Mon. Jul 15th, 2024

Pedro Coy

Então, quem você acha que sairá por cima na Final Four? Não estou perguntando sobre o torneio de basquete NCAA March Madness. Estou perguntando sobre os processos antitruste do governo federal contra a Amazon, a Apple, a Meta, controladora do Facebook, e o Google. A entrada mais recente no Final Four é a Apple, que o Departamento de Justiça processou na semana passada.

Daniel Crane, professor de direito da Universidade de Michigan, perguntou informalmente a cerca de 50 de seus colegas em faculdades de direito de todo o país qual das quatro empresas teria maior probabilidade de vencer o governo. Ele obteve 19 respostas.

A Amazon ficou em primeiro lugar, seguida pela Apple, Meta, controladora do Facebook, e em último lugar pelo Google. Em outras palavras, os professores de direito consideram que os argumentos antitruste do governo contra a Amazon são os mais fracos e os seus argumentos contra o Google são os mais fortes.

Crane escreveu seus resultados em uma postagem em um blog conjunto do Yale Journal of Regulation e da seção de direito administrativo e prática regulatória da American Bar Association. Ele escreveu que todos os entrevistados são “pessoas que eu consideraria distintas na área, imparciais e altamente conhecedoras” e que abrangem o espectro ideológico dos profissionais antitruste. Mas ele admitiu que “certamente não foi um estudo científico”.

Existem múltiplas ações governamentais e privadas contra cada uma das quatro empresas. Para simplificar a pesquisa informal, Crane agrupou-os em cinco grupos: pesquisa do Google, tecnologia de anúncios do Google, Meta/Facebook, Amazon e Apple.

Nos comentários coloridos, os professores – a quem Crane prometeu anonimato – variaram desde chamar todos os quatro casos de estrume, ou uma frase nesse sentido, até escrever que “cada um conta uma história poderosa de um monopolista que luta arduamente para manter o poder de mercado”.

“O Google é a escolha consensual para o argumento governamental mais forte; A Amazon é a escolha consensual para o caso governamental mais fraco”, escreveu Crane. “Na verdade, nem um único entrevistado classificou a Amazon como o caso governamental mais forte, e apenas um classificou o Google como o mais fraco.”

Isso faz sentido para mim. Como me disse Eleanor Fox, especialista em antitrust da Faculdade de Direito da Universidade de Nova Iorque, a primeira coisa que o governo precisa de estabelecer é que o réu é, de facto, um monopolista. Só então poderá provar o comportamento anticoncorrencial. Todas as quatro empresas tomaram medidas que poderiam ser consideradas anticoncorrenciais, mas é apenas a Google que claramente ultrapassa o limiar de ser um monopolista – no seu caso, em termos de quota de mercado em pesquisa e publicidade online. A Amazon é enorme, mas é monopolista? Mais difícil de ver.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *