitores está insatisfeita com o aumento. O mesmo acontece com os prefeitos e governadores que foram deixados a lidar com uma situação dispendiosa e muitas vezes caótica – como em Denver, tema de uma matéria recente do Times.

Biden e os seus conselheiros já definiram uma estratégia para reduzir a sua vulnerabilidade política. Eles planejam lembrar aos eleitores que os republicanos do Congresso bloquearam este mês um projeto de lei bipartidário que teria fortalecido a segurança nas fronteiras. Embora muitos republicanos tenham favorecido as políticas do projeto de lei, eles o derrotaram a pedido de Donald Trump, em grande parte para evitar resolver um problema que prejudicou politicamente Biden.

Dada a natureza flagrantemente partidária da decisão dos republicanos, é razoável que Biden a enfatize durante a sua campanha. Mas ficaria surpreendido se ele conseguisse eliminar a sua vulnerabilidade em matéria de imigração apenas criticando a intransigência republicana.

Por que? Afinal, Biden é o presidente, e um presidente tem autoridade significativa para moldar a política de imigração, mesmo sem nova legislação.

O próprio Biden tem sido agressivo na utilização desta autoridade – embora para afrouxar a política de imigração em vez de a apertar. Durante seus primeiros meses no cargo, ele expandiu o asilo e suspendeu as deportações. Ele também expandiu uma política conhecida como liberdade condicional, que a lei diz que deveria ser usada “apenas caso a caso”. No ano passado, Biden usou a liberdade condicional para admitir mais de 300 mil pessoas.

Estas políticas, combinadas com a retórica de boas-vindas de Biden durante a campanha de 2020, contribuíram para o aumento da migração. (John Judis entrou em mais detalhes num ensaio recente do Times Opinion, tal como David Ignatius numa coluna do Washington Post.) As mudanças sinalizaram aos migrantes que as suas hipóteses de poderem entrar e permanecer nos EUA tinham aumentado.

Muitos migrantes, como escreveu a minha colega Miriam Jordan, estão “certos de que, assim que chegarem aos Estados Unidos, poderão ficar. Para sempre. E, em geral, eles não estão errados.”

Por vezes, os funcionários da administração Biden tentaram minimizar ou mesmo negar que as suas políticas contribuíram para o aumento da migração. No entanto, as recentes acções dos responsáveis ​​sugerem que eles podem nem sequer acreditar nas suas próprias negações.

O sinal mais claro é que a administração está agora a considerar políticas que desfariam parte da sua flexibilização inicial das regras de imigração. Uma política potencial restringiria a capacidade das pessoas de pedirem asilo se primeiro entrassem ilegalmente nos EUA, em vez de utilizarem o processo de asilo estabelecido. Para justificar a política, Biden provavelmente citaria a Lei de Imigração e Nacionalidade de 1952, que permite ao presidente suspender a imigração para qualquer pessoa “prejudicial aos interesses dos Estados Unidos”.

Qualquer que seja a decisão de Biden, sugiro que você tenha em mente três elementos de contexto.

Em primeiro lugar, a história recente sugere que as políticas de imigração de um presidente são suficientemente significativas para terem importância.

A migração aumentou depois da posse de Biden – e diminuiu quando ele implementou políticas mais modestas para restringir a imigração ilegal. Um exemplo: depois de a administração Biden ter persuadido o México a aplicar as suas próprias leis de imigração de forma mais vigorosa em Dezembro, o número de pessoas que atravessavam ilegalmente a fronteira sul caiu 50 por cento em Janeiro.

Mudanças políticas como estas têm efeitos diretos e indiretos sobre a migração. Quando os migrantes acreditam que é pouco provável que consigam entrar nos EUA e permanecer no país, são poucos os que tentam fazê-lo.

Em segundo lugar, se Biden agir no sentido de restringir a migração, os defensores de uma política de imigração mais aberta irão provavelmente desafiá-lo em tribunal. Muitos destes defensores acreditam que os EUA, como país rico, têm a obrigação moral de admitir migrantes de países mais pobres, mesmo que os migrantes não tenham permissão legal para entrar.

Os resultados destes desafios jurídicos seriam incertos, mas há razões para acreditar que pelo menos algumas das ações de Biden seriam mantidas. O Supremo Tribunal, ao defender algumas restrições de imigração de Trump em 2018, decidiu que a lei de 1952 “exala deferência para com o presidente em todas as cláusulas”.

Mesmo que os juízes bloqueiem algumas medidas, o anúncio inicial das políticas ainda poderá retardar a migração, sinalizando às pessoas que a administração Biden se tornou mais séria em relação à segurança das fronteiras.

Terceiro, você ainda deve ser cético em relação às afirmações republicanas de que Biden pode fazer o que quiser em relação à fronteira. Mike Johnson, o presidente da Câmara, sugeriu isso em diversas ocasiões. Na verdade, embora um presidente tenha uma flexibilidade significativa para definir a política de imigração, isso não significa autonomia total.

As políticas aprovadas pelo Congresso também são importantes. O projeto de lei bipartidário que os republicanos derrotaram teria pago, entre outras coisas, a contratação de agentes de fronteira e juízes de imigração que poderiam ter reduzido o enorme acúmulo de casos. Estes recursos teriam permitido ao governo avaliar os pedidos de asilo mais rapidamente – e rejeitar os requerentes sem boas reivindicações. Sem os recursos adicionais, mais migrantes permanecerão nos EUA durante meses ou anos enquanto os seus casos tramitam lentamente nos tribunais.

O resultado final: Biden tem o poder de reduzir os níveis muito elevados de migração dos últimos três anos. E é verdade que ele demorou a fazê-lo. Também é verdade que uma solução duradoura para os problemas de imigração do país exigirá que o Congresso aprove legislação.

Relacionado: No outono passado, o “The Daily” foi ao Texas para explicar como as pessoas que vivem perto da fronteira pensam sobre a imigração.

NFL: Russell Wilson disse ao podcast “I Am Athlete” que espera permanecer no Broncos, apesar de ter sido substituído nos dois últimos jogos da temporada passada.

MLB: Cody Bellinger deve retornar ao Chicago Cubs com um contrato de três anos no valor de US$ 80 milhões, encerrando sua agência gratuita.

O que há em um nome?: “A Adoração dos Reis”, um presépio do século XVII, foi vendido em 2021 pela Christie’s por US$ 992 mil. Há dois meses, a obra foi arrematada por US$ 13,8 milhões na Sotheby’s, com base em opiniões de especialistas de que foi pintada por Rembrandt. O aumento do preço ilustra como a autenticidade supera a estética quando se trata do valor de uma pintura e do poder dos conhecedores.

Veja por que alguns especialistas acreditam que “Adoração” é uma obra do mestre holandês — e por que outros não estão convencidos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *