Mon. Jul 22nd, 2024

Uma nova promessa de 120 milhões de dólares para destituir o presidente Biden e os seus aliados elevará o gasto total esperado de grupos externos que trabalham para reeleger Biden para mil milhões de dólares este ano.

A Liga dos Eleitores Conservacionistas, uma importante organização climática que está entre as que mais gastam em causas progressistas, anunciou seus planos para apoiar Biden na terça-feira, num momento em que seu adversário republicano, o ex-presidente Donald J. Trump, está lutando para aumentar fundos. A campanha de Biden, independente de grupos externos, espera arrecadar e gastar 2 mil milhões de dólares como parte da sua candidatura à reeleição.

É provável que os grupos republicanos também gastem muito antes de Novembro, mas é difícil fazer comparações directas entre as organizações democratas e as suas homólogas republicanas. As organizações democráticas e progressistas anunciam frequentemente os seus planos de despesas antes de terem angariado os fundos, que muitas vezes provêm de pequenos doadores. Os grupos republicanos que dependem mais dos principais doadores tendem a não telegrafar os seus planos.

O dinheiro externo pró-Biden provém de quase uma dúzia de organizações que incluem grupos climáticos, sindicatos e super PACs tradicionais. Existem grupos de esquerda como MoveOn e republicanos moderados como Republican Voters Against Trump.

Os maiores gastadores até agora são o Future Forward, o super PAC abençoado pela campanha de Biden, que reservou mais de US$ 250 milhões em publicidade televisiva; o Sindicato Internacional dos Empregados de Serviços, que disse na semana passada que gastaria US$ 200 milhões para apoiar Biden e seus colegas democratas; e a American Bridge, a organização de pesquisa democrata que disse em janeiro que planejava gastar US$ 140 milhões em uma campanha publicitária anti-Trump em estados decisivos.

“A escala do que estamos falando nunca foi vista antes na história do nosso país”, disse Tiffany Muller, presidente do End Citizens United, o grupo de defesa da reforma governamental que trabalha para limitar a capacidade desses tipos de grupos externos de gastar somas ilimitadas em eleições.

Na quarta-feira, a Liga dos Eleitores Conservacionistas realizará seu jantar anual em Washington. Entre os esperados estão a vice-presidente Kamala Harris, o deputado Hakeem Jeffries, o democrata de Nova York que é o líder da minoria na Câmara, e um punhado de outros membros democratas do Congresso.

Pete Maysmith, vice-presidente sênior de campanhas da liga, disse que o financiamento do grupo subsidiaria uma campanha publicitária na televisão e em plataformas digitais e também um programa de campo que encorajaria seus membros e apoiadores a dizerem a seus amigos para votarem em Biden.

“É difícil imaginar riscos maiores nestas eleições”, disse Maysmith. “Estaremos nos comunicando com os eleitores nos estados decisivos e nas principais disputas sobre o que está em jogo, por que o presidente Biden tem sido um campeão nas mudanças climáticas e o perigo óbvio e extremo de ter Donald Trump e seus acólitos do MAGA e grandes apreciadores do petróleo de volta no cargo por mais quatro anos.”

Stephanie Schriock, ex-presidente da Emily’s List, o grupo que apoia e financia mulheres democratas que concorrem a cargos públicos, disse esperar que a quantidade de dinheiro externo que apoia Biden chegue a US$ 2,5 bilhões a US$ 3 bilhões, com grandes somas a serem gastas em questões jurídicas. questões e esforços para obter votos neste outono.

Os principais doadores democratas, disse Schriock, ficaram animados nas últimas semanas, à medida que Trump se aproximava e conquistava a indicação presidencial republicana.

“As pessoas simplesmente não queriam acreditar que seria Donald Trump novamente”, disse ela. “Todo o conceito de que isso estava acontecendo de novo simplesmente os congelou e desde a Super Terça isso mudou. As pessoas ficam tipo, ‘Oh, isso está acontecendo e é real’”.

O mil milhões de dólares em dinheiro democrata prometido em nome de Biden não inclui outros 239 milhões de dólares em reservas publicitárias feitas pelo PAC da maioria no Senado, o super PAC dedicado a eleger os democratas no Senado. O super PAC que apoia os democratas da Câmara, o PAC da maioria na Câmara, ainda não fez as suas reservas publicitárias. Um porta-voz na segunda-feira se recusou a revelar os planos do grupo.

Nem os mil milhões de dólares contabilizam um influxo esperado de dezenas de milhões – se não mais – de organizações que apoiam os Democratas, incluindo a Planned Parenthood, e os grupos políticos apoiados por Michael R. Bloomberg, o bilionário antigo presidente da Câmara de Nova Iorque. Nem a Planned Parenthood nem os grupos de Bloomberg anunciaram os seus planos de gastos para as eleições de 2024, mas os gastos anteriores foram significativos.

Um grupo republicano que tornou públicos os seus planos é a Faith & Freedom, a organização conservadora liderada por Ralph Reed, um aliado de Trump, que disse na semana passada que gastaria 62 milhões de dólares para registar e atrair eleitores evangélicos para Trump.

O Fundo de Liderança do Senado, o super PAC que apoia os candidatos republicanos ao Senado, também reservou US$ 130 milhões em tempo publicitário para as disputas pelo Senado em Ohio e Montana.

O principal super PAC de Trump gastou US$ 380.000 em anúncios de rádio direcionados aos eleitores negros. No dia do discurso sobre o Estado da União de Biden neste mês, outro super PAC pró-Trump gastou US$ 500.000 em anúncios de TV.

A disparidade entre os grupos externos pró-Biden e pró-Trump ecoa a vantagem monetária que a campanha de Biden tem sobre a de Trump.

A campanha de Biden anunciou no domingo que, juntamente com o Comitê Nacional Democrata e organizações afiliadas de arrecadação de fundos, entrou em março com US$ 155 milhões em dinheiro em mãos. A campanha de Trump e o Comité Nacional Republicano tinham cerca de 40 milhões de dólares no final de janeiro. Os grupos não divulgaram um total mais recente.

A campanha de Biden está proibida de se coordenar com grupos externos, mas incentivou publicamente a sua ajuda.

“Estes são investimentos reais e significativos que esperamos que cheguem aos eleitores que decidirão esta eleição, enquanto Donald Trump e um Partido Republicano sem dinheiro continuam a mostrar zero interesse ou capacidade de construir uma coligação vencedora”, disse Julie Chávez Rodríguez. , gerente de campanha do Sr. Biden.

Maysmith, da Liga dos Eleitores Conservacionistas, disse que seu grupo trabalharia em conjunto com outros super PACs pró-Biden para evitar duplicação e ampliar seus esforços. Ele disse que já existem planos em andamento para falar com os eleitores que estão inclinados a apoiar a agenda climática de Biden, mas que estão preocupados com sua idade.

“Se eles estão levantando uma preocupação sobre a idade do presidente, estamos absolutamente prontos para ouvir isso, reconhecê-lo e então articular por que o presidente pode não ser o cara mais jovem do mundo, mas ele fez mais trabalhos sobre mudanças climáticas do que qualquer outro presidente no mundo. a história deste país”, disse Maysmith.

Outros grupos que apoiam Biden e que anunciaram seus planos de gastos para 2024 incluem VoteVets, a Campanha por uma Economia Amigável à Família, o super PAC pró-Biden Unir o País e a Climate Power, que anunciou um plano de US$ 80 milhões no ano passado.

Muller disse que os enormes gastos de grupos externos poderiam, se Biden for reeleito com maiorias democratas no Congresso, levar a limites há muito procurados ao fluxo de somas tão grandes para o ecossistema político americano.

“É possível que a confiança dos eleitores continue a diminuir”, disse ela. “Não resta muito espaço para cair.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *