Sat. Jun 15th, 2024

Os israelitas acolheram amplamente um relatório da ONU que apoiava alegações de violência sexual durante o ataque liderado pelo Hamas em 7 de Outubro, mesmo quando um alto funcionário israelita acusou as Nações Unidas de não fazerem o suficiente para resolver as conclusões – um sinal das crescentes tensões entre eles.

O relatório da ONU, divulgado na segunda-feira, encontrou “motivos razoáveis ​​para acreditar” que a violência sexual contra várias pessoas ocorreu em pelo menos três locais em Israel, e “informações claras e convincentes” de que reféns levados para Gaza em 7 de outubro foram vítimas de violência sexual, incluindo violação.

Na terça-feira, o presidente Isaac Herzog de Israel disse no X que o relatório era “de imensa importância” e elogiou-o pela sua “claridade moral e integridade”.

Mas Israel Katz, ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, acusou o secretário-geral da ONU, António Guterres, numa publicação nas redes sociais, de fazer um esforço concertado para “esquecer o relatório e evitar tomar as decisões necessárias”. Em protesto, Katz chamou de volta o representante de Israel nas Nações Unidas, Gilad Erdan, para consultas – um passo antes de retirar o embaixador por um período mais longo. Erdan estava em um avião de volta a Israel na terça-feira, disse ele.

Um porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, disse que não aceitava – nem sequer compreendia – as críticas, e que o relatório foi elaborado “de forma completa e expedita” e que “de forma alguma o secretário-geral fez alguma coisa para ‘enterrar ‘ o relatório.” Funcionários da ONU alertaram os jornalistas antes da divulgação do relatório e realizaram uma conferência de imprensa para discuti-lo, e o relatório recebeu ampla cobertura noticiosa.

Guterres tem criticado abertamente a invasão da Faixa de Gaza por Israel e tem pressionado por um cessar-fogo imediato e vinculativo. E há uma profunda desconfiança nas Nações Unidas entre os israelitas, que consideram o organismo tendencioso contra o seu país – um facto que foi observado no relatório de 7 de Outubro.

No Cairo, as negociações para a libertação de reféns e um cessar-fogo terminaram na terça-feira sem nenhum avanço, segundo autoridades israelenses e do Hamas. O Hamas insistiu que só concordaria com um cessar-fogo e uma troca de reféns por palestinianos detidos em prisões israelitas se as forças israelitas se retirassem completamente de Gaza, uma condição que os líderes israelitas rejeitaram.

Osama Hamdan, um alto funcionário do Hamas, disse na terça-feira que o grupo disse aos mediadores egípcios e do Qatar – o Hamas e Israel não falam oficialmente entre si – que a sua posição permanecia inalterada.

A administração Biden, que tem pressionado com mais força nos últimos dias por um cessar-fogo imediato, colocou a responsabilidade sobre o Hamas.

O presidente Biden disse que as negociações de cessar-fogo na terça-feira estavam “nas mãos do Hamas neste momento”. Ele disse que os israelenses, cujos negociadores não estavam no Cairo, “têm cooperado” nas conversações indiretas e que “uma oferta racional” foi feita.

“Saberemos em alguns dias o que vai acontecer”, disse Biden ao retornar à Casa Branca depois de passar o fim de semana em Camp David se preparando para seu discurso sobre o Estado da União na quinta-feira. “Precisamos de um cessar-fogo.”

Os comentários de Biden ecoaram comentários semelhantes feitos no início do dia pelo secretário de Estado Antony J. Blinken e na segunda-feira pela vice-presidente Kamala Harris.

À medida que os combates continuam, a escassez de alimentos tornou-se mais grave em Gaza. Os Estados Unidos fizeram uma segunda rodada de lançamentos aéreos de ajuda no território na terça-feira, com aviões de carga da Força Aérea dos EUA lançando 36.800 refeições prontas para consumo em uma operação conjunta com a Força Aérea da Jordânia.

O primeiro lançamento aéreo dos EUA ocorreu no sábado, dois dias depois de mais de 100 palestinos terem sido mortos quando as forças israelenses abriram fogo contra uma multidão que aglomerava-se em torno de um comboio de caminhões de ajuda no norte de Gaza. Os médicos dos hospitais de Gaza disseram que a maioria das vítimas foi causada por tiros.

Os militares israelenses disseram que a maioria das vítimas na quinta-feira foram pisoteadas enquanto tentavam apreender a carga, embora as autoridades israelenses tenham reconhecido que as tropas dispararam contra algumas pessoas que, segundo eles, as ameaçaram.

Uma declaração de especialistas em direitos da ONU, divulgada pelo Alto Comissariado para os Direitos Humanos na terça-feira, descreveu o derramamento de sangue como um massacre e acusou as tropas israelenses de matar pelo menos 112 pessoas e ferir cerca de 760.

“Israel tem intencionalmente feito passar fome o povo palestino em Gaza desde 8 de Outubro”, afirmou, numa das linguagem mais duras que as Nações Unidas usaram desde o início da guerra. “Agora tem como alvo civis que procuram ajuda humanitária e comboios humanitários. Israel deve acabar com a sua campanha de fome e de atacar civis.”

Após as mortes do comboio, o presidente Biden disse que os Estados Unidos encontrariam novas maneiras de levar alimentos e outros suprimentos aos palestinos. Apenas uma pequena quantidade de ajuda tem chegado ao norte de Gaza por via terrestre, mas grupos de ajuda criticaram os lançamentos aéreos como ineficazes. A quantidade de ajuda entregue por um avião francês num lançamento aéreo na semana passada foi muito inferior à de um único carregamento de camião.

O Times of Israel informou na terça-feira que Israel começou a levar ajuda através da fronteira entre Israel e o norte de Gaza, onde as Nações Unidas afirmam que a falta de alimentos é extremamente grave. A ajuda só tinha entrado através de duas passagens no extremo sul de Gaza, uma do Egipto e outra de Israel.

Quinze crianças morreram de desnutrição num hospital na cidade de Gaza, informou a ONU na terça-feira, acrescentando que os números podem ser mais elevados noutros hospitais.

Ao mesmo tempo, o número de mortos entre os habitantes de Gaza devido aos bombardeamentos israelitas continua a aumentar. As autoridades de saúde de Gaza disseram na terça-feira que quase 100 habitantes de Gaza foram mortos pelas forças israelenses nas 24 horas anteriores. O número de mortos após quase cinco meses de guerra é de mais de 30 mil pessoas, afirmou, a maioria mulheres e crianças.

O relatório da ONU divulgado na segunda-feira baseou-se em informações recolhidas em Israel e na Cisjordânia ocupada por uma equipa de especialistas liderada por Pramila Patten, representante especial do secretário-geral para a violência sexual em conflitos.

O relatório observou que uma série de combatentes do Hamas e de outros grupos participaram no ataque de 7 de Outubro, e que os especialistas da ONU, que passaram duas semanas e meia a investigar em Israel e na Cisjordânia, não conseguiram determinar se alguém que tivesse cometido as agressões sexuais pertenciam a facções específicas. O relatório detalhou desafios significativos na determinação do que tinha acontecido, incluindo o tempo limitado da equipa no terreno, o facto de as autoridades israelitas sobrecarregadas não se terem concentrado na recolha de provas forenses e na destruição de algumas provas em incêndios.

Mesmo assim, muitos em Israel acolheram favoravelmente o relatório. Ruth Halperin-Kaddari, professora de direito na Universidade Bar-Ilan e ativista dos direitos das mulheres, disse na terça-feira que ficou confusa com a decisão de Katz de destituir Erdan.

O relatório da ONU “serve como confirmação, ao mais alto nível, do facto de que a violência sexual e as atrocidades de género fizeram de facto parte do ataque do Hamas em 7 de Outubro”, disse ela.

No passado, activistas israelitas expressaram frustração com o que consideraram ser a resposta lenta das Nações Unidas aos relatos de agressão sexual durante o ataque de 7 de Outubro. A esposa do presidente Herzog, Michal Herzog, disse na rádio israelense na terça-feira que o relatório foi “a primeira vez depois de cinco meses que um alto funcionário da ONU apoia o que temos afirmado nos últimos meses”.

O Hamas rejeitou o relatório, considerando as conclusões falsas.

O Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, um grupo que representa as famílias dos cativos israelitas, disse num comunicado na noite de segunda-feira que o relatório da ONU tornava “claramente óbvio que as mulheres reféns estão a passar por um inferno a cada momento, a cada minuto”.

Os israelenses “não perdoarão o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o gabinete” se não conseguirem trazer os reféns para casa, disse o grupo.

O relatório foi contribuído por Michael D. Cisalhamento, VictoriaKim, Farnaz Fassihi e Adam Rasgon.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *