Tue. May 21st, 2024

O Presidente Biden e o ex-Presidente Trump estão em mundos separados na política climática. Mas será que os eleitores sabem disso?

As pesquisas mostram que a maioria dos americanos não sabe que Biden sancionou a maior lei climática da história dos EUA. E muitos poderão não se lembrar que Trump retirou os EUA do Acordo de Paris, o tratado climático mais importante do mundo, e reverteu mais de uma centena de políticas para proteger o ambiente.

As consequências das eleições de Novembro serão importantes: o serviço de notícias Carbon Brief estimou que uma vitória de Trump poderia resultar em mais de 4 mil milhões de toneladas de emissões adicionais nos EUA até 2030.

Esta noite, Biden terá a oportunidade de destacar esses contrastes quando se dirigir ao Congresso no discurso anual sobre o Estado da União. Pedi uma prévia à minha colega Lisa Friedman, que cobre política e política climática.

Manuela: O que dirá o discurso sobre as políticas climáticas de Biden?

Lisa: A economia vai bem, mas os eleitores não parecem dar crédito ao presidente por isso. O afluxo de migrantes através da fronteira sul dos Estados Unidos é uma grande dor de cabeça política e os democratas de esquerda estão furiosos com a forma como Biden lidou com a guerra de Israel em Gaza. Mas, quando se trata de clima, os responsáveis ​​da administração acreditam que ele teve um primeiro mandato histórico e estão ansiosos para que o presidente conte essa história.

Não está claro quanto as mudanças climáticas no setor imobiliário afetarão no discurso de Biden. Normalmente, as suas mensagens climáticas estão incorporadas na sua visão económica. No ano passado, por exemplo, a primeira menção do presidente à expressão “alterações climáticas” esteve associada à promessa de reduzir os custos de energia para as famílias, concedendo créditos fiscais para proteger as casas contra as intempéries e impulsionar o desenvolvimento eólico e solar.

É justo esperar mais do mesmo este ano. Biden mostrou-se mais confortável ao enquadrar as alterações climáticas como uma promessa de “empregos, empregos empregos”do que como uma crise planetária que precisa ser resolvida. Também se enquadra nas esperanças dos Democratas de que Biden destaque o progresso económico que fez e promova a sua visão para um segundo mandato.

Os democratas querem que Biden lembre aos americanos que a Lei de Redução da Inflação, a lei climática assinada pelo presidente, criou mais de 170.000 novos empregos até agora, e que fale sobre como a produção de energia eólica, solar e outras energias limpas está criando um boom industrial em lugares como o Sudeste americano. A Casa Branca está convidando alguns convidados especiais para o discurso, incluindo um encanador e um líder sindical, para ajudar a defender esse ponto.

Manuela: Há partes da agenda climática sobre as quais ele é menos propenso a falar, temendo a reação dos eleitores indecisos?

Lisa: Sim, as políticas mais divisivas, como os regulamentos sobre as emissões dos automóveis e das centrais eléctricas, que a Agência de Protecção Ambiental deverá finalizar ainda esta Primavera.

Será interessante ver se Biden dará uma dica sobre o que um segundo mandato pode trazer para o clima. Tal como relatou a nossa colega Coral Davenport, é provável que uma segunda administração Biden tente reduzir os gases com efeito de estufa provenientes do aço, do cimento e de outras indústrias difíceis de limpar. Mas, como ela escreveu, “falar sobre mais regulamentações no início do que promete ser um ciclo eleitoral contundente é perigoso”, por isso é provável que também não ouviremos muito sobre esse assunto.

Manuela: Os jovens foram uma força poderosa para Biden em 2020. Mas há alguns meses escreveu que eles estavam zangados com o seu apoio a grandes projectos de petróleo e gás como Willow, no Alasca. O que Biden pode fazer nesse sentido?

Lisa: Os analistas disseram-me que Biden ainda precisa de reforçar o seu apoio junto destes jovens eleitores. No início deste mês, quatro proeminentes grupos de jovens activistas apelaram a Biden para “terminar o trabalho” numa série de questões, incluindo o clima, e exigiram que ele rejeitasse quaisquer novos projectos de petróleo e gás, garantindo ao mesmo tempo que os Estados Unidos alcançassem 100 por cento de energia limpa até 2035.

Outra coisa que iria agitar este grupo é se Biden indicar a vontade de declarar as alterações climáticas uma emergência de segurança nacional se ganhar um segundo mandato.

Essa declaração formal desbloquearia certos poderes temporários para reforçar as energias renováveis ​​e reduzir os investimentos em combustíveis fósseis, e é algo que os jovens activistas consideraram uma grande prioridade.


Calliope, Soleil e Piccolina, três fêmeas órfãs, chegaram uma após a outra ao hospital de peixes-boi de ZooTampa.

Uma foi encontrada nadando sozinha em águas rasas, com o cordão umbilical ainda preso. Dois meses depois, outro foi resgatado de um canal. Depois veio o menor que já haviam conseguido: os peixes-boi normalmente deveriam pesar cerca de 30 quilos ao nascer, mas este pesava apenas 20 quilos.

Era 2021, um ano ruim para os peixes-boi da Flórida. Décadas de poluição por esgotos e fertilizantes levaram a uma extinção em massa de ervas marinhas, das quais os animais dependem para se alimentar. Autoridades da vida selvagem registraram centenas de cadáveres emaciados. Outras ameaças continuaram, como colisões com barcos e envenenamento pela maré vermelha, uma alga tóxica.

Calliope, Soleil e Piccolina juntaram-se ao grande número de peixes-boi que todos os anos recebem intervenções personalizadas, semelhantes a passeios de ambulância, unidades de cuidados intensivos e reabilitação a longo prazo. Alguns até voam em aviões antes de serem soltos na natureza.

Para os três peixes-boi, isso significava um voo de ida e volta para Ohio.

Leia mais aqui sobre sua jornada. – Catrin Einhorn

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *