Sun. Apr 14th, 2024

Em termos de óptica e de energia, gostaria que o presidente Biden fosse mais jovem. Não adianta fingir o contrário. E pelas conversas casuais ao meu redor e pelas pesquisas formais com os eleitores, sei que estou em boa companhia. Muitos americanos consideram sua idade unideal, e é por essa crença que não há como querer desviar o foco dela. A onda de atenção a isso nos últimos meses é mais um começo do que um fim. Ainda há tsunamis por vir.

Mesmo assim, aspectos do assunto ficam muito pequeno consideração, começando com este fato esmagadoramente óbvio, mas frequentemente esquecido: a presidência não é uma missão individual. Nem mesmo perto. É um esforço de equipe, e a administração que um presidente monta é muito, muito mais importante do que sua força ou seu brio.

Ouvir a preocupação sobre quantas horas por dia Biden pode trabalhar vigorosamente, quantos discursos ele pode proferir com autoridade e quantos quilómetros pode viajar confortavelmente é ter a sensação de que ele está independentemente no gancho do bem-estar da nação. Que ele é mais uma figura de ação do que um tomador de decisão. Isso, hum, só ele pode consertar isso. Que ele assume toda a responsabilidade.

Mas ele não é Atlas; ele é POTUS. E o presidente dos Estados Unidos é tão bom quanto os conselheiros que o rodeiam, cuja selecção reflecte o julgamento presidencial e não a resistência.

Reconhecemos isso quando discutimos como um presidente pode ocupar ou já preencheu o seu gabinete. Reconhecemos que muitas decisões vitais são tomadas – e que as políticas mais importantes são implementadas – fora do Salão Oval.

Mas esse reconhecimento estranhamente se dissipa quando começamos a contar os aniversários de Biden. Atribuímos tanto peso aos dígitos quanto ao discernimento, ou insinuamos que o primeiro anula o segundo. Sim, a idade pode minar o julgamento – se a saúde cognitiva de uma pessoa estiver em declínio acentuado e claro. Mas a situação de Biden é mais nebulosa do que clara, e nada nela me sugere que ele trataria o governo de forma tão arrogante como Donald Trump faria (e fez) ou montaria uma equipe tão desorganizada quanto a de Trump – ou, nesse caso, de Robert F. Kennedy Jr.

Ele não elevaria um teórico da conspiração como o quarterback Aaron Rodgers, que estava em uma pequena lista de possíveis companheiros de chapa de Kennedy antes de, na terça-feira, Kennedy escolher Nicole Shanahan, uma filantropa (e cética em relação às vacinas) sem experiência em cargos públicos. Ele não convidaria ninguém tão desequilibrado e repreensível como Rudy Giuliani, que liderou os esforços de Trump para anular as eleições de 2020, para o seu círculo íntimo.

Sim, Trump é cerca de três anos e meio mais novo e muitas vezes mais vigoroso que Biden. Biden é cerca de 300 vezes mais são e sempre tem mais princípios do que Trump. Esse é o contraste infinitamente mais importante entre os dois homens, e nunca deveríamos, nem por um nanossegundo, deixá-lo de lado.

Deveríamos também considerar absurdos muitas das pessoas que sinalizam ou dizem que a idade de Biden as está a impelir para Trump. Obviamente, isso é uma dinâmica para alguns deles, mas não pode ser tão comum porque desafia o bom senso. Os eleitores que se contentariam em apoiar uma versão de Biden com mais agilidade nos passos e menos gagueira na voz têm valores, prioridades e tendências políticas que provavelmente tornariam Trump uma escolha injusta. Eles não vão apoiar Trump porque ele se lança com mais força.

Realmente, quantas pessoas dizem para si mesmas: Caramba, Biden pode ser o cara com o devido respeito pela democracia, não manda beijos no ar para tiranos assassinos e não parece um fascista, mas que Trump com certeza pode gritar mais alto, falar mais rápido e batendo com mais força! Ele trará a energia para destruir a democracia que Biden não consegue reunir para preservá-la. Acho que vou com Trump!

Não, muitos destes apoiantes de Trump gostam do que ele está a vender – talvez os impostos mais baixos para as empresas e os americanos ricos, talvez a prometida repressão à imigração, talvez o niilismo, talvez apenas o sarcasmo – e encontraram uma forma de defender um voto nele ( O decrépito de Biden!) sem assumir totalmente isso.

Numa era de falsidade desenfreada, sejamos honestos sobre isso.


“Na primeira borrifada, cheira a um pedaço de Land O’ Lakes abandonado em uma praia na maré baixa”, escreveu Molly Young no The Times sobre uma fragrância desafiadora chamada Miss Tranchant. “Em 10 minutos, ele se transforma em um manto hipnotizante de baunilha picante com apenas um toque de sexo embaixo do píer. Não recebi nenhum elogio e dois comentários negativos contundentes. Miss Tranchant é o perfume não apenas como uma experiência estética pessoal, mas também aparentemente indefensável.” (Obrigado a Beth Mauldin de Yarmouth Port, Massachusetts, e Lizanne Wilson de Chicago, entre outros, por nomeá-lo.)

Também no The Times, Esau McCaulley descreveu a sua experiência como professor associado negro numa escola cujo corpo docente não é especialmente diversificado: “Sou confrontado com a realidade diária da minha estranheza, como ser um pavão num bando de perus selvagens. O pavão é interessante e acrescenta um pouco de cor, mas o fato de não ser nativo da região é claro para todos.” (Suzanne Starr, Vancouver, BC)

Carina del Valle Schorske abordou de barco um misterioso destino insular no Caribe. “Eu tinha tirado os óculos, embaçados por causa do spray, então no começo não tive certeza se a mancha de creme no canto do olho era apenas um truque de luz”, escreveu ela. Mas então, pouco a pouco, “a forma da ilha tornou-se mais nítida: uma fina fatia de pedra flutuando como uma catarata na íris escura do mar”. (Patrick McGovren, Kalamazoo, Michigan, e Ted Trotta, Santa Fé, NM, entre outros)

Tina Brown avaliou o rei Charles: “Mesmo com o melhor prognóstico para seu câncer, ele ficou com um reinado triste”. (Ann Madonia Casey, Fairview, Texas)

Jesse Green fez uma resenha de uma nova produção da Broadway: “Os musicais românticos são tão pessoais quanto o próprio romance. O que faz você suspirar e chorar pode deixar a pessoa ao seu lado entediada e petrificada. No ‘The Notebook’, eu era a pessoa ao seu lado.” (Christopher Flores, Santo Antonio)

E Bret Stephens, conversando com Gail Collins, criticou o site de mídia social afiliado a Donald Trump: “Presumo que você esteja se referindo ao Truth Social, que em um mundo honesto seria renomeado como Lies Socioopathic”. (Ross Payne, Windermere, Flórida)

Na Vox, Ian Millhiser questionou a lógica da decisão da Suprema Corte de manter a proibição de apresentações de drag em uma universidade pública do Texas: “A ideia de que performances obscenas, sexualizadas ou de outra forma excitantes minam a ‘missão educacional básica’ de uma universidade será um choque para as mulheres bonitas. praticamente qualquer pessoa que já frequentou a faculdade. (David Hoexter, Washington)

Em seu boletim informativo Men Yell at Me, Lyz Lenz acrescentou contexto ao péssimo histórico de segurança da Boeing ultimamente: “Tudo isso se torna ainda mais assustador pelo fato de que existem basicamente apenas duas empresas que fabricam aviões – Boeing e Airbus. Chamamos isso de duopólio. O que é basicamente um monopólio que representa um mercado livre.” (Alan Stamm, Birmingham, Michigan)

No The Dispatch, Jonah Goldberg afirmou que muitas figuras dos meios de comunicação sacrificaram a sua credibilidade no altar de caracterizações exageradas das palavras de Trump: “Eles querem falar sobre banhos de sangue, e todos os outros ignoram isso como um banho sem sangue”. (Peter Coy, Demarest, NJ)

E no The Atlantic, Adam Serwer fez uma distinção importante: “Justiça, objetividade e devido processo legal são valores importantes, mas há uma diferença entre defendê-los e tentar convencer todos de que é isso que você está fazendo. A busca performática do último pode facilmente ocorrer às custas do primeiro. Se você se esforça demais para convencer as pessoas de que está fazendo a coisa certa, em vez de apenas fazer a coisa certa, muitas vezes acaba fazendo a coisa errada.” (David Tebaldi, Worthington, Massachusetts)

Para nomear trechos favoritos de escritos recentes do The Times ou de outras publicações a serem mencionados em “For the Love of Sentences”, envie-me um e-mail aqui e inclua seu nome e local de residência.


Foi como se uma criança tivesse caído no mar.

Vários de nós engasgamos ou gritamos quando o vento levou o objeto embora. Procuramos freneticamente na superfície do mar algum sinal disso. E quando, cerca de dois minutos depois, o avistamos perto da costa, a cerca de 15 metros de distância, o capitão do nosso catamarã mergulhou na água, nadou o mais rápido que pôde e trouxe-o de volta ao barco em segurança.

Catástrofe evitada! Havíamos salvado o paraíso de uma lata de cerveja vazia.

Isso foi há cerca de três semanas, durante uma viagem à Nova Zelândia, onde meus três irmãos, suas esposas e eu encontramos mais do que algumas das paisagens marítimas mais deslumbrantes que já havíamos visto. Também observámos um respeito pela natureza e pela gestão do ambiente que envergonha o comportamento de tantos de nós, americanos.

Agraciados com lagos montanhosos, fiordes costeiros, florestas exuberantes e uma abundância de pássaros, os neozelandeses parecem possuir uma apreciação especial pela majestade e pela fragilidade do que possuem. Digo “parece” porque visitei esta nação insular apenas brevemente, vou pelas primeiras impressões e certamente estou generalizando.

Mas conectar-se com o mundo natural da mesma forma que você faz quando se desloca por um pedaço de terra tão incrivelmente belo como a Nova Zelândia é compreender, de uma forma profunda e espiritual, a necessidade moral de preservá-lo, o sacrilégio de estragá-lo e o quanto controle que temos – se ao menos decidirmos exercê-lo, se ao menos moderarmos nossa fome e nossa negligência.

Na Nova Zelândia, testemunhei ou ouvi falar rotineiramente sobre tais esforços e temperamento. Eles foram tão monótonos quanto o banimento do plástico em uma loja e tão ambiciosos quanto a realocação pelo governo de uma espécie inteira de ave nativa ameaçada pela corrupção de seu habitat original.

Quando andamos de caiaque em Doubtful Sound, não cruzamos com nenhum outro praticante de caiaque e apenas com alguns barcos: o governo limita estritamente a atividade lá. Em quase todos os lugares por onde caminhamos, encontramos armadilhas meticulosamente distribuídas e cuidadosamente mantidas para roedores e doninhas que não eram indígenas da Nova Zelândia e que, se não fossem controladas, poderiam exterminar ainda mais espécies de pássaros. Também vimos centenas de grupos de mudas estrategicamente plantadas, com seus troncos finos contornados por cilindros protetores. Onde antes ocorria o desmatamento, agora ocorria o reflorestamento.

Que campanha impressionante. E que inspiração poderosa. Quando contemplamos este tipo de compromisso, internalizamo-lo e, ao fazê-lo, percebemos que um acréscimo de decisões e acções – algumas comunitárias, algumas individuais, algumas maiores, algumas menores – aponta o caminho para a nossa salvação ou ruína ecológica.

Se o capitão do catamarã não tivesse perseguido aquela lata de cerveja, eu poderia muito bem ter feito isso. Quero que a mesma Nova Zelândia que me tirou o fôlego deixe as pessoas sem fôlego pelas próximas gerações. Quero responder ao presente com a gratidão que merece.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *