Sun. May 26th, 2024

O presidente Biden está considerando uma ação executiva que poderia impedir que pessoas que cruzam ilegalmente para os Estados Unidos solicitem asilo, disseram várias pessoas com conhecimento da proposta na quarta-feira. A medida suspenderia garantias de longa data que dão a qualquer pessoa que pise em solo americano o direito de pedir refúgio seguro.

A ordem colocaria em prática uma política fundamental num projeto de lei bipartidário que os republicanos da Câmara frustraram no início deste mês, apesar de ter algumas das restrições de segurança fronteiriças mais significativas que o Congresso contemplou em anos.

O projecto de lei teria essencialmente fechado a fronteira a novos entrantes se mais de uma média de 5.000 migrantes por dia tentassem atravessar ilegalmente no decurso de uma semana, ou mais de 8.500 tentassem atravessar num determinado dia.

A acção em consideração pela Casa Branca teria um gatilho semelhante para bloquear o asilo a novos entrantes, dizem as pessoas com conhecimento da proposta. Eles falaram sob condição de anonimato para discutir deliberações internas.

A medida, se aprovada, ecoaria um esforço de 2018 do presidente Donald J. Trump para bloquear a migração, que foi atacada pelos democratas e bloqueada pelos tribunais federais.

Embora tal acção enfrentasse, sem dúvida, desafios legais, o facto de Biden estar a considerá-la mostra até que ponto mudou em matéria de imigração desde que assumiu o cargo, prometendo um sistema mais humano após os anos Trump.

Biden adotou uma linha muito mais dura, à medida que o número de pessoas que atravessam a fronteira entre os EUA e o México atingiu níveis recordes e o sistema de asilo cronicamente subfinanciado e com falta de pessoal atingiu um ponto de ruptura.

Ainda assim, mesmo que Biden tentasse tomar medidas unilaterais para reduzir o número de pessoas que pedem asilo, a falta de recursos continuaria a ser um enorme obstáculo a quaisquer mudanças importantes na fronteira. Autoridades dos EUA disseram que precisavam de uma infusão maciça de dinheiro para contratar agentes da Patrulha de Fronteira e agentes de asilo e para expandir as instalações de detenção.

Um funcionário da Casa Branca, que falou sob condição de anonimato para falar sobre os planos em discussão, disse que nenhuma decisão foi tomada.

Mas as pessoas com conhecimento da proposta disseram que Biden poderia citar sua autoridade para agir de acordo com a Seção 212 (f) da Lei de Imigração e Nacionalidade de 1952, que permite ao presidente suspender a imigração para qualquer pessoa considerada “prejudicial aos interesses de os Estados Unidos.” Trump usou a mesma autoridade para impor uma proibição a pessoas de vários países predominantemente muçulmanos durante a sua presidência.

Lee Gelernt, advogado da União Americana pelas Liberdades Civis que ajudou a argumentar contra o esforço de Trump, disse que o seu grupo desafiaria tal política.

“Os tribunais foram enfáticos ao afirmar que a administração Trump não poderia negar asilo com base simplesmente na forma como alguém entrou no país”, disse Gelernt. “Espero que a administração Biden não esteja considerando reciclar esta política manifestamente ilegal e impraticável.”

Mas uma luta legal, independentemente do resultado, poderia permitir a Biden tentar neutralizar uma das suas maiores vulnerabilidades políticas – o caos na fronteira sul. Os republicanos usaram repetidamente a crise fronteiriça para retratar Biden como fraco na fiscalização. Uma batalha legal permitir-lhe-ia destacar a recusa dos republicanos em fornecer-lhe o poder de reprimir a fronteira através de legislação.

A administração Biden passou vários anos a tentar conter a migração, em parte limitando o asilo para aqueles que atravessavam o México a caminho dos Estados Unidos. Essa política tornou mais difícil para os migrantes obterem asilo caso atravessassem um país terceiro a caminho dos Estados Unidos e não solicitassem protecção nesse país.

Mas embora a restrição política tenha elevado a fasquia para os migrantes obterem asilo, as autoridades norte-americanas não podem realizá-la adequadamente sem o tipo de recursos que Biden esperava que o Congresso aprovasse. A lei fracassada teria fornecido milhares de milhões em financiamento, incluindo a contratação de milhares de agentes de asilo para processar pedidos.

Algumas das circunstâncias na fronteira sul estão muito fora do controlo do presidente, incluindo a migração histórica em todo o hemisfério proveniente da Venezuela, Haiti, Honduras e outros países que enfrentam instabilidade, violência e catástrofes naturais.

Mas Biden está sob pressão de ambos os partidos, e não apenas dos habituais críticos republicanos, para fazer alguma coisa. E a crise não pára na fronteira em si: o governador Greg Abbott, do Texas, enviou autocarros cheios de migrantes para cidades democratas no extremo norte, dizendo que queria “levar a fronteira ao presidente Biden”.

As cidades ficaram sobrecarregadas com a chegada dos migrantes – muitas vezes sem casacos ou sem familiares nos Estados Unidos. Os líderes do próprio partido do presidente começaram a gritar por ajuda.

Essa pressão agitou a política de imigração num ano eleitoral, dando a Biden muito mais espaço para apoiar medidas fronteiriças antes denunciadas pelos democratas e defendidas por Trump.

Biden culpou diretamente Trump por usar sua influência sobre o Partido Republicano para anular o mesmo acordo bipartidário de imigração que os republicanos vinham exigindo há anos.

“Todas as indicações são de que este projeto de lei nem mesmo avançará para o plenário do Senado”, disse Biden em um discurso no início deste mês. “Por que? Uma razão simples. Donald Trump. Porque Donald Trump acha que isso é ruim para ele politicamente.”

Jonathan Cisne contribuiu com reportagens de Washington.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *