Tue. May 28th, 2024

O presidente Biden ameaçou na quinta-feira condicionar o apoio futuro a Israel à forma como este aborda as suas preocupações sobre as vítimas civis e a crise humanitária em Gaza, tentando pela primeira vez aproveitar a ajuda americana para influenciar a condução da guerra contra o Hamas.

Durante uma conversa evidentemente tensa de 30 minutos com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, Biden foi mais longe do que nunca ao pressionar por mudanças na operação militar que inflamou muitos americanos e outras pessoas ao redor do mundo. Mas a Casa Branca não chegou a dizer directamente que o presidente suspenderia o fornecimento de armas ou imporia condições para a sua utilização, como os seus colegas democratas o instaram a fazer.

“O presidente Biden enfatizou que os ataques aos trabalhadores humanitários e a situação humanitária geral são inaceitáveis”, afirmou a Casa Branca num comunicado. “Ele deixou clara a necessidade de Israel anunciar e implementar uma série de medidas específicas, concretas e mensuráveis ​​para lidar com os danos civis, o sofrimento humanitário e a segurança dos trabalhadores humanitários. Ele deixou claro que a política dos EUA em relação a Gaza será determinada pela nossa avaliação da acção imediata de Israel nestas medidas.”

A declaração foi a mais contundente emitida pela Casa Branca nos seis meses de guerra de Israel contra o Hamas, sublinhando a crescente frustração do presidente com Netanyahu, que desafiou a pressão americana para fazer mais para reduzir o sofrimento dos civis em Gaza. Biden, que expressou veementemente apoio ao direito de Israel de responder ao ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, atacou o assassinato desta semana de sete trabalhadores humanitários pelas forças militares israelenses.

Um grupo inspecionando os danos após um ataque aéreo em Rafah, cidade no sul de Gaza, na quinta-feira.Crédito…Fátima Shbair/Associated Press

John F. Kirby, porta-voz da Casa Branca, disse que o presidente quer ver “medidas concretas e tangíveis” para reduzir a violência contra civis e aumentar o acesso à ajuda humanitária a Gaza. Ele disse que a Casa Branca espera que Israel faça anúncios de mudanças específicas dentro de horas ou dias.

Mas Kirby não delineou métricas específicas para julgar a resposta de Israel ou o que Biden faria se não estivesse satisfeito. “O que queremos ver são algumas mudanças reais do lado israelense e, você sabe, se não vemos mudanças do lado deles, terá que haver mudanças do nosso lado”, disse ele.

O presidente resiste há muito tempo a restringir o fluxo de armas para Israel para influenciar a condução da guerra, com assessores argumentando que muitas das munições enviadas são mísseis de defesa aérea. Mas mesmo alguns dos aliados democratas mais próximos de Biden têm cada vez mais chegado à conclusão de que Washington deveria exercer mais controlo sobre o armamento, incluindo o senador Chris Coons, um colega democrata de Delaware e confidente do presidente.

“Acho que chegamos nesse ponto”, disse Coons à CNN na manhã de quinta-feira, acrescentando que se Netanyahu ordenasse que os militares israelenses entrassem em força na cidade de Rafah, no sul de Gaza, e “lançassem bombas de mil libras e enviar um batalhão para ir atrás do Hamas e não fazer nenhuma provisão para civis ou para ajuda humanitária, que eu votaria para condicionar a ajuda a Israel.”

Netanyahu não divulgou imediatamente uma descrição da ligação, mas em outros comentários na quinta-feira pareceu inflexível. Numa reunião em Jerusalém com legisladores republicanos visitantes, organizada pelo Comité Americano de Assuntos Públicos de Israel, conhecido como AIPAC, o primeiro-ministro resistiu fortemente à insistência de Biden numa solução de dois Estados para o conflito palestiniano.

“Há um movimento contrário, uma tentativa de forçar, de empurrar goela abaixo, um Estado palestino, que será outro refúgio de terror, outro terreno de lançamento para uma tentativa, como foi o Estado do Hamas em Gaza”, disse Netanyahu. “Isso é contestado esmagadoramente pelos israelenses.”

Numa declaração em vídeo separada, ele se concentrou na ameaça que vê do Irã. “Durante anos o Irão tem agido contra nós, tanto directamente como através dos seus representantes, e portanto Israel está a agir contra o Irão e os seus representantes, tanto em operações defensivas como ofensivas”, disse ele, referindo-se a um ataque aéreo israelita que matou sete oficiais militares iranianos. na Síria esta semana.

“Saberemos como nos defender”, acrescentou, “e operaremos de acordo com o simples princípio segundo o qual aqueles que nos atacam ou planeiam atacar-nos – nós os atacaremos”.

A Casa Branca disse que Biden apoiou Israel contra o Irã durante sua ligação de quinta-feira com Netanyahu, à qual se juntaram o vice-presidente Kamala Harris, o secretário de Estado Antony J. Blinken e Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional.

“Os dois líderes também discutiram ameaças públicas iranianas contra Israel e o povo israelense”, disse o comunicado da Casa Branca. “O presidente Biden deixou claro que os Estados Unidos apoiam fortemente Israel face a essas ameaças.”

A ameaça do presidente de condicionar o apoio americano à conduta israelita foi alvo de pressão crescente do seu próprio partido. Alguns membros da antiga equipe do ex-presidente Barack Obama tornaram-se mais francos ao castigar Biden por não fazer mais para conter Netanyahu, que atende pelo apelido de Bibi, e as Forças de Defesa de Israel, ou IDF, dizendo que a indignação expressa pelo presidente foi sem sentido de outra forma.

Inspecionando na terça-feira um dos veículos usados ​​pelos trabalhadores da Cozinha Central Mundial destruídos em ataques das forças israelenses. Crédito…Mohammed Saber/EPA, via Shutterstock

“O governo dos EUA ainda fornece bombas e munições de 2 mil libras para apoiar a política de Israel”, disse Ben Rhodes, ex-assessor adjunto de segurança nacional de Obama. escreveu nas redes sociais. “Até que haja consequências substantivas, esta indignação não faz nada. Bibi obviamente não se importa com o que os EUA dizem, o que importa é o que os EUA fazem.”

Jon Favreau, ex-redator-chefe de discursos de Obama, zombou ainda mais de Biden. “O presidente não recebe crédito por estar ‘furioso em particular’ quando ainda se recusa a usar influência para impedir as FDI de matar e deixar pessoas inocentes de fome”, ele escreveu. “Essas histórias apenas o fazem parecer fraco.”

O assassinato dos trabalhadores da Cozinha Central Mundial inflamou as tensões entre Washington e Jerusalém, numa altura em que Biden se queixou de que Israel não fez o suficiente para conter a matança de civis ou facilitar o fornecimento de ajuda humanitária a Gaza. Biden se autodenominou “indignado e com o coração partido” com o incidente e fez questão de ligar para José Andrés, o famoso chef que fundou a World Central Kitchen, para expressar suas condolências.

Vídeo

transcrição

transcrição

Por Dentro do Trabalho da Cozinha Central Mundial em Gaza

A World Central Kitchen suspendeu seus esforços de socorro em Gaza depois que sete trabalhadores humanitários foram mortos em ataques aéreos israelenses na segunda-feira. Os vídeos revelam os desafios da distribuição de alimentos num território sitiado.

Zomi Frankcom e Damian Soból chegaram a Gaza com a missão de alimentar os palestinianos, documentando os seus esforços em vídeos nas redes sociais como estes. Depois, no dia 1 de Abril, foram mortos por ataques aéreos israelitas, juntamente com outros cinco colegas, paralisando o trabalho da Cozinha Central Mundial em Gaza. Os vídeos da instituição de caridade oferecem uma rara visão dos desafios da distribuição de alimentos em Gaza, um território à beira da fome que está isolado do mundo exterior. O chef famoso José Andrés fundou o World Central Kitchen em 2010 em resposta ao terremoto no Haiti. A organização leva refeições para áreas afetadas por desastres naturais ou conflitos, incluindo comunidades deslocadas dentro de Israel após os ataques de 7 de outubro. Desde Outubro, o grupo disse ter entregue mais de 43 milhões de refeições aos palestinianos através de cozinhas comunitárias, comboios de camiões e lançamentos aéreos. Em meados de Março, foram os primeiros a entregar ajuda por mar, num navio que transportava quase 200 toneladas de alimentos provenientes de Chipre. Os militares israelitas divulgaram imagens da coordenação por trás desse esforço, que levou alimentos ao norte de Gaza, onde a ONU afirma que as pessoas enfrentam níveis catastróficos de fome. “Tenho muita esperança de que possamos trazer milhões e milhões de refeições diariamente. Podemos falhar, mas o maior fracasso será não tentar.” Uma segunda entrega marítima chegou poucas horas antes do ataque. Numa declaração em vídeo, os militares israelitas consideraram o ataque um erro grave. Desde 7 de outubro, quase 200 trabalhadores humanitários foram mortos em Gaza, segundo a ONU. E, por enquanto, a Cozinha Central Mundial suspendeu as suas operações lá.

Carregando o player de vídeo
A World Central Kitchen suspendeu seus esforços de socorro em Gaza depois que sete trabalhadores humanitários foram mortos em ataques aéreos israelenses na segunda-feira. Os vídeos revelam os desafios da distribuição de alimentos num território sitiado.

Os sete foram mortos por três ataques sucessivos contra três carros que trafegavam por uma estrada em Gaza. As autoridades israelitas consideraram o episódio um erro trágico baseado numa identificação errada dos veículos, mas não explicaram mais explicitamente como aconteceu. Os carros estavam marcados com os logotipos da World Central Kitchen, embora o ataque tenha ocorrido à noite. Andrés disse que sua organização manteve contato com autoridades israelenses sobre planos de viagem.

Na manhã de quinta-feira, os israelenses ainda não haviam comunicado aos Estados Unidos quaisquer conclusões iniciais de sua prometida investigação sobre o ataque, de acordo com um alto funcionário do governo Biden que falou sob condição de anonimato para detalhar as conversas internas.

Alguns defensores palestinianos reagiram com irritação à expressão de indignação de Biden pelas mortes dos trabalhadores humanitários porque, na sua opinião, ele não respondeu com indignação suficiente pelo assassinato de mais de 30.000 pessoas que viviam em Gaza, a maioria delas civis.

O presidente está evidentemente sob pressão até mesmo por parte da sua própria família. Biden disse aos líderes da comunidade muçulmana na Casa Branca na noite de terça-feira que a primeira-dama, Jill Biden, havia intervindo, dizendo-lhe: “Pare com isso, pare agora, Joe”.

Katie Rogers relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *