Sun. May 26th, 2024

Mesmo antes do alvoroço desta semana, a participação de Israel na Eurovisão deste ano, que será realizada em Malmo, na Suécia, lançou uma sombra sobre o evento. À medida que o número de mortos na ofensiva militar de Israel em Gaza aumentava, centenas de músicos em países como a Suécia, a Dinamarca e a Islândia assinaram petições instando a União Europeia de Radiodifusão a proibir Israel, na sequência de uma decisão semelhante em 2022 de proibir a Rússia depois de esta ter invadido a Ucrânia.

A União Europeia de Radiodifusão rejeitou repetidamente a comparação entre Israel e a Rússia. “Compreendemos as preocupações e as opiniões profundamente arraigadas em torno do actual conflito no Médio Oriente”, afirmou o sindicato num comunicado este mês, mas a Eurovisão “não foi uma competição entre governos”.

Na Eurovisão deste ano, Israel será representado por Eden Golan, uma cantora pop de 20 anos que foi selecionada no início deste mês quando ganhou um programa de talentos na TV chamado “Rising Star”, cantando um cover do Aerosmith. Durante o final do programa, Golan referiu-se aos cerca de 130 reféns que Israel acredita que o Hamas mantém em Gaza. “Não ficaremos realmente bem até que todos voltem para casa”, disse ela.

Qual música Golan cantará no Eurovision, porém, não depende apenas dela. Kan tem avaliado possíveis faixas e, embora tenha submetido “October Rain” para aprovação, a emissora não está programada para anunciar oficialmente a música de Israel até 10 de março, dando tempo para que ela seja alterada, se necessário.

Ao longo da história da Eurovisão, a União Europeia de Radiodifusão interveio ocasionalmente quando detectou conotações políticas nas entradas propostas, disse Chris West, autor de uma história da Eurovisão. Em 2009, disse ele, a Geórgia desistiu do concurso porque os organizadores se opuseram a uma música chamada “We Don’t Wanna Put In”. A música foi vista como uma declaração contra o presidente Vladimir V. Putin da Rússia, disse West.

E em 2015, a Arménia mudou o título da sua entrada “Don’t Deny”, porque foi amplamente interpretada como uma referência à negação da Turquia do genocídio dos arménios pelo Império Otomano. A música foi renomeada para “Face the Shadow”, disse West.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *