Tue. May 21st, 2024

Quando António Costa, um primeiro-ministro muito querido pelos líderes europeus, conquistou com folga o seu terceiro mandato como primeiro-ministro em 2022, muitos portugueses prepararam-se para um governo duradouro e estável, dada a forte maioria do seu Partido Socialista no Parlamento.

Mas no final do ano passado, Costa tinha demitido, e o seu governo estava envolvido numa investigação de corrupção envolvendo concessões de exploração de lítio.

No domingo, Portugal enfrenta novas eleições. Levantou a possibilidade de o Partido Socialista poder perder o poder pela primeira vez em mais de oito anos, bem como a possibilidade de um governo minoritário instável.

Uma das mudanças mais significativas na campanha eleitoral foi a ascensão de um partido populista de extrema direita.

Costa renunciou em novembro, após a abertura de uma investigação de corrupção sobre concessões de exploração de lítio, produção de hidrogênio e construção de um data center.

O lítio é fundamental para ajudar a transição da União Europeia para a energia limpa, e o bloco depende principalmente de importações da China.

Em Portugal, as explorações de lítio eram controversas mesmo antes da investigação sobre a atribuição de concessões e enfrentaram oposição pública pelos danos ambientais que as minas poderiam causar.

A investigação ameaça agora refrear o tão necessário investimento estrangeiro, disse Marina Costa Lobo, cientista política da Universidade de Lisboa. “E isso pode ser problemático para Portugal”, ela adicionou.

O Sr. Costa não foi formalmente acusado de nenhum crime.

Em declarações televisivas em Novembro, ele disse que “nenhum acto ilícito pesa na minha consciência”, mas acrescentou que a “dignidade” do cargo de primeiro-ministro era incompatível com as suspeitas que o rodeavam.

Portugal vai eleger um novo Parlamento nas eleições gerais antecipadas. O Partido Socialista está numa disputa acirrada com a Aliança Democrática, uma coligação de partidos de centro-direita liderada pelo Partido Social Democrata.

Espera-se que os socialistas obtenham cerca de 28 por cento dos votos, de acordo com uma agregação de pesquisas do Politico, e a Aliança Democrática cerca de 33 por cento.

Pedro Nuno Santos, apoiado pela ala esquerda do Partido Socialista, sucedeu ao Sr. Costa como chefe do partido.

Os membros do Partido Social Democrata também foram afectados por inquéritos de corrupção, tendo o presidente de um governo local demitido recentemente.

O mais surpreendente foi a ascensão do Chega, um partido populista de direita. Embora o Chega esteja atrás dos dois principais partidos, de acordo com uma agregação de sondagens do Politico, um forte desempenho nas eleições poderá transformar o Chega num fazedor de reis, se nenhum outro conseguir garantir uma maioria absoluta.

Luís Montenegro, líder do Partido Social Democrata, descartou fazer uma coligação com o Chega. O Chega fez da punição mais severa à corrupção um pilar da sua campanha, com cartazes que diziam: “Portugal precisa de uma limpeza”.

Se o seu partido vier em primeiro lugar, Montenegro poderá formar um governo minoritário, um resultado potencialmente instável que poderá não durar muito, segundo especialistas.

Ao contrário de outros países europeus, há anos que Portugal não via partidos de extrema-direita e anti-establishment ganharem força entre os eleitores.

A ascensão do Chega, que significa “basta” em português, está a mudar isso, e uma forte presença nas eleições pode significar o fim da exceção do país.

“Para nós aqui em Portugal seria uma novidade”, disse José Santana Pereira, professor associado de ciência política no Instituto Universitário de Lisboa.

O partido, fundado em 2019, recebeu cerca de 1% dos votos nas eleições de 2019. Esse número aumentou para cerca de 7 por cento em 2022, e prevê-se agora que o partido obtenha 16 por cento dos votos, de acordo com uma agregação de pesquisas do Politico.

Apesar da investigação de corrupção e da insistência do Chega na sua campanha, muitos eleitores pareciam mais preocupados com questões que afectavam as suas vidas quotidianas, disse Costa Lobo.

Com salários persistentemente baixos que não acompanham a inflação, os portugueses parecem sobretudo preocupados com a crise do custo de vida. Os preços das casas duplicaram nos últimos oito anos, em parte devido aos arrendamentos turísticos, tornando os imóveis inacessíveis, especialmente para as gerações mais jovens.

“A habitação tornou-se uma das principais questões nas eleições”, disse Costa Lobo. “Os cidadãos da classe média não podem mais alugar ou comprar.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *