Sat. Jun 15th, 2024

Na manhã de quarta-feira, um módulo lunar robótico lançado por uma empresa de Houston chegou mais perto de chegar à lua.

A empresa, Intuitive Machines, anunciou que sua espaçonave Odysseus acionou seu motor por seis minutos e 48 segundos, diminuindo a velocidade o suficiente para ser puxada pela gravidade da lua para uma órbita circular 57 milhas acima da superfície.

Na quinta-feira, está programado pousar na lua. Se tudo correr bem, ela se tornará a primeira espaçonave privada a fazer um pouso suave lá e a primeira missão americana a chegar lá desde a Apollo 17 em 1972.

Espera-se que Odysseus pouse na superfície lunar às 17h49, horário do leste, na quinta-feira. Embora seja uma missão privada, o principal cliente é a NASA, que pagou US$ 118 milhões pela entrega de seis instrumentos à Lua. A NASA TV transmitirá a cobertura do pouso a partir das 16h15 de quinta-feira.

Odysseus está buscando um local na região polar sul, uma planície fora da cratera Malapert A. (Malapert A é uma cratera satélite da maior cratera Malapert, que leva o nome de Charles Malapert, um astrônomo belga do século XVII.)

O local de pouso fica a cerca de 185 milhas do pólo sul da lua.

Algumas dessas crateras naquela região permanecem em sombra perpétua e são uma área particular de interesse porque nelas foi detectado gelo de água. Missões lunares americanas anteriores pousaram nas regiões equatoriais.

A espaçonave ligará seu motor para que a órbita circular mude para uma elíptica e cairá a cerca de seis milhas da superfície lunar. Deste ponto em diante na sequência de pouso, Odysseus operará completamente por conta própria. Depois de desacelerar por uma hora, o motor ligará novamente e a espaçonave iniciará sua descida motorizada. Terá que desacelerar de sua velocidade inicial de cerca de 4.000 milhas por hora.

O Odysseus rastreará sua posição por meio de câmeras, combinando os padrões das crateras com mapas armazenados e medindo sua altitude refletindo raios laser na superfície.

A cerca de 2 km do local de pouso, a espaçonave girará para uma orientação vertical, com sensores procurando um local seguro.

Durante os últimos 15 metros da descida, o Odysseus confiará apenas nas suas unidades de medição inercial, que funcionam como o ouvido interno da nave espacial, medindo as forças de aceleração. Ele deixará de usar a câmera e o laser de medição de altitude para evitar ser enganado pela poeira levantada pelo escapamento do motor.

Como os painéis solares fornecem a energia da nave espacial, a sua missão durará apenas cerca de sete dias até o sol se pôr no local de aterragem. É quando começa uma noite lunar gelada de duas semanas, e Odisseu não foi projetado para sobreviver a essas condições.

Os seis instrumentos da NASA levados à Lua por Odysseus e quais são suas tarefas:

  • Um conjunto retrorrefletor de laser que reflete os feixes de laser.

  • Um instrumento LIDAR que mede com precisão a altitude e a velocidade da espaçonave enquanto ela desce até a superfície lunar.

  • Uma câmera estéreo que irá capturar vídeo da nuvem de poeira produzida pelos motores do Odysseus durante o pouso.

  • Um receptor de rádio de baixa frequência que mede os efeitos de partículas carregadas em sinais de rádio próximos à superfície lunar, fornecendo informações que podem auxiliar no projeto de futuras observações de rádio na Lua.

  • Um farol, Lunar Node-1, que demonstrará um sistema de navegação autônomo.

  • Um instrumento no tanque de propulsor que utiliza ondas de rádio para medir os níveis de combustível.

O módulo de pouso também transporta outras cargas úteis, incluindo uma câmera construída por estudantes da Embry-Riddle Aeronautical University em Daytona Beach, Flórida; um instrumento precursor para um futuro telescópio lunar; e um projeto de arte de Jeff Koons.

Principalmente muito bem.

Em 14 de fevereiro, um foguete SpaceX Falcon 9 enviou Odysseus em uma trajetória em direção à lua. Depois que a espaçonave se separou, ela ligou-se com sucesso. A queima inicial do motor para testar o sistema de propulsão foi adiada porque o propelente de oxigênio líquido demorou mais para esfriar do que os testes em solo haviam previsto.

Os engenheiros ajustaram os procedimentos de ignição e a queima foi realizada com sucesso em 16 de fevereiro.

Ao longo do caminho, a espaçonave transmitiu fotografias tiradas da Terra e da Lua.

Os controladores de vôo ligaram o motor mais duas vezes, em 18 e 20 de fevereiro, para ajustar o caminho da espaçonave até a lua. O segundo esforço foi preciso o suficiente para que os controladores de voo decidissem pular uma terceira correção planejada.

O módulo de pouso Intuitive Machines é um cilindro hexagonal com seis pernas de pouso, medindo cerca de 4,2 metros de altura e um metro e meio de largura. Para os fãs de “Dr. Who”, o programa de televisão de ficção científica, o corpo do módulo de pouso é aproximadamente do tamanho da Tardis, a espaçonave que viaja no tempo que, por fora, parece uma antiga cabine telefônica da polícia britânica.

No lançamento, com carga total de propelente, o módulo de pouso pesava cerca de 4.200 libras.

Odysseus faz parte do programa Commercial Lunar Payload Services da NASA, que permite que empresas privadas enviem experimentos para a Lua e poupa a NASA de construir e operar seus próprios módulos lunares.

A agência espacial espera que esta abordagem seja muito mais barata, permitindo-lhe enviar mais missões com mais frequência enquanto se prepara para o regresso dos astronautas norte-americanos à Lua como parte do seu programa Artemis.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *