Tue. Feb 27th, 2024

Nas últimas décadas, cerca de três milhões de pessoas morreram devido a uma fome na Coreia do Norte que foi principalmente induzida pelo governo. Centenas de milhares de sírios foram gaseados, bombardeados, morreram de fome ou torturados até à morte pelo regime de Assad, e cerca de 14 milhões foram forçados a fugir das suas casas. A China colocou mais de um milhão de uigures em campos de reeducação semelhantes aos gulag, numa tentativa velada de suprimir e apagar a sua identidade religiosa e cultural.

Mas a Coreia do Norte, a Síria e a China nunca foram acusadas de genocídio no Tribunal Internacional de Justiça. Israel tem. Que curioso. E que obsceno.

É obsceno porque politiza a nossa compreensão do genocídio, corroendo fatalmente o poder moral do termo. A guerra entre Israel e o Hamas é terrível – assim como todas as guerras. Mas se isto é genocídio, que palavra temos para designar os campos de extermínio no Camboja, o Holodomor de Estaline na Ucrânia, o próprio Holocausto?

Palavras que passam a significar muito mais do que originalmente pretendido acabam por significar quase nada – uma vitória para os futuros genocidas que gostariam que o mundo pensasse que não há diferença moral ou legal entre um tipo de assassinato e outro.

É obsceno porque perverte a definição de genocídio, que é precisa: “atos cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, como tal”. Observe duas características principais desta definição: Ela fala de atos Considerando que parte do caso de genocídio contra Israel envolve a interpretação errada de citações de responsáveis ​​israelitas que prometeram a eliminação do Hamas e não a eliminação dos palestinianos; E usa o termo Como tal – o que significa que os atos são genocidas apenas se forem dirigidos aos palestinos como Palestinianos, não como membros do Hamas ou, lamentavelmente, como mortes colaterais nas tentativas de destruir o Hamas.

Se Israel estivesse a tentar cometer genocídio, não estaria a colocar os seus soldados em risco, nem a permitir a chegada de ajuda humanitária do Egipto, nem a retirar muitas das suas forças de Gaza. Estaria simplesmente a matar palestinianos em todo o lado, em números muito maiores, como os alemães mataram judeus ou os hutus mataram os tutsis.

É obsceno porque coloca a parte errada no banco dos réus. O Hamas é uma organização genocida por convicção e intenção. A sua carta fundadora apela a que Israel seja “obliterado” e que os muçulmanos matem judeus enquanto estes “se escondem atrás de pedras e árvores”. No dia 7 de outubro, o Hamas assassinou, mutilou, torturou, incinerou, estuprou ou sequestrou todos que pôde. Se não tivesse sido interrompido, não teria parado. Desde então, um de seus líderes prometeu fazê-lo “um segundo, um terceiro, um quarto” tempo.

Foi o Hamas, e não Israel, que iniciou a guerra, que a mantém e que a retomará assim que tiver o arsenal e a oportunidade.

É obsceno porque valida a estratégia ilegal e bárbara do Hamas de se esconder entre, atrás e abaixo dos civis palestinianos. Desde o início da guerra, o Hamas tem tido um duplo objectivo: matar o maior número possível de judeus e incorrer em mortes palestinianas para ganhar a simpatia internacional e a influência diplomática.

O que está a acontecer agora em Haia nunca será uma vitória para os cidadãos comuns de Gaza, independentemente do veredicto do TIJ. A sua vitória só virá quando tiverem um governo interessado em construir um Estado pacífico e próspero, em vez de destruir um vizinho. Mas servirá ao Hamas como um triunfo de propaganda sem paralelo – uma grande reviravolta para um grupo que há apenas alguns meses se filmou orgulhosamente a assassinar crianças.

É obsceno porque é historicamente hipócrita. Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e outras nações aliadas mataram um número impressionante de civis alemães e japoneses no caminho para derrotar os regimes que iniciaram a Segunda Guerra Mundial – muitas vezes conhecida como a Guerra Boa. Acontecimentos como os bombardeamentos de Dresden ou Tóquio, para não falar de Hiroshima e Nagasaki, foram trágicos e muito mais indiscriminados do que qualquer coisa que Israel seja acusado de fazer. Mas nenhuma pessoa séria considera que Franklin Roosevelt está no mesmo nível moral de Adolf Hitler. O que os Aliados fizeram foram actos de guerra ao serviço de uma paz duradoura, e não genocídio ao serviço de um objectivo fanático.

A diferença? Na guerra, a matança termina quando um dos lados para de lutar. Num genocídio, é aí que começa a matança.

É obsceno por causa de sua estranha seletividade. Pessoas sensatas podem argumentar que Israel tem sido excessivo no uso da força, ou deficiente na sua preocupação com os civis palestinianos, ou imprudente na reflexão sobre o fim do jogo. Discordo, mas tudo bem.

Mas é curioso que a discussão tenha se voltado para o genocídio (e isso aconteceu quase desde o primeiro dia da guerra) porque é o comportamento do judaico estado que está em questão. E como é revelador que a acusação seja a mesma que os anti-semitas raivosos têm feito há anos: que os judeus são, e têm sido, os verdadeiros nazis – culpados dos piores crimes da humanidade e merecedores dos seus piores castigos. Um veredicto contra Israel no TIJ sinalizaria que outra instituição internacional, e as pessoas que a apoiam, adoptaram a perspectiva moral dos anti-semitas.

Já se passaram quase 50 anos desde que Daniel Patrick Moynihan condenou a resolução da ONU “Sionismo é racismo” como “este ato infame”.

“A abominação do anti-semitismo”, advertiu ele, “recebeu a aparência de sanção internacional”. Talvez a CIJ cometa um erro semelhante. Se assim for, a vergonha e a desgraça recairão sobre os acusadores, não sobre os acusados.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *