Fri. Apr 19th, 2024

Gail Collins: Então, Bret – você vai sentir falta de Mitch McConnell?

Bret Stephens: Acho que tudo depende de quem o sucede. Se for um republicano bastante tradicional, como John Cornyn, do Texas, ou John Thune, de Dakota do Sul, não creio que fará muita diferença. Mas se for alguém como Rick Scott, da Flórida, ou pior, então provavelmente nos lembraremos do mandato de McConnell com muito mais carinho, como os russos que pensaram melhor em relação ao czar Nicolau II depois de terem experimentado os próximos caras.

E você?

Gail: Até a era Trump, sempre tive uma atitude profundamente negativa em relação a McConnell – ele foi, afinal, o cara que participou da nomeação de Barack Obama para a Suprema Corte para garantir que Merrick Garland nunca aparecesse para votação. Mas ultimamente, McConnell tem certamente parecido mais civilizado do que muitos outros líderes republicanos.

Bret: Uma barra baixa. Uma ironia é que se McConnell tivesse tido a coragem das suas convicções no segundo impeachment de Trump e tivesse movido a sua bancada para condenar, Trump provavelmente teria sido impedido de ocupar novamente o cargo e McConnell poderia agora estar a manter o seu.

Gail: OK, uau. Mudando meu tom.

Bret: Uma novidade – Bret é mais duro com Mitch do que Gail.

Gail: Ainda assim, é inteligente da parte de um líder de longa data que chegou aos 80 anos se afastar e deixar a geração mais jovem ocupar o primeiro lugar – enquanto, é claro, continua a trabalhar duro em projetos menos glamorosos que ainda fazem a diferença.

Pense nisso como a escola de pensamento de Nancy Pelosi – e realmente desejando que Joe Biden se inscrevesse nas aulas.

Bret: Sobre esse assunto, preciso fulminar. Você sem dúvida viu a pesquisa do The New York Times/Siena College neste fim de semana. Donald Trump lidera Biden a nível nacional por uma margem de cinco pontos, 48% a 43%, e 47% dos eleitores “desaprovam veementemente” a liderança de Biden. Outros 73 por cento acham que Biden é “muito velho para ser um presidente eficaz”, em comparação com 42 por cento que pensam o mesmo em relação a Trump. Outras pesquisas mostraram Trump consistentemente à frente em quase todos os estados indecisos, de acordo com a média das pesquisas da RealClearPolitics: 6,5% na Geórgia; 7,7% em Nevada; 1 por cento em Wisconsin; 3,6% em Michigan; 5,5% no Arizona; 5,7 por cento na Carolina do Norte. A única exceção é a Pensilvânia, onde a vantagem de Biden é de apenas 0,8%.

Isso depende inteiramente de Biden. Ele insistiu arrogantemente em concorrer à reeleição com base na teoria de que só ele poderia derrotar Trump, apesar das suas óbvias limitações físicas e da crescente impopularidade. Cada vez que alguém sugeria que ele deveria cumprir sua promessa original de ser presidente por um único mandato – como eu fiz em, ah, 2021 – seus assessores e facilitadores da mídia atacaram o mensageiro. Agora ele nos faz enfrentar a perspectiva de um Trumpocalipse porque Biden de alguma forma pensa que não pode perder para “o ex-cara”.

Mas ele pode perder e, no curso atual, perderá. Ele é Ruth Bader Ginsburg de novo, mas pior, porque as apostas são muito maiores e ele não é um RBG em primeiro lugar.

Gail: Fulminar. Você sabe, quando começamos a conversar em 2017, presumi que passaríamos a maior parte do tempo discutindo entre esquerda e direita, mas no ano passado nós dois estivemos envolvidos no horror de Donald Trump e na estupidez de um Biden re- campanha eleitoral.

A história de Biden é triste para mim porque acho que ele fez um bom trabalho como presidente e corre o risco de destruir seu legado ao concorrer novamente quando há tantos bons candidatos democratas em potencial por aí.

Bret: Uma das ironias da vida é que as qualidades pessoais que muitas vezes levam as pessoas aonde estão acabam sendo sua ruína quando chegam lá. Chegar à presidência exige uma quantidade titânica de autoconfiança e ambição, mas o que Biden precisa para garantir o seu legado histórico é um oceano de auto-anulação e humildade.

E por falar em humildade, podemos recorrer a Trump? A Suprema Corte acabou de concordar em ouvir seu recurso sobre suas reivindicações de imunidade. O que isso significa para a campanha?

Gail: Nossa, acho que isso depende dos juízes. Não posso imaginar que este tribunal – que considero demasiado conservador mas não louco – vá emitir uma decisão que diga que um presidente pode violar qualquer lei no país como um “ato oficial” sem consequências. Quero dizer, você eventualmente chega à visão dele despachando uma equipe de assassinos federais…

Bret: Deixando de lado os riscos políticos, é um caso intrigante. O tribunal decidiu em 1982 no caso Nixon v. Fitzgerald que um presidente estava totalmente imune a processos civis “baseados nos seus actos oficiais”. Os processos criminais, como o que Jack Smith, o procurador especial, apresentou pela interferência eleitoral de Trump, são obviamente diferentes: se um presidente, digamos, assassinasse o seu chef, ele não estaria imune porque esse comportamento não seria um “ ato oficial.” Mas foram os esforços de Trump para anular a eleição um “ato oficial”? Vergonhosos, passíveis de impeachment e inconstitucionais, com certeza – mas não foram executados também na qualidade de presidente?

Isso é importante não apenas para o bem de Trump, mas também para Biden e outros futuros presidentes. Porque, fique tranquilo, se Trump vencer as eleições, ele imediatamente dobrará o Departamento de Justiça para tentar processar Biden criminalmente com base em alguns motivos especiosos por seus próprios atos oficiais.

Ou estou totalmente errado e já deveríamos levar esse idiota a julgamento?

Gail: Tenho que admitir que, se Biden vencer, eu secretamente concordaria em desistir do processo contra Trump por tentar anular a eleição, visto que há tantos outros casos pendentes contra ele. Mas alguns deles, como toda a situação na Geórgia, tornaram-se muito complicados. Eu ficaria feliz em ver o país discutindo os casos mais facilmente identificáveis ​​- como todos aqueles documentos nacionais enfiados no banheiro de Mar-a-Lago e a recente indenização de 83,3 milhões de dólares de E. Jean Carroll por difamação – que começou, como eu Tenho certeza de que você se lembra, com o que o tribunal determinou ser abuso sexual no camarim de uma loja de departamentos.

Bret: Sempre pensei que a obstrução de Trump a uma intimação no caso de documentos é a mais forte das acusações contra ele. Infelizmente, um tribunal da Flórida não é a jurisdição ideal para obter um veredicto de culpado e não parece que o caso será julgado tão cedo.

Gail: Mais do que a ideia de ver Trump marchando para a prisão, adoro a ideia de um Trump falido passando seus 80 anos fazendo podcasts em um quarto de motel em Tampa ou Bridgeport. Mas quando se trata de punição, nenhuma má ação é mais importante do que tentar subverter o processo democrático de uma forma tão grande.

Bret: É horrível. Mas não tão horrível quanto a ideia de que dezenas de milhões de americanos estão dispostos a votar nele de volta ao cargo. Pergunta séria: Por quê?

Gail: Tanta coisa aconteceu… mas ainda suspeito que muito disso se trata apenas da história de Trump como personalidade de reality shows. Há uma grande parte do país, especialmente nas zonas rurais, que se sente isolada do lado ascendente do mundo. Trump é divertido e, não importa qual seja sua suposta riqueza, ele é um cara que sempre foi divertido de assistir e que não fala mal deles.

Bret: Muito verdadeiro.

Gail: Eu sei que isso não é profundo. Mas ei, você é responsável por compreender os republicanos. Qual é o resultado final?

Bret: Ele levanta o dedo médio para todas as pessoas que seus apoiadores veem como uma elite cultural auto-satisfeita e egoísta. Quanto mais a elite o despreza, mais o ama.

É por isso que qualquer boa análise do fenómeno Trump tem de começar com uma análise do fenómeno dos EUA, por assim dizer: onde é que aqueles de nós que deveriam representar o centro sensato do país erraram tanto que as pessoas se dispuseram a recorrer? um charlatão como Trump em primeiro lugar? Tenho inúmeras teorias, mas aqui vai outra: tentamos mudar a forma como as pessoas são, em vez de encontrá-las onde estão. Os neoconservadores (como eu) tentaram dobrar culturas distantes em lugares como o Afeganistão para aceitarem certos valores ocidentais. Não funcionou. Os progressistas tentaram pressionar os americanos a aceitarem novos valores em questões como identidade, equidade, pronomes e assim por diante. Isso também não está funcionando.

Trump representa uma rejeição completa de tudo isso. Para cada americano que ele escandaliza, outro se sente visto, ouvido, refletido e compreendido por ele.

Gail: É verdade que o pessoal de Trump acha os progressistas irritantes, mas teremos que discutir como evitar que as pessoas se sintam como se estivessem recebendo um sermão e, ao mesmo tempo, defender princípios críticos como os direitos dos homossexuais.

Enquanto isso, marchamos em frente. Suspirar …

Bret: Gail, isso é tão deprimente. Vamos mudar de assunto. Você teve a chance de ler a linda história de Joseph Goldstein sobre Ruth Gottesman, de 93 anos, no The Times na semana passada? Isso fará seu coração cantar.

Gail: Eu fiz, e aconteceu. É claro que a maioria de nós não é como Gottesman por ser herdeiro de uma megafortuna que nos permitiria doar um bilhão de dólares para qualquer coisa. Mas sua decisão de usá-lo para eliminar as mensalidades de uma faculdade de medicina do Bronx foi muito inteligente e abrangente. Os vídeos dos alunos emocionados pulando ao ouvir a notícia foram maravilhosos.

Bret: Em hebraico, a palavra para caridade, tzedakah, também é a palavra para justiça. Tsedacá não é simplesmente dar dinheiro. É também a obrigação de ajudar os outros a aprenderem a ajudar a si mesmos. É mais difícil pensar numa ilustração melhor do que facilitar o caminho para a próxima geração de médicos.

Gail: Na próxima semana, vamos descobrir como fazer isso para estudantes de medicina em todos os lugares….

Bret: Claro. E com certeza é melhor do que gastar dinheiro em iates de US$ 500 milhões. Jeff Bezos, estamos olhando para você.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *