Mon. May 27th, 2024

O orçamento que o Presidente Biden divulgou na segunda-feira prevê uma redução dos défices em 3 biliões de dólares ao longo de uma década, e fá-lo com uma abordagem que se tornou familiar: aumentos de impostos para as empresas e os ricos.

O presidente apresentou várias das propostas em seu discurso sobre o Estado da União na semana passada e as comparou com as dos republicanos, que pediram a extensão da maior parte dos US$ 2 trilhões em cortes de impostos que o ex-presidente Donald J. Trump sancionou em 2017. Para Biden, a política fiscal tem estado no centro dos seus esforços para tornar a economia mais equitativa e para combater as propostas fiscais republicanas que os democratas ridicularizam como dádivas aos ricos.

“Alguém aqui acha que o código tributário é justo?” Biden disse durante comentários em New Hampshire na segunda-feira. “Eu também não.”

No geral, Biden está propondo US$ 5 trilhões em impostos adicionais sobre empresas e pessoas com altos rendimentos durante a próxima década. Aqui está o que esses aumentos implicariam:

O orçamento emprega uma combinação de abordagens para fazer com que as empresas americanas paguem mais em impostos federais. Isso inclui o aumento da taxa de imposto sobre as sociedades de 21% para 28%, que é o nível estabelecido pela Lei de Reduções de Impostos e Empregos de 2017.

Biden também pede o aumento do que é conhecido como imposto mínimo corporativo de 15% para 21%. Esse imposto, que foi aprovado pelos democratas em 2022, aplica-se a empresas que reportam rendimentos anuais de mais de mil milhões de dólares aos acionistas nas suas demonstrações financeiras, mas utilizam deduções, créditos e outros tratamentos fiscais preferenciais para reduzir as suas taxas de imposto efetivas bem abaixo dos 21 legais. por cento. Economistas da Casa Branca estimam que o aumento do imposto poderia gerar 137 mil milhões de dólares em novas receitas fiscais ao longo de uma década.

O presidente também quadruplicaria a sobretaxa de 1% sobre a recompra de ações corporativas. Esse imposto foi aprovado de acordo com as linhas partidárias em 2022.

A utilização de jactos empresariais e privados também enfrentaria custos mais elevados no âmbito do orçamento, que propõe aumentar os impostos sobre os combustíveis “para que os executivos empresariais e outros americanos ricos paguem a sua parte justa pela utilização do espaço aéreo e outros serviços públicos relacionados com as viagens aéreas”. O orçamento também busca eliminar incentivos fiscais para compras de jatos corporativos.

E a remuneração dos executivos também está prevista no orçamento. A Casa Branca propõe negar deduções corporativas para todas as remunerações associadas a funcionários que ganham mais de US$ 1 milhão. Isto vai além da legislação fiscal actual, que apenas nega tais deduções aos altos executivos.

O orçamento também pressupõe que um acordo fiscal global que os Estados Unidos ajudaram a mediar em 2021 será promulgado, apesar de os republicanos se terem recusado a considerar a nova taxa. Ao abrigo desse acordo, mais de 130 países comprometeram-se a promulgar taxas mínimas de imposto sobre as sociedades de 15% que as empresas devem pagar sobre os seus rendimentos estrangeiros. Biden quer que a taxa dos EUA aumente de 10,5%, o que não está em conformidade com o acordo, para 21%.

Desde a campanha presidencial de 2020, Biden prometeu que nenhuma de suas políticas aumentaria os impostos sobre as famílias que ganham menos de US$ 400.000. O orçamento mais recente mantém o seu foco no 1% mais rico.

Biden quer aumentar a taxa de imposto sobre ganhos de capital, como vendas de ações para indivíduos que ganham mais de US$ 400 mil, para 39,6%. Ele também reiterou os apelos para fechar a chamada brecha nos juros transportados, que permite que gestores ricos de fundos de hedge e executivos de private equity paguem taxas de imposto mais baixas do que os funcionários iniciantes.

O orçamento também inclui outra tentativa de uma versão de um imposto sobre a riqueza, um conceito complexo que há muito é uma ambição dos progressistas.

A proposta imporia um “imposto bilionário” de 25% sobre indivíduos com riqueza, definida como o valor total dos seus activos, superior a 100 milhões de dólares. O objectivo é evitar que os americanos mais ricos utilizem estratégias fiscais que lhes permitam pagar taxas de imposto mais baixas do que as das famílias de classe média.

Um dos desafios dos chamados impostos sobre a riqueza é descobrir como determinar o valor de certos tipos de activos, tais como arte, iates e outras participações. Um documento do Departamento do Tesouro que descreve a mecânica das propostas fiscais afirmava que muita coisa ficaria ao critério do Secretário do Tesouro, que teria autoridade para aprovar métodos de avaliação do valor dos activos “não transaccionáveis”. O Tesouro disse que os contribuintes teriam a oportunidade de recorrer das avaliações e ter seus ativos avaliados.

Uma das maiores prioridades de Biden durante seu primeiro mandato foi renovar a Receita Federal, que recebeu um aumento de financiamento de US$ 80 bilhões por meio da Lei de Redução da Inflação.

Os republicanos têm estado a desviar avidamente esses fundos e já conseguiram recuperar 20 mil milhões de dólares desse dinheiro.

O orçamento da Casa Branca restaura essas recuperações e prolonga o dinheiro da modernização da agência de arrecadação de impostos com um adicional de 104 mil milhões de dólares até 2034.

A administração Biden argumentou que os investimentos no IRS permitem ao governo federal arrecadar mais receitas fiscais sem aumentar as taxas de impostos, obrigando as empresas e os evasores fiscais ricos a pagar o que devem. O Departamento do Tesouro estimou que a chamada “lacuna fiscal” de receitas que não são cobradas foi de quase 700 mil milhões de dólares em 2021.

A Casa Branca estimou que os investimentos adicionais do IRS criariam 237 mil milhões de dólares em poupanças líquidas ao longo de uma década.

Biden também apela a novos esforços para melhorar a solvência da Segurança Social e do Medicare, incluindo fazer com que os americanos ricos paguem mais pelos programas.

No orçamento, ele se opõe a cortes nos benefícios dos programas e a quaisquer contribuições adicionais de trabalhadores que ganham menos de US$ 400 mil por ano. Na segunda-feira, Shalanda Young, diretora de orçamento da Casa Branca, deu a entender que Biden procuraria reforçar a Segurança Social, em parte, estabelecendo um limite para os rendimentos sujeitos aos impostos sobre os salários que alimentam o programa. Ela disse que Biden melhoraria sua solvência “pedindo aos americanos de alta renda que pagassem sua parte justa. Se você ganhar um milhão de dólares neste país, terminará de pagar os impostos da Previdência Social em fevereiro.”

O orçamento também prevê o aumento das taxas do Medicare e do imposto sobre o rendimento do investimento líquido em 1,2 pontos percentuais para contribuintes com rendimentos superiores a 400.000 dólares.

Muitas das propostas de Biden apareceram de forma semelhante em seus orçamentos anteriores, e funcionários do governo reconheceram que, mesmo quando os democratas controlavam a Câmara e o Senado, não era possível aprovar um imposto sobre a riqueza.

O orçamento caiu com os republicanos no Congresso na segunda-feira. O senador Charles E. Grassley, do Iowa, o principal republicano na Comissão do Orçamento do Senado, descreveu-o como “repleto de cortes de custos para contornar os limites de gastos do Congresso” e alertou que “apresenta planos míopes para queimar os bolsos dos americanos”.

A campanha de Trump previu, sem oferecer uma análise, que os aumentos de impostos propostos por Biden levariam à perda “imediata” de aproximadamente um milhão de empregos.

Jim Tankersley relatórios contribuídos

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *