Sat. Jun 15th, 2024

Um ataque russo em grande escala com mísseis e drones danificou usinas de energia e causou apagões em mais de um milhão de ucranianos na manhã de sexta-feira, no que autoridades ucranianas disseram ter sido um dos maiores ataques à infraestrutura energética da guerra.

Pelo menos três pessoas morreram no ataque e outras 15 ficaram feridas, segundo o gabinete do procurador-geral da Ucrânia.

Os ataques ocorreram num momento em que o Kremlin intensificava a sua retórica sobre o conflito, dizendo que a Rússia estava “em estado de guerra” na Ucrânia – e indo além do eufemismo “operação militar especial” – devido ao forte envolvimento do Ocidente no lado ucraniano.

Em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, os semáforos não funcionavam e o abastecimento de água foi interrompido. Um incêndio atingiu a maior barragem hidrelétrica do país, na cidade de Zaporizhzhia, no sudeste. Algumas dezenas de quilómetros a sudoeste, uma linha de energia que abastecia uma central nuclear ocupada pela Rússia foi temporariamente desligada.

“O inimigo está agora a lançar o maior ataque ao sector energético ucraniano dos últimos tempos”, disse Herman Halushchenko, ministro da Energia da Ucrânia, no Facebook. “O objetivo não é apenas danificar, mas tentar novamente, como no ano passado, causar uma falha em grande escala no sistema energético do país.”

A Força Aérea Ucraniana disse que a Rússia lançou 63 drones de ataque “Shahed” de fabricação iraniana e 88 mísseis no ataque, incluindo armas hipersônicas que voam a várias vezes a velocidade do som. A Força Aérea disse ter abatido a maioria dos drones, mas menos da metade dos mísseis, uma taxa de interceptação baixa em comparação com ataques anteriores que pode refletir a diminuição dos estoques de defesa aérea da Ucrânia.

“Os mísseis russos não têm atrasos, ao contrário dos pacotes de ajuda para a Ucrânia”, presidente Volodymyr Zelensky disse nas redes sociaisuma aparente referência aos 60 mil milhões de dólares em assistência militar à Ucrânia que os republicanos no Congresso dos Estados Unidos têm retido durante meses.

“Os drones ‘Shahed’ não têm indecisão, ao contrário de alguns políticos”, acrescentou Zelensky.

Mesmo assim, a Rússia queixou-se na sexta-feira da assistência dos Estados Unidos à Ucrânia durante os dois anos de guerra.

Desde que a invasão em grande escala de Moscovo começou em 2022, o Kremlin insistiu que estava a conduzir uma “operação militar especial”. O órgão de vigilância das comunicações do país ordenou aos meios de comunicação russos que não descrevessem as hostilidades como uma “invasão” ou uma “declaração de guerra”.

Mas as autoridades russas, incluindo o Presidente Vladimir V. Putin, usaram ocasionalmente a palavra guerra em referência ao conflito, principalmente para insistir que a Rússia tem lutado contra uma coligação ocidental. E numa entrevista publicada na sexta-feira num tablóide pró-Kremlin, o porta-voz do Kremlin, Dmitri S. Peskov, tentou explicar a mudança.

“Sim, começou como uma operação militar especial, mas assim que este agrupamento foi formado, quando o Ocidente coletivo se tornou participante desta ao lado da Ucrânia, tornou-se uma guerra para nós”, disse ele. “Estou convencido disso”, acrescentou. “E todos deveriam entender isso para sua mobilização interna.”

O ataque de sexta-feira lembrou a campanha aérea da Rússia contra a rede energética ucraniana durante o primeiro inverno da guerra, que mergulhou Kiev no frio e na escuridão. As autoridades ucranianas alertaram que a Rússia provavelmente repetiria essa campanha neste Inverno, mas em vez disso, os ataques aéreos de Moscovo tinham, até agora, visado principalmente instalações industriais e militares.

O ataque de sexta-feira foi o segundo ataque aéreo em grande escala da Rússia em dois dias. Um ataque com mísseis em Kiev na quinta-feira feriu pelo menos 13 pessoas e danificou vários edifícios.

O último ataque começou pouco depois da meia-noite, quando as forças russas lançaram dezenas de drones de ataque contra várias regiões ucranianas, segundo a Força Aérea da Ucrânia. Então, por volta das 3 da manhã, caças russos dispararam mísseis de cruzeiro, seguidos por mísseis balísticos e depois mísseis hipersônicos Kinzhal, uma das armas mais sofisticadas do arsenal russo.

A complexa barragem parecia projetada para subjugar as defesas aéreas ucranianas, seguindo uma estratégia usada em ataques aéreos russos anteriores. A Força Aérea da Ucrânia disse que não conseguiu abater nenhum dos mísseis Kinzhal.

Os ataques com mísseis contra instalações eléctricas causaram interrupções em sete regiões ucranianas, de acordo com a Ukrenergo, a empresa nacional de electricidade, levando o país a receber assistência energética urgente da Polónia, Roménia e Eslováquia.

Volodymyr Kudrytskyi, chefe do Ukrenergo, disse que o ataque foi maior do que aqueles que visaram a infra-estrutura energética durante o primeiro inverno da guerra. Oleksiy Kuleba, vice-chefe do gabinete presidencial da Ucrânia, disse que centenas de milhares de casas ficaram temporariamente sem energia, afetando cerca de 1,2 milhão de residentes.

Kuleba disse que “programas de blackout” foram introduzidos em diversas regiões para “preservar o sistema de energia” durante os reparos.

Particularmente afetada foi a cidade de Kharkiv, no leste, onde foram ouvidas cerca de 15 explosões, segundo o prefeito Ihor Terekhov. Uma estação de bombeamento foi atingida, prejudicando o abastecimento de água da cidade, e os bondes e ônibus elétricos não funcionavam.

“A cidade está quase completamente sem eletricidade”, disse Oleh Syniehubov, chefe da administração militar regional, no início da manhã. Ele disse que 700 mil moradores da região não tinham luz elétrica até as 9h.

Na cidade de Zaporizhia, no sul, a central hidroeléctrica do Dnipro sofreu danos na sua estrutura, incluindo uma grande barragem. Fotos e vídeos postados online mostraram fogo e fumaça saindo da usina, e as autoridades locais disseram que a estrada que atravessa a barragem estava fechada. Ihor Syrota, chefe da Ukridronenergo, a empresa estatal proprietária das centrais hidroeléctricas da Ucrânia, disse que não havia risco de violação, mas que uma unidade geradora de electricidade estava em estado crítico.

Foram também relatados ataques a instalações eléctricas nas regiões ocidentais de Vinnytsia, Lviv e Ivano-Frankivsk. Os ataques aéreos nessas áreas foram raros durante a guerra.

A Ucrânia investiu na proteção da sua infraestrutura energética após o primeiro inverno da guerra, construindo fortificações de múltiplas camadas que incluíam sacos de areia, paredes de betão e gaiolas cheias de pedras. Mas o sistema energético do país continua prejudicado.

Oleksandra Mykolyshyn contribuiu com reportagens de Kyiv.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *