Mon. Jul 22nd, 2024

Nicolau KristofPatrick Healy

Patrick HealyEditor Adjunto de Opinião

Nick, há anos você faz reportagens profundas sobre exploração, abuso e tráfico de mulheres e meninas. Sua última coluna sobre vídeos deepfake de nudez nos mostrou novas maneiras pelas quais a tecnologia se tornou uma arma vil contra eles. O que você aprendeu ao relatar a matéria que o surpreendeu?

Nicolau Kristofcolunista de opinião

O que mais me surpreendeu foi simplesmente o fracasso dos reguladores, legisladores e empresas de tecnologia em demonstrarem muita preocupação com a humilhação das vítimas, mesmo quando empresas desprezíveis publicam vídeos de sexo falsos e não consensuais e ganham dinheiro com eles. Mulheres e meninas são o alvo, mas a resposta da comunidade tecnológica tem sido principalmente um encolher de ombros coletivo. Por que deveria o Google, cujo lema original era “não seja mau”, ser um pilar deste ecossistema e direcionar o tráfego para sites cujo negócio é pornografia não consensual?

Mesmo quando vítimas menores vão à polícia, geralmente não há um bom recurso. Armamos efetivamente predadores e empresas exploradoras com inteligência artificial, mas negamos qualquer defesa às vítimas.

Patrick Healy

Você escreve: “Com apenas uma boa imagem do rosto de uma pessoa, agora é possível fazer um vídeo de sexo de 60 segundos em apenas meia hora”. Existe alguma maneira de as pessoas se protegerem?

Nicolau Kristof

Alguns especialistas aconselham meninas ou mulheres a evitarem postar imagens em páginas públicas do Instagram ou do Facebook. Isso me parece irrealista. Algumas das vítimas são mulheres proeminentes cujas imagens estão por toda parte – um site deepfake se apropriou do retrato oficial de uma congressista. Ou às vezes uma mulher ou menina comum é alvo de um ex-namorado ou colega de classe, que provavelmente já terá fotos.

Dado que é tão difícil para os indivíduos protegerem-se, precisamos de soluções sistémicas, como alterar a Secção 230 da Lei de Decência nas Comunicações para que haja menos imunidade para empresas de tecnologia mal comportadas. Acabar com a impunidade e incentivar as empresas a se policiarem.

Patrick Healy

Entre as estatísticas que me congelaram estava esta: “Graphika, uma empresa de análise online, identificou 34 sites de nudificação que receberam um total combinado de 24 milhões de visitantes únicos só em setembro”. Esses números são enormes. O que isso diz para você sobre a nossa sociedade?

Nicolau Kristof

Há uma geração, discutia-se que as redes sociais iriam nos unir. Na verdade, acho que nos tornamos mais atomizados, com o tempo na tela substituindo o tempo das pessoas. Alguns especialistas pensam que numa época de isolamento social, a pornografia está a tornar-se uma forma fácil de evitar a complexidade e a frustração de lidar com pessoas reais. Entretanto, a crueldade casual que vemos nas redes sociais é paralela à crueldade que vemos em sites deepfake que mostram atrizes, princesas, cantores ou políticos a serem violados.

É difícil ver estes vídeos exploradores e não consensuais e não perceber a misoginia – tanto nos vídeos como num sistema que os tolera e não oferece às vítimas nenhuma solução.

Fotografia de Larysa Shcherbyna / Getty Images

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *