Sun. May 26th, 2024

Para alguns expatriados estrangeiros, Hong Kong perdeu o seu apelo como cidade internacional e já não se sente em casa desde que Pequim assumiu uma posição mais pesada na sua governação. Mas para muitos antigos chineses do continente, como Angelina Wang, tornou-se um lugar mais atraente para viver e trabalhar.

Wang, com cerca de 30 anos, sentia-se presa ao seu trabalho numa empresa financeira estatal em Shenzhen, uma cidade continental do outro lado da fronteira, quando leu sobre um visto de Hong Kong para trabalhadores profissionais. Ela rapidamente se inscreveu. Assim que conseguiu um emprego em Hong Kong – com salários mais altos – ela disse ao chefe que estava pedindo demissão e se mudou para lá.

“O salário em Hong Kong é mais alto do que em Shenzhen”, disse Wang. “Muito mais alto.”

A Sra. Wang estava entre os cerca de 55.000 chineses do continente que receberam este novo visto de “grande talento” desde dezembro de 2022. O status semiautônomo de Hong Kong na China significa que os cidadãos chineses precisam de vistos para viver e trabalhar na cidade.

Entre os titulares de vistos que agora trabalham em Hong Kong, muitos trabalhavam em finanças, tecnologias de informação e serviços comerciais, de acordo com um inquérito realizado pelo governo municipal em Novembro. Tinham um rendimento médio mensal de 50.000 dólares de Hong Kong, ou cerca de 6.400 dólares, mais do dobro do rendimento médio de Hong Kong.

Os chineses do continente entrevistados pelo The New York Times citaram vários motivos para solicitar o visto. Alguns disseram que Hong Kong oferece melhores salários e oportunidades de carreira, bem como melhores escolas, maior liberdade e maior respeito pelas mulheres e pessoas que são LGBTQ

A onda de profissionais ativos é um desenvolvimento bem-vindo para Hong Kong. Pequim impôs uma lei abrangente de segurança nacional à cidade em 2020, em resposta aos protestos pró-democracia, e na terça-feira o governo de Hong Kong promulgou outra lei de segurança que deu às autoridades ainda mais poder para punir dissidentes. Durante a pandemia de Covid-19, Hong Kong implementou algumas das restrições de viagem mais duras do mundo, prejudicando a sua economia. Cerca de 200 mil pessoas deixaram a cidade entre meados de 2019 e o final de 2022, segundo dados da cidade. Desde então, a população aumentou aproximadamente a mesma quantidade, para 7,5 milhões.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *