Tue. May 21st, 2024

A administração Biden e os aliados europeus chamam o presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, de tirano e criminoso de guerra. Mas ele gosta de ser convidado permanente para os corredores do poder no Brasil.

O presidente do Brasil diz que a Ucrânia e a Rússia são ambas culpadas pela guerra que começou com a invasão dos militares russos. E as compras de energia e fertilizantes russos por parte do seu país dispararam, injectando milhares de milhões de dólares na economia russa.

As opiniões do presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, resumem o dilema global em que os Estados Unidos e a Ucrânia se encontram quando a guerra entra no seu terceiro ano.

Quando a Rússia lançou a sua invasão em grande escala da Ucrânia, em 24 de Fevereiro de 2022, a administração Biden activou uma ofensiva diplomática que foi tão importante quanto a sua luta para enviar armas aos militares ucranianos. Ao aplicar sanções económicas e apelar a uma defesa colectiva da ordem internacional, os Estados Unidos procuraram punir a Rússia com sofrimento económico e exílio político. O objetivo era ver empresas e países cortarem relações com Moscou.

Mas dois anos depois, Putin não está tão isolado como as autoridades americanas esperavam. A força inerente da Rússia, enraizada nos seus vastos fornecimentos de petróleo e gás natural, impulsionou uma resiliência financeira e política que ameaça sobreviver à oposição ocidental. Em partes da Ásia, África e América do Sul, a sua influência é tão forte como sempre ou até crescente. E seu controle do poder em casa parece mais forte do que nunca.

A guerra teve, sem dúvida, um impacto negativo na Rússia: destruiu a posição do país perante grande parte da Europa. O Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de prisão para o Sr. Putin. As Nações Unidas condenaram repetidamente a invasão.

E, pelo que dizem os funcionários da administração Biden, a Rússia sofreu um grande fracasso estratégico.

“Hoje, a Rússia está mais isolada do que nunca no cenário mundial”, declarou o secretário de Estado Antony J. Blinken em junho. A guerra de Putin, acrescentou, “diminuiu a influência russa em todos os continentes”.

Para além da América do Norte e da Europa, há evidências em contrário.

A China, a Índia e o Brasil estão a comprar petróleo russo em quantidades recorde, banqueteando-se com os grandes descontos que Putin oferece agora aos países dispostos a substituir os seus clientes europeus perdidos. Com essas crescentes relações económicas surgiram fortes laços diplomáticos, inclusive com alguns parceiros próximos dos EUA. Putin visitou Pequim em outubro e recebeu o ministro das Relações Exteriores da Índia em Moscou no final de dezembro. Algumas semanas antes, Putin foi recebido calorosamente na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes Unidos, onde foi saudado com uma saudação de 21 tiros e jatos de combate sobrevoando a fumaça nas cores vermelha, branca e azul da bandeira da Rússia.

A influência russa também está a expandir-se em África, de acordo com um novo relatório do Royal United Services Institute, um grupo de investigação de segurança com sede em Londres. Quando Yevgeny V. Prigozhin, o líder do grupo mercenário Wagner, morreu no Verão passado, o serviço de inteligência militar da Rússia assumiu as extensas operações do Wagner em África e fez novas incursões junto dos governos que dependem do grupo para segurança.

“De forma alguma a Rússia está encurralada”, disse Michael Kimmage, historiador da Guerra Fria na Universidade Católica da América que foi funcionário do Departamento de Estado na administração Obama. “Não está enquadrado economicamente, não está enquadrado diplomaticamente e transmite a sua mensagem sobre a guerra.”

Para alguns especialistas russos, os líderes americanos e europeus não consideraram totalmente esta realidade.

“O que os líderes ocidentais claramente não fizeram foi ser sinceros com o seu público sobre a natureza duradoura da ameaça de uma Rússia revisionista e encorajada”, escreveram Eugene Rumer e Andrew S. Weiss, do Carnegie Endowment for International Peace, em Novembro, num ensaio para O Wall Street Journal acusa o Ocidente de “pensamento mágico” sobre a situação do Sr. Putin.

Um excelente exemplo da decepção é o tapete de boas-vindas de Putin no Brasil, a maior nação da América Latina e mais influente a nível mundial.

Lula estendeu um convite a Putin para participar numa cimeira de liderança do Grupo dos 20 no Brasil, em Novembro, apesar de o seu país ser membro do Tribunal Penal Internacional e ser obrigado a executar o mandado de prisão do tribunal para o líder russo. (Lula evitou perguntas em dezembro sobre se Putin seria preso se aparecesse, chamando isso de “decisão judicial”.)

A posição persistentemente neutra do Brasil em relação à guerra da Rússia na Ucrânia surgiu numa reunião na quarta-feira em Brasília, a capital do país, entre Lula e Blinken. Lula apelou à realização de conversações de paz, uma posição que a Ucrânia criticou, e disse que os Estados Unidos estão a alimentar a guerra com os seus envios de armas para Kiev. Blinken disse a Lula que os Estados Unidos não achavam que as condições fossem adequadas para a diplomacia agora.

Mais tarde naquele dia, Blinken desembarcou no Rio de Janeiro para uma reunião de ministros das Relações Exteriores do Grupo dos 20 e ouviu o principal diplomata do Brasil, Mauro Vieira, dizer: “O Brasil não aceita um mundo em que as diferenças sejam resolvidas pelo uso de forças militares. força.”

Sergey V. Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, esteve presente. Enquanto Blinken e um punhado de homólogos de nações aliadas denunciavam a guerra da Rússia, as outras autoridades seguiram o exemplo do ministro brasileiro ao expressar sentimentos neutros ou permaneceram em silêncio sobre o conflito.

No ano passado, Lavrov participou num evento semelhante na Índia, foi recebido por Lula na residência presidencial e visitou mais de uma dúzia de nações africanas, incluindo a África do Sul, o Sudão e o Quénia.

Ele esteve numa reunião em Nova Iorque no mês passado com António Guterres, o secretário-geral das Nações Unidas – que o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia anunciou num comunicado de imprensa que mostrava os dois homens apertando as mãos.

Nas Nações Unidas, as resoluções lideradas pelos EUA que condenam a guerra encontraram pouco apoio entre os países que não estão estreitamente alinhados com os Estados Unidos ou a Rússia, demonstrando a sua relutância em serem forçados a tomar partido no conflito.

“Estes países têm receio de serem vistos como peões num tabuleiro de xadrez da competição entre grandes potências”, disse Alina Polyakova, presidente do Centro de Análise de Política Europeia em Washington. “A última administração prejudicou muito a nossa relação com muitos destes países. Não temos sido vistos como um parceiro confiável.”

“A desinformação russa tem sido eficaz em muitos lugares”, acrescentou. “E em muitos destes países, a Rússia investiu durante décadas.”

Moscovo também tem trabalhado para evitar a culpa pelos preços mais elevados dos alimentos e da energia que se seguiram à sua invasão. Há algumas semanas, a Rússia entregou 34 mil toneladas de fertilizantes gratuitos à Nigéria, um dos vários carregamentos deste tipo que enviou para África.

Putin pode permitir-se tal generosidade, para não falar de uma guerra de desgaste no leste da Ucrânia, porque a Rússia substituiu clientes de energia perdidos na Europa, vendendo muito mais noutros continentes. A Agência Internacional de Energia informou no mês passado que a Rússia exportou 7,8 milhões de barris de petróleo por dia em Dezembro, o valor mais elevado em nove meses – e apenas ligeiramente abaixo dos níveis anteriores à guerra.

Ao mesmo tempo, as suas receitas de exportação de petróleo foram de 14,4 mil milhões de dólares nesse mês, o valor mais baixo num semestre. A agência disse que os esforços ocidentais para impor um limite de preço ao petróleo russo parecem ter afetado as receitas globais, tal como a diminuição do preço de mercado global do petróleo bruto.

A posição da Rússia beneficia do apoio do presidente Biden à guerra de Israel em Gaza, dizem os analistas. Muitos líderes vêem hipocrisia nas condenações americanas aos ataques russos em áreas civis e infra-estruturas na Ucrânia, indiferentes ao argumento de que Israel trabalha para evitar baixas civis enquanto a Rússia tem deliberadamente como alvo inocentes.

Além disso, a Rússia conseguiu formar laços mais estreitos com os seus parceiros próximos, o que Polyakova chama de “nova aliança autoritária”. Esses países – China, Coreia do Norte e Irão – prestaram ajuda a Moscovo sob diversas formas. A Coreia do Norte está a enviar mísseis balísticos para uso na Ucrânia, o Irão continua a enviar drones e a China, embora se abstenha de exportar armas para a Rússia, está a permitir que equipamento que civis e militares podem usar chegue às mãos de Moscovo.

A China manteve o comércio com a Rússia e está a preencher lacunas deixadas pelas empresas ocidentais, garantindo o fornecimento de tudo, desde bens domésticos a serviços financeiros.

Quanto às sanções destinadas a limitar o acesso da Rússia à alta tecnologia, especialmente ao equipamento que poderia ser utilizado para armas modernas, Putin encontrou soluções alternativas. Países vizinhos como a Arménia e a Turquia, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte, não aderiram ao regime de sanções dos EUA, e as empresas privadas importam microchips e outros itens para reexportar para a Rússia.

As sanções ocidentais e os boicotes empresariais afectaram certamente a vida quotidiana na Rússia, embora em muitos casos através de inconvenientes como a perda do Apple Pay e do Instagram – não o suficiente para fomentar a agitação popular ou mudar o comportamento de Putin.

“Aqui e agora, as sanções decepcionaram”, disse Edward Fishman, um ex-funcionário do Departamento de Estado no governo Obama que supervisionou as sanções à Rússia depois que Putin anexou a Crimeia em 2014.

Com o tempo, disse Fishman, as sanções ocidentais terão um impacto ainda maior. Apesar das lacunas e do comércio no mercado negro, a Rússia terá dificuldades em adquirir componentes críticos de alta tecnologia. E os acordos rompidos com empresas energéticas ocidentais privarão a Rússia do investimento de que necessita para manter uma produção eficiente de petróleo e gás.

Mas ele disse que Putin preparou o seu país para um ataque violento de sanções e que apresentou opções suficientes para manter a sua máquina de guerra e a sua influência no cenário mundial.

“Infelizmente, a Rússia construiu agora uma espécie de cadeia de abastecimento alternativa”, disse Fishman.

Ele acrescentou que Biden poderia tomar medidas ainda mais ousadas para reprimir as exportações de energia e as importações de tecnologia russas. Mas isso significaria atritos com nações que se tornaram grandes compradores de petróleo russo, como a Índia, que poderiam reduzir as suas importações apenas sob a ameaça de sanções ou outras medidas punitivas que poderiam arriscar uma crise diplomática.

Da mesma forma, muitas empresas que obtêm grandes lucros servindo como intermediários para produtos tecnológicos proibidos estão na Turquia e nos Emirados Árabes Unidos, dois parceiros que Biden preferiria não confrontar.

Talvez o mais assustador seja o facto de que a redução das exportações de petróleo russo poderá provavelmente fazer subir os preços globais do petróleo – más notícias para os Estados Unidos e para um presidente que enfrenta eleitores neste Outono.

“Acho que há muito nervosismo em fazer qualquer coisa que possa abalar os mercados globais de petróleo”, disse Fishman, “especialmente em ano eleitoral”.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *