Mon. Jul 22nd, 2024

Mais de 9.000 palestinos presos sob as leis militares e de segurança nacional de Israel estão detidos em centros de detenção israelenses, o número mais alto em mais de uma década, de acordo com grupos de direitos humanos, que afirmam que muitos dos detidos estão detidos sem acusações e foram abusados enquanto estava sob custódia.

O número de palestinos nas prisões israelenses aumentou desde o ataque liderado pelo Hamas em 7 de outubro e a subsequente invasão de Gaza por Israel. Em Gaza, as tropas israelitas prenderam centenas de pessoas em busca de combatentes, afirmam os militares israelitas, enquanto as forças de segurança na Cisjordânia ocupada conduziram uma enorme repressão que, segundo eles, visa erradicar os militantes.

Mas os grupos de direitos humanos dizem que as detenções de palestinianos são muitas vezes arbitrárias, que as condições em que são detidos podem ser desumanas e que o aumento no número de mortes relatadas é preocupante. Israel afirma que os palestinos presos, que incluem militantes declarados condenados por ataques brutais, são tratados de acordo com os padrões internacionais.

Os detidos são o foco de uma das questões mais observadas da guerra: as negociações para um cessar-fogo em Gaza. O Hamas fez da libertação de milhares de prisioneiros, muitos deles condenados por acusações relacionadas com o terrorismo, uma condição para um cessar-fogo e para a troca dos restantes reféns israelitas em Gaza.

De acordo com o HaMoked, um grupo israelita de defesa dos direitos humanos, mais de 9.000 palestinianos estão actualmente em prisões israelitas. Muitos foram detidos na Cisjordânia ocupada, dizem os militares israelitas, onde as forças israelitas têm conduzido grandes ataques desde 7 de Outubro. Um número desconhecido de habitantes de Gaza está detido em instalações militares.

Mais de 3.500 palestinos detidos estão detidos sem acusações formais, segundo HaMoked. Essa prática, conhecida como detenção administrativa, existia antes da guerra, mas Israel aumentou a sua utilização. Antes de 7 de outubro, cerca de 1.300 palestinos detidos administrativos estavam detidos em Israel, de acordo com dados fornecidos pelo serviço penitenciário de Israel ao HaMoked.

Os activistas dizem que a prática anula efectivamente o devido processo, enquanto Israel a considera uma ferramenta necessária para deter aqueles que considera representarem uma ameaça iminente à segurança nacional. Os militares israelenses disseram que operavam “vários centros de detenção” para pessoas detidas durante os ataques de 7 de outubro e a invasão terrestre. Afirmou que, após interrogatório, os detidos “que não tenham relação com atividades terroristas” seriam devolvidos a Gaza.

Israel diz que a sua campanha de detenções captou membros importantes de organizações como o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina. Mas as forças israelitas também detiveram crianças e mulheres cujas famílias negam o seu envolvimento em grupos armados.

Neste mês, cerca de 200 menores e 68 mulheres acusadas de militância estão em prisões israelitas, segundo Qadura Fares, um responsável palestiniano que dirige a Comissão para Assuntos de Detidos e Ex-Prisioneiros, com sede em Ramallah.

Os palestinos presos são geralmente divididos em dois grupos. Os palestinianos da Cisjordânia são canalizados para o sistema prisional de Israel, gerido por civis, que é supervisionado por uma pessoa nomeada por Itamar Ben-Gvir, o ministro da segurança nacional da extrema-direita.

Muitas centenas de habitantes de Gaza foram enviados para pelo menos três centros de detenção geridos pelos militares israelitas, segundo autoridades israelitas. Esses prisioneiros incluem centenas de detidos durante o ataque liderado pelo Hamas em 7 de Outubro, bem como muitos outros detidos em Gaza durante a guerra. As imagens dessas capturas no campo de batalha, nas quais os homens são frequentemente vistos vendados e amarrados pelos pulsos, geraram indignação internacional.

A base militar de Sde Teiman é o local de detenção militar conhecido mais próximo de Gaza, a cerca de 29 quilómetros da fronteira. As informações sobre a base são escassas: os prisioneiros são mantidos incomunicáveis, isolados do mundo exterior, disse Tal Steiner, que dirige o Comitê Público Contra a Tortura em Israel, um grupo de direitos humanos.

Após o início da guerra, o governo israelita prolongou o período durante o qual alguns detidos poderiam ser detidos sem ter acesso a um advogado e sem serem levados perante um juiz.

Grupos de defesa dos direitos humanos, a agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos e peritos externos nomeados pela ONU, conhecidos como relatores especiais, estão todos a investigar acusações de abusos dentro de instalações israelitas.

Uma investigação não publicada da principal agência das Nações Unidas para os refugiados palestinos acusa Israel de abusar de centenas de habitantes de Gaza capturados durante a guerra com o Hamas, de acordo com uma cópia do relatório analisado pelo The New York Times.

Os investigadores da UNRWA recolheram testemunhos de detidos libertados que afirmaram ter sido espancados, despidos, roubados, vendados, abusados ​​sexualmente e ter-lhes sido negado acesso a advogados e médicos. Tal tratamento, concluiu o relatório, “foi usado para extrair informações ou confissões, para intimidar e humilhar e para punir”.

O relatório foi compilado pela UNRWA, a agência das Nações Unidas que é o foco de uma investigação após acusações de que pelo menos 30 dos seus 13 mil funcionários em Gaza participaram no ataque de 7 de outubro.

O Times não foi capaz de corroborar a totalidade das acusações contidas no relatório, mas partes dele coincidem com o testemunho de ex-detidos de Gaza entrevistados pelo The Times. Os detidos palestinianos de Gaza foram despidos, espancados, interrogados e mantidos incomunicáveis ​​durante várias semanas, segundo relatos de quase uma dúzia de detidos ou dos seus familiares entrevistados pelo The Times.

A UNRWA confirmou a existência do relatório, mas disse que a sua redação não foi finalizada para publicação.

O principal advogado militar israelita, major-general Yifat Tomer-Yerushalmi, também escreveu numa carta distribuída entre os comandantes no final de Fevereiro que o seu gabinete tinha encontrado casos de “uso de força operacionalmente injustificada, incluindo contra detidos”. Ela disse que os oficiais da justiça militar examinariam cada instância e determinariam se deveriam apresentar queixa.

Acredita-se que dezenas de palestinos tenham morrido sob custódia israelense desde 7 de outubro, de acordo com os militares israelenses e grupos de direitos humanos, embora as circunstâncias de suas mortes sejam obscuras e muitas de suas identidades sejam desconhecidas.

Os militares israelenses disseram estar cientes da morte de 27 palestinos sob sua custódia. E pelo menos 10 palestinos, a maioria da Cisjordânia, morreram no sistema prisional civil de Israel desde 7 de outubro, de acordo com a comissão oficial de prisioneiros palestinos e grupos de direitos israelenses, incluindo Médicos pelos Direitos Humanos-Israel, cujos médicos atenderam alguns dos autópsias.

“Desde o início da guerra, vários detidos detidos em centros de detenção morreram, incluindo detidos que chegaram às instalações feridos ou que sofriam de uma condição médica complexa”, disseram os militares israelitas num comunicado, acrescentando que os militares funcionários da justiça estavam investigando as mortes.

Médicos israelenses que participaram de autópsias preliminares de dois prisioneiros palestinos da Cisjordânia ocupada encontraram sinais de trauma físico, como múltiplas fraturas de costelas em seus corpos, de acordo com relatórios post-mortem que foram compartilhados com suas famílias e revisados ​​pelo The Times. Em ambos os casos, os médicos não conseguiram estabelecer definitivamente se uma agressão causou a morte dos prisioneiros.

Ex-detentos relataram incidentes de abuso ou assédio sexual, de acordo com o relatório não publicado da UNRWA.

Alguns detidos do sexo masculino disseram que foram espancados nos órgãos genitais, segundo o relatório. Algumas mulheres disseram ter experimentado “toques inapropriados durante buscas e como forma de assédio enquanto estavam vendadas”, segundo o documento. Acrescentou que alguns detidos relataram terem de se despir diante de soldados do sexo masculino durante as buscas e serem impedidos de se cobrirem.

Separadamente, os relatores nomeados pela ONU afirmaram no mês passado que tinham recebido informações de que duas mulheres palestinianas foram violadas durante a detenção israelita. Outras foram ameaçadas de agressão sexual e revistadas de forma humilhante por soldados do sexo masculino, disseram. Os relatores, que não são funcionários das Nações Unidas, não divulgaram contas detalhadas, quaisquer provas ou as suas fontes. O Times não conseguiu verificar essas acusações e o governo israelita acusou os especialistas de parcialidade.

“Israel rejeita veementemente as alegações desprezíveis e infundadas” feitas pelos relatores, de acordo com uma declaração da delegação do país nas Nações Unidas em Genebra. Acrescentou que um dos especialistas tinha recentemente “legitimado o massacre de 7 de Outubro, no qual mais de 1.200 pessoas foram assassinadas, executadas e violadas, e outro que duvidou publicamente dos testemunhos das vítimas israelitas de violência sexual e de género”.

O Sr. Fares, o chefe da comissão de prisioneiros palestinianos, disse que a sua organização não tinha confirmado estes relatos de violação e que os relatores não tinham partilhado as suas provas. Mas ele disse que relatos de humilhação de prisioneiras eram comuns mesmo antes de 7 de outubro.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *