Mon. Jun 24th, 2024

A maior instalação médica que ainda consegue funcionar em Gaza durante a guerra é agora um hospital, apenas no nome, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde no domingo.

Depois de uma semana de cerco pelos militares israelenses, restam apenas cerca de 20 pacientes gravemente doentes no Hospital Nasser – mas mesmo isso é demais para ser tratado, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

“O hospital Nasser em Gaza não funciona mais”, Dr. disse nas redes sociais.

Tedros disse no domingo que cerca de 200 pacientes permaneciam no hospital em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, e que cerca de 20 deles precisavam ser transferidos urgentemente para outro lugar. “O custo dos atrasos será pago pela vida dos pacientes”, disse ele.

Israel justificou as suas ações militares no hospital dizendo que os militantes do Hamas têm usado o local e outros centros médicos para ocultar atividades militares, e no domingo disse ter encontrado armas e militantes do Hamas no complexo de Nasser.

O Hamas negou repetidamente ter usado hospitais como cobertura.

Na quinta-feira, depois de dias de repetidas ordens para que milhares de civis que estavam abrigados no hospital saíssem, as forças israelenses começaram a realizar um ataque.

Questionado sobre a declaração da OMS, um porta-voz das forças armadas israelitas, o tenente-coronel Richard Hecht, disse num briefing que “é do nosso interesse que o hospital continue a funcionar”. Ele disse que estavam sendo feitos trabalhos para consertar um gerador quebrado e que um gerador temporário estava em uso.

Mas os militares israelitas também disseram que as suas tropas continuavam a deslocar-se para o hospital Nasser e em áreas próximas, e que tinham descoberto mais armas lá.

Tedros disse que os funcionários da OMS que chegaram ao hospital no fim de semana não foram autorizados a entrar para avaliar as condições dos pacientes, mas disse que foi feita uma entrega de combustível ao centro médico.

A sua declaração veio um dia depois de o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ter dito que as conversações para chegar a um cessar-fogo e a um acordo para a libertação dos reféns feitos no ataque liderado pelo Hamas em 7 de Outubro estavam num impasse. Netanyahu disse que o seu governo estava a avançar com planos para uma ofensiva terrestre em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, apesar dos crescentes avisos internacionais sobre o custo humanitário.

Com Israel sob pressão para suspender o seu ataque militar a Gaza, iniciado após o ataque transfronteiriço liderado pelo Hamas em Outubro, o gabinete israelita reuniu-se no domingo e aprovou uma resolução rejeitando quaisquer tentativas da comunidade internacional de impor um Estado palestiniano a Israel.

A acção – em grande parte simbólica – seguiu-se a comentários recentes de alguns dos aliados de Israel, sugerindo que poderiam considerar simplesmente reconhecer um Estado palestiniano antes de qualquer acordo entre Israel e os palestinianos.

Netanyahu, que apresentou a resolução ao seu gabinete, descreveu a sua aprovação como uma “decisão declarativa” que era necessária “à luz das observações que foram ouvidas recentemente na comunidade internacional”.

Enquanto a administração Biden tenta mediar um acordo para a normalização dos laços entre Israel e a Arábia Saudita, autoridades americanas e sauditas disseram que as suas perspectivas de sucesso dependem da concordância de Israel em trabalhar para uma solução de dois Estados – ou seja, o estabelecimento de um Estado palestino ao seu lado.

Netanyahu rejeitou a recente pressão do presidente Biden para concordar com esse caminho após o fim da guerra em Gaza e, nas últimas semanas, dobrou a sua oposição.

A redação final da resolução israelense aprovada no domingo parecia ter sido cuidadosamente elaborada com o objetivo de acomodar tanto os membros ultranacionalistas do governo de direita de Netanyahu, que se opõem à própria noção de negociações com os palestinos, quanto os centristas que aderiram ao governo após o início da guerra.

A resolução não excluiu explicitamente a possibilidade de um Estado palestiniano, concentrando-se, em vez disso, no processo.

“Israel rejeita totalmente os ditames internacionais relativos a um acordo permanente com os palestinos”, dizia, acrescentando que “um acordo, se for alcançado, ocorrerá exclusivamente através de negociações diretas entre as partes, sem condições prévias”.

Um rival de Netanyahu que se juntou ao gabinete de guerra após o ataque do Hamas, Benny Gantz, repetiu as observações do primeiro-ministro sobre uma invasão de Rafah.

“O mundo deve saber, e os líderes do Hamas devem saber: se até ao Ramadão os nossos reféns não estiverem em casa, os combates continuarão na área de Rafah”, disse ele num discurso no domingo. O mês sagrado de jejum para os muçulmanos está previsto para começar em 10 de março.

Respondendo às preocupações sobre o custo humanitário, Gantz prometeu que qualquer ação militar seria realizada “de forma coordenada, facilitando a evacuação de civis” com a ajuda de autoridades americanas e egípcias.

Mais de um milhão de palestinos fugiram para Rafah e outras partes do sul para escapar dos combates no norte. Muitos acabaram no Hospital Nasser em busca de abrigo, mas saíram de lá na semana passada, quando as forças israelenses emitiram ordens de evacuação.

Após a operação ao hospital, as forças israelitas relataram ter detido “centenas” de pessoas, incluindo algumas que teriam participado no ataque de 7 de Outubro. Os militares israelenses também disseram que descobriram armas no complexo médico e evidências ligadas ao ataque. Um veículo encontrado ali era de Nir Oz, um kibutz israelense que foi palco de um massacre naquele dia, disseram os israelenses.

Não foi possível verificar de forma independente nenhuma das afirmações sobre a situação ali.

Numa visita às forças israelenses que operam no hospital, o chefe do comando do sul de Israel, major-general Yaron Finkelman, descreveu o ataque como uma “operação precisa, de alta qualidade e focada”.

Mas no domingo, o Crescente Vermelho Palestiniano afirmou que os bombardeamentos israelitas atingiram outro hospital em Gaza, o Al-Amal, causando graves danos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *