Wed. Feb 21st, 2024

Cydney Mizell, um trabalhador humanitário que ensinava inglês no sul do Afeganistão, desapareceu em 2008, raptado depois de ter sido atirado para fora de uma estrada e dado como morto durante 15 anos.

Os membros da sua família, que ficaram com poucos detalhes sobre as circunstâncias que rodearam o seu desaparecimento, perguntaram-se se algum dia saberiam o seu destino.

Jan Mizell, sua irmã mais nova, disse que contaria às pessoas: “Alguém ali sabe o que aconteceu com minha irmã. Eles simplesmente não estão falando.

Mas há cerca de um ano, Mizell, 64 anos, que mora ao sul de Seattle, recebeu notícias do FBI: os agentes coletaram pequenos fragmentos de ossos pertencentes a Cydney no Afeganistão e tentariam trazer de volta todos os seus restos mortais.

A recuperação de Cydney Mizell põe fim a um caso de terrorismo que há muito frustrava os investigadores, tornando-se um dos mais antigos sequestros em que o FBI trabalhou no Afeganistão. Também demonstra os meandros da localização de reféns, especialmente num país onde os Estados Unidos já não estão presentes, e sublinha a dificuldade de encontrar os corpos das pessoas perdidas no estrangeiro.

O FBI não tornou pública a descoberta na altura, mas confirmou num comunicado no sábado que os restos mortais da Sra. Mizell foram “recuperados e repatriados para a sua família”. O esforço incluiu agentes do FBI no Distrito de Columbia, bem como funcionários de toda a comunidade de inteligência que fazem parte da Célula de Fusão de Recuperação de Reféns, que se concentra em casos de reféns.

Até agora, ninguém foi acusado do sequestro e assassinato da Sra. Mizell. Mas um ex-funcionário dos EUA familiarizado com o caso disse que o Taleban provavelmente estava por trás do sequestro e esperava trocá-la por um de seus membros detidos na prisão militar dos EUA na Baía de Guantánamo, em Cuba.

No Afeganistão, Mizell trabalhou para a Fundação Asiática de Desenvolvimento da Vida Rural, ensinando inglês na Universidade de Kandahar, bem como bordado e costura numa escola para meninas, de acordo com um comunicado de 2008. Ela adorava música, inclusive cantar e tocar piano e violão.

Jan Mizell disse que o seu pai soube do desaparecimento da filha no final de Janeiro de 2008. Um lojista, recordou ela, testemunhou o rapto, contando como Cydney e o seu motorista foram forçados a sair da estrada e feitos reféns por um grupo de homens armados.

Os sequestradores, usando o celular da Sra. Mizell, ligaram repetidamente para a agência humanitária durante vários dias. Pouco depois os sequestradores indicaram que Cydney havia sido morto, disse Jan Mizell, embora tenham oferecido poucos outros detalhes.

O pai da Sra. Mizell morreu meses após o sequestro de sua filha.

Ao longo dos anos, Jan Mizell ouviu notícias intermitentes do FBI sobre o caso. Ela recebeu uma carta da administração Obama alertando-a sobre as mudanças feitas nos esforços de recuperação de reféns, depois que famílias reclamaram de comunicação aleatória e informações conflitantes por parte da administração. Sob o presidente Biden, o governo a convidou para duas videoconferências com Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional, e o secretário de Estado Antony J. Blinken. Mizell disse que as ligações eram para que as vítimas do terrorismo e suas famílias fizessem perguntas sobre como o governo lida com esses tipos de investigações.

Mizell disse que o FBI recebeu várias dicas, mas nada deu certo. Depois de receber informações sobre o possível paradeiro dos restos mortais de sua irmã, o FBI fez um grande esforço para resolver o caso. Em 2021, o governo atribuiu uma recompensa de até 5 milhões de dólares por informações sobre Cydney Mizell, incluindo a sua “localização, recuperação e regresso”, e publicou o aviso em vários idiomas.

“Fiquei chocada e maravilhada com esse esforço”, disse Mizell sobre a tentativa de encontrar sua irmã.

Mizell disse que a recompensa parecia levar a um avanço, com alguém avançando com os fragmentos ósseos. O DNA obtido por agentes do FBI em 2008 da Sra. Mizell e de seu pai confirmou que era Cydney.

Em seguida, o governo tomou medidas para localizar e trazer para casa todos os seus restos mortais, inclusive fazendo com que os ossos fossem trazidos através de um terceiro país. Mizell disse que em abril de 2023 dois agentes do FBI escoltaram os restos mortais de volta aos Estados Unidos envoltos em uma bandeira americana.

Uma cópia do relatório da autópsia que o FBI lhe entregou mostrou que sua irmã havia levado um tiro na cabeça e seu crânio esmagado. Os agentes também lhe presentearam com uma urna de cinzas e uma bandeira americana. Os agentes também devolveram os diários pessoais que Cydney manteve durante sua estada no Afeganistão.

“Sem os agentes, ainda estaríamos em um grande buraco negro de nada”, disse Mizell.

Em outubro, a família da Sra. Mizell realizou um memorial em uma igreja batista em Tacoma, Washington, onde seu pai já foi pastor. Dezenas compareceram ao culto, incluindo agentes do FBI. A bandeira americana que a Sra. Mizell recebeu estava em exibição.

Sua família espera finalmente receber uma certidão de óbito oficial.

Mizell disse que sua irmã, que completaria 66 anos no próximo mês, procurou melhorar a vida das pessoas ao seu redor.

“Ela se dedicava a amar e ajudar pessoas ao redor do mundo, especialmente apoiando mulheres e meninas em situações desesperadoras”, acrescentou.

Outros casos de sequestro continuaram a frustrar o FBI. No Afeganistão, os investigadores ainda tentam localizar Paul Edwin Overby Jr., um autor que, segundo as autoridades, foi visto pela última vez em maio de 2014, na cidade de Khost, enquanto pesquisava para um livro. Ele esperava entrevistar o líder de uma rede militante quando este desaparecesse. E Ryan Corbett, do oeste de Nova Iorque, foi detido pelos talibãs em 2022, depois de visitar o norte do Afeganistão numa viagem de negócios.

Kitty Bennet contribuiu com pesquisas.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *