Sat. Jun 15th, 2024

Sou uma daquelas pessoas que subscreve a doutrina do psiquiatra austríaco Viktor Frankl: “A busca do homem por sentido é a principal motivação da sua vida”. Para se sentirem em casa no mundo, as pessoas precisam de se ver a servir algum bem – realizando um trabalho importante, amando bem os outros, vivendo em comunidades morais coerentes, lutando em nome de algum conjunto de ideais.

As grandes sociedades liberais que Zakaria descreve expandiram e celebraram a escolha individual e a liberdade individual. Mas quando o liberalismo prosperou, essa liberdade pessoal assentou numa base de compromissos e obrigações morais que precedem a escolha: as nossas obrigações para com as nossas famílias, para com as nossas comunidades e nações, para com os nossos antepassados ​​e descendentes, para com Deus ou algum conjunto de verdades transcendentes.

Ao longo das últimas gerações, a celebração da liberdade individual transbordou e começou a corroer o conjunto subjacente de obrigações cívicas. Especialmente depois da Segunda Guerra Mundial e depois na década de 1960, assistimos à privatização da moralidade – a ascensão do que veio a ser conhecido como o ethos da liberdade moral. Os americanos eram menos propensos a presumir que as pessoas aprendem valores vivendo em comunidades morais coerentes. Eles eram mais propensos a adotar a crença de que cada pessoa deve desenvolver seu próprio senso pessoal de certo e errado. Já em 1955, o colunista Walter Lippmann percebeu que isso iria causar problemas: “Se o que é bom, o que é certo, o que é verdadeiro, é apenas o que o indivíduo ‘escolhe’ ‘inventar’, então estamos fora das tradições de civilidade”, escreveu ele.

Confiança é a fé de que outras pessoas farão o que devem fazer. Quando não existem valores e normas morais partilhados, a confiança social despenca. As pessoas sentem-se alienadas e sitiadas e, como observou Hannah Arendt, as sociedades solitárias recorrem ao autoritarismo. As pessoas seguem avidamente o grande líder e protetor, aquele que liderará a luta nós/eles que parece dar sentido à vida.

Durante o nosso actual momento de populismo global, a tradição liberal está ameaçada. Muitas pessoas se tornaram economicamente nacionalistas e culturalmente tradicionalistas. Em todo o mundo, os moralistas autoritários prometem restaurar os velhos costumes, a velha religião, a grandeza nacional. “Há certas coisas que são mais importantes do que ‘eu’, do que o meu ego – família, nação, Deus”, declarou Viktor Orbán. Esses homens prometem restaurar as âncoras da estabilidade cultural, moral e cívica, mas utilizam métodos brutais e preconceituosos de homens fortes para chegar lá.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *