Mon. Jul 15th, 2024

“A ponte está selada.” No mês passado, com essas palavras, o gerente geral da Ponte Golden Gate anunciou a conclusão de uma barreira suicida – uma rede de aço inoxidável que se estende por cerca de 6 metros da passarela por toda a extensão da ponte, fazendo com que um salto na água abaixo seja extraordinariamente extraordinário. difícil.

Durante décadas, amigos e familiares de pessoas que saltaram imploraram por uma barreira. E durante décadas, relatou recentemente meu colega John Branch, as autoridades encontraram razões – o custo, a estética – para não construir um.

Mas algo está a mudar nos Estados Unidos, onde a taxa de suicídio aumentou cerca de 35% ao longo de duas décadas, com mortes a aproximarem-se das 50.000 anualmente. Os EUA são uma exceção flagrante entre os países ricos; globalmente, a taxa de suicídio tem caído acentuada e continuamente.

Barreiras estão em obras na ponte William Howard Taft em Washington, DC, na ponte Penobscot Narrows no Maine e em várias pontes de Rhode Island. Universidades do Texas e da Flórida orçaram milhões de dólares para barreiras em estruturas altas. Inúmeras comunidades estão a debater medidas semelhantes.

A pesquisa demonstrou que o suicídio é na maioria das vezes um ato impulsivo, com um período de risco agudo que dura horas ou até minutos. Ao contrário do que muitos supõem, as pessoas que sobrevivem às tentativas de suicídio muitas vezes se dão bem: nove em cada dez delas não morrem por suicídio.

Os decisores políticos, ao que parece, estão prestando atenção. Tenho feito reportagens sobre saúde mental para o The New York Times há dois anos e, no boletim informativo de hoje, analisarei esforços promissores e baseados em evidências para prevenir o suicídio.

Durante gerações, os psiquiatras acreditaram que, nas palavras do pesquisador britânico Norman Kreitman, “qualquer pessoa decidida à autodestruição acabará por ter sucesso”.

Então, algo estranho e maravilhoso aconteceu: em meados da década de 1960, o número anual de suicídios na Grã-Bretanha começou a diminuir – 35% nos anos seguintes – ao mesmo tempo que o número de vítimas aumentava noutras partes da Europa.

Ninguém poderia dizer por quê. A medicina melhorou, de modo que mais pessoas sobreviveram ao envenenamento? Os medicamentos antidepressivos estavam reduzindo os níveis de desespero? A vida na Grã-Bretanha acabou de melhorar?

A verdadeira explicação, descobriu Kreitman, não era nenhuma dessas. A queda nos suicídios ocorreu quase por acidente: à medida que o Reino Unido eliminava gradualmente o gás de carvão do seu fornecimento aos fogões domésticos, os níveis de monóxido de carbono diminuíram. O suicídio por gás foi responsável por quase metade dos suicídios em 1960.

Acontece que bloquear o acesso a um único meio letal – se for o correto – pode fazer uma enorme diferença.

A estratégia que surgiu desta constatação é conhecida como “significa restrição” ou “significa segurança”, e vastas experiências naturais confirmaram isso. Quando o Sri Lanka restringiu a importação de pesticidas tóxicos, que as pessoas tinham ingerido em momentos de crise, a sua taxa de suicídio caiu para metade na década seguinte.

Mais da metade dos suicídios nos EUA são cometidos com armas de fogo. As armas são um meio mortal confiável, resultando em morte em cerca de 90% das tentativas de suicídio; overdoses intencionais, por outro lado, resultam em morte em cerca de 3% das vezes.

Quando uma tentativa falha, “essas pessoas geralmente sobrevivem e superam esses pensamentos, vivendo vidas felizes e plenas”, disse o Dr. Paul Nestadt, pesquisador de suicídio na Johns Hopkins. “Se você é dono de uma arma, aquele breve momento em que os pensamentos suicidas excedem o desejo de estar vivo para amanhã, é tudo o que é preciso.”

Outros países, como Israel, reduziram drasticamente as taxas de suicídio ao restringir o acesso às armas. Mas nos EUA, cerca de 400 milhões de armas circulam em mãos privadas, disse Michael Anestis, que lidera o Centro de Pesquisa sobre Violência Armada de Nova Jersey. “Não sabemos onde eles estão e, mesmo que soubéssemos, não teríamos como alcançá-los”, disse ele.

Vinte e um estados aprovaram leis de bandeira vermelha, que permitem às autoridades retirar temporariamente armas de fogo de indivíduos identificados como perigosos para si próprios ou para terceiros. Um estudo de acompanhamento descobriu que os suicídios por armas de fogo caíram 7,5% em Indiana na década após a aprovação da lei; Connecticut viu uma queda de 13,7% em oito anos, quando o estado começou a aplicar a lei com seriedade.

Outra abordagem promissora é mudar os hábitos de armazenamento de armas, que Anestis comparou a campanhas de saúde pública sobre fumar ou dirigir embriagado. Ele apresentou algumas ideias, incluindo incentivos financeiros, como fornecer aos proprietários de armas um cupom robusto para um cofre de armas e incentivar as lojas de armas a instalar armários para que as pessoas pudessem guardar temporariamente suas armas fora de casa.

Mesmo breves sessões de aconselhamento podem mudar os hábitos do proprietário de uma arma, mostram os testes. Anestis lembrou-se de um sujeito que rejeitou particularmente o conselho do conselheiro, mas que regressou seis meses depois com uma perspectiva diferente. “Desde a última vez que estive aqui, terminei com meu noivo e deixei meu irmão segurar minhas armas. Se eu não tivesse feito isso, tenho quase certeza de que estaria morto”, disse o sujeito aos pesquisadores.

Se você estiver tendo pensamentos suicidas, ligue ou envie uma mensagem de texto para 988 para obter ajuda. Mais recursos estão disponíveis aqui.

Locatários: Depois de fugir da Ucrânia, um tatuador está se estabelecendo no Brooklyn.

Estilista para as estrelas: Conheça Danielle Goldberg, uma estilista em quem garotas descoladas de Hollywood como Ayo Edebiri e Olivia Rodrigo confiam quando precisam estar no seu melhor.

Mais odiadas: Leia como Tom Sandoval transformou “Vanderpump Rules” no melhor reality show da história da TV – e arruinou sua vida.

Nunca é tarde: Lyn Slater tornou-se uma influenciadora de moda aos 70 anos.

Pergunte bem: Existe alguma verdade na regra “cerveja antes do licor”?

Vidas vividas: Damo Suzuki foi um vocalista japonês mais conhecido como membro do grupo alemão de rock experimental Can. Seu canto muitas vezes soava como encantamentos xamânicos em uma linguagem inventada. Suzuki morreu aos 74 anos.

Nostalgia: A Volkswagen tem um plano para recuperar as vendas nos EUA – reviver designs antigos, como o Microbus e o Scout, mas torná-los elétricos.

É uma das várias montadoras estrangeiras que veem a transição elétrica como uma forma de desafiar os atores dominantes da América. “Todo mundo está começando do zero”, disse Arno Antlitz, diretor financeiro da empresa. “Esta é a nossa oportunidade única de crescer.”

  • O diretor Sam Mendes planeja fazer quatro cinebiografias dos Beatles, cada uma contando a história da banda do ponto de vista de um membro diferente.

  • Marcas como Burberry e JW Anderson comemoraram o 40º aniversário da London Fashion Week. Veja imagens dos desfiles.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *