Mon. Jul 22nd, 2024

O primeiro-ministro do Haiti, que está sob crescente pressão para renunciar à medida que as gangues tomam conta do país, disse na segunda-feira que renunciaria assim que um conselho de transição fosse estabelecido, para preparar o caminho para a eleição de um novo presidente e ajudar a restaurar a estabilidade. .

“O governo que lidero retirar-se-á imediatamente após a instalação deste conselho”, disse o primeiro-ministro Ariel Henry num discurso publicado nas redes sociais. Referindo-se ao caos no Haiti, ele disse: “Dói-nos e revolta-nos ver todas estas pessoas morrendo. O governo que lidero não pode permanecer insensível a esta situação.”

Mas não estava claro quando Henry, que estava sob crescente pressão para renunciar tanto no Haiti como no estrangeiro, o faria realmente.

Os líderes dos países caribenhos, que lideraram o esforço para criar um conselho de transição, reuniram-se para discussões na Jamaica na segunda-feira, mas disseram que nenhum plano foi finalizado. O presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, que lidera a Caricom, uma união de 15 países caribenhos, disse que “ainda temos um longo caminho a percorrer”.

O Secretário de Estado Antony J. Blinken, que participou da reunião em Kingston, capital da Jamaica, anunciou que os Estados Unidos forneceriam 100 milhões de dólares adicionais em ajuda para uma missão de segurança multinacional apoiada pelas Nações Unidas, planeada para ser enviada ao Haiti. Ele também prometeu 33 milhões de dólares adicionais em ajuda humanitária, elevando os compromissos dos EUA para 333 milhões de dólares.

“Nós podemos ajudar. Podemos ajudar a restaurar uma base de segurança”, disse Blinken. “Só o povo haitiano pode, e só o povo haitiano deve determinar o seu próprio futuro, e mais ninguém.”

Henry deixou o Haiti e foi para o Quénia no início de Março para finalizar um acordo para que a força multinacional, liderada pela nação da África Oriental, se deslocasse e enfrentasse os gangues. Desde então, ele ficou preso fora de seu país enquanto membros de gangues causavam estragos e exigiam sua renúncia.

Henry, que está em Porto Rico, não compareceu à reunião de segunda-feira e não ficou claro se ele participou remotamente da discussão.

Após meses de atrasos, o Haiti e o Quénia assinaram este mês um acordo para avançar com o envio de 1.000 agentes policiais quenianos para o país caribenho. O Presidente William Ruto, do Quénia, disse que o seu país tinha o “dever histórico” de avançar porque “a paz no Haiti é boa para o mundo como um todo”.

O ministro do Interior do Quénia, Kithure Kindiki, anunciou na segunda-feira que a missão estava na “fase de pré-desdobramento” e que todos os outros programas e medidas de execução relacionados com o destacamento já estavam em vigor.

Até agora, porém, não existe um cronograma claro para quando a força multinacional será destacada.

“Estamos profundamente angustiados porque já é tarde demais para muitos que perderam demasiado nas mãos de gangues criminosas”, disse Andrew Holness, primeiro-ministro da Jamaica. “O medo de que a situação no Haiti piore e se transforme numa guerra civil é agora real. Todos concordamos que isso não pode acontecer, não em nosso hemisfério.”

O Haiti mergulhou num estado de extrema agitação desde que o assassinato do Presidente Jovenel Moïse em 2021 levou à violência generalizada de gangues. Até à data, o país não tem presidente nem quaisquer outras autoridades nacionais eleitas.

Henry foi empossado como primeiro-ministro apenas duas semanas após o assassinato de Moïse. Mas os haitianos ainda não conseguiram escolher um sucessor eleito democraticamente.

A agitação actual atinge uma escala nunca vista há décadas. A recente escalada de violência, os ataques de gangues às esquadras da polícia e até os ataques coordenados a duas prisões deixaram os haitianos confrontados com uma catástrofe humanitária, uma vez que o acesso a alimentos, água e cuidados de saúde foi severamente restringido.

No fim de semana, as forças dos EUA evacuaram trabalhadores cidadãos americanos não essenciais da Embaixada dos EUA em Porto Príncipe e acrescentaram mais pessoal de segurança, de acordo com um comunicado do Comando Sul do Departamento de Defesa. Ele disse que nenhum haitiano foi incluído no transporte aéreo.

Segunda árvore de Paulo contribuiu com reportagens de Porto Príncipe, Haiti.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *