Sun. Apr 14th, 2024

Até mesmo o ato de organizar a exposição no MoMA prova o quanto o trabalho coletivo de Jonas desafia a fácil coleta ou categorização. O processo de escolha de peças, muitas delas com inúmeros elementos – máscaras, roupas, desenhos, cocares, livros, adereços – de uma carreira tão duradoura e variada, foi um esforço de anos para o museu, um quebra-cabeça que precisava ser resolvido tanto por Jonas quanto pelo curador da mostra. parecido. Janevski e a equipe curatorial passaram horas abrindo gaveta após gaveta cheia de esboços.

Desenhar, para Jonas, sempre foi uma espécie de prática meditativa, e ela tinha agências repletas de centenas de trabalhos em papel. Muitos são simples, até mesmo parcos, mas também cativantes – evocam a energia e a velocidade com que foram criados. Ela desenha para registrar o mundo ao seu redor, disse ela, da mesma forma que algumas pessoas usam câmeras; mas os desenhos também são uma parte inovadora da sua arte performática. Ela é conhecida por se prejudicar ao desenhar: desenhando olhando não para o papel, mas para um monitor que a captura no ato de desenhar, ou desenhando em uma tela que cobre seu rosto, para que o público a veja fazendo sua própria máscara, a agir tanto autodestrutivo quanto autogerador. “Quando desenho, não tenho controle total”, disse ela. “Então para mim desenhar também é uma espécie de aventura. Isso é o que me interessa, é conseguir uma imagem que não esperava.” (Os desenhos de Jonas também serão exibidos em uma grande mostra que também será inaugurada este mês, “Animal, Vegetal, Mineral”, no Drawing Center em Nova York.)

Naquele dia, no MoMA, Jonas e Janevski conversavam na sala de maquetes do museu, onde são imaginadas configurações de peças em tamanho de bonecos, e maquetes dos vários espaços do museu, cada uma para uma exposição diferente, amontoavam as mesas. Olhando para o modelo de 1,8 por 2,10 metros para sua exposição, que mesmo naquela escala capturava a amplitude de suas obras, Jonas se perguntou sobre alguns espelhos longos faltando (um retorno às suas obras de 1969 e 1970, “Mirror Piece I” e “Mirror Piece II”) que tornaria o público visível para si mesmo. Janevski garantiu-lhe que eles estariam lá. Tornar o programa claro e legível implicou escolhas difíceis, dada a vasta quantidade de rico material histórico na casa e no porão de Jonas, incluindo uma coleção de cadernos, esboços e anotações de diários dos anos 70. Quando o processo estava avançado o suficiente para que poucos acréscimos pudessem ser feitos, os curadores descobriram que Jonas tinha mais cadernos de décadas subsequentes que ela não havia exatamente mantido escondidos, mas também não havia mencionado. No processo de curadoria, ela se revelou, como é em sua arte, ao mesmo tempo visível e impossível de encontrar.

A modelo revelou pouco sobre o novo trabalho do desfile. Jonas já sabia de muita coisa: junto com aquela baleia dando lugar a uma nova vida, contaria com uma lula vampiro, figuras dançando, projetos de música e vídeo. Mas, como muitas das obras de Jonas, provavelmente mudaria com o tempo e se tornaria parte de algo totalmente novo. “Não está feito”, ela disse e mostrou seu pequeno sorriso. “Eu nunca termino.”

Assistente de fotografia: Josh Mathews

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *