Sun. Apr 14th, 2024

Primeiro foi o presidente da França, Emmanuel Macron, que irritou os seus aliados da NATO ao sugerir que em breve o Ocidente poderia ser forçado a enviar tropas para a Ucrânia, prenunciando um confronto directo com as forças russas que o resto da aliança há muito rejeita.

Então o Chanceler Olaf Scholz da Alemanha teve a sua vez de expor novas divisões. Tentando justificar porque é que a Alemanha estava a reter o seu míssil mais poderoso, o Taurus, das mãos ucranianas, ele insinuou que a Grã-Bretanha, a França e os Estados Unidos podem estar secretamente a ajudar a Ucrânia a atingir armas semelhantes, um passo que ele disse que a Alemanha simplesmente não poderia tomar. Embora nem a Grã-Bretanha nem a França tenham feito comentários oficiais – quase nunca discutem a forma como as suas armas são utilizadas – Scholz foi imediatamente acusado por antigos funcionários de revelar segredos de guerra.

“O comportamento de Scholz mostrou que, no que diz respeito à segurança da Europa, ele é o homem errado, no emprego errado, na hora errada”, disse Ben Wallace, antigo ministro da Defesa britânico, ao jornal londrino The Evening Standard. Tobias Ellwood, um conservador que já presidiu um importante comité de defesa na Câmara dos Comuns, foi amplamente citado na imprensa britânica, qualificando a declaração de “um flagrante abuso de inteligência”.

Ocorridas numa semana em que o Presidente Vladimir V. Putin ameaçou uma escalada nuclear se as tropas da NATO entrassem no conflito, as tensões entre os aliados ocidentais sublinharam a forma como estão a lutar para manter a unidade num momento de aparente impasse na guerra e de enfraquecimento do apoio, particularmente em Washington.

Para a NATO, o desafio agora é encontrar alguma combinação de novas armas e apoio financeiro sem provocar um confronto directo com o Sr. Putin, sem nunca sabermos exactamente onde está essa linha. É uma dança particularmente difícil para o Sr. Scholz.

A Alemanha forneceu mais armas e prometeu mais ajuda à Ucrânia do que qualquer nação, excepto os Estados Unidos – mas Scholz traçou o limite no Taurus, cujos poderes, teme ele, poderiam provocar particularmente Putin.

A Ucrânia tem pressionado a Alemanha a fornecer-lhe mísseis de cruzeiro de longo alcance Taurus.Crédito…Ministério da Defesa Nacional da Coreia do Sul, via Associated Press

Os problemas de Scholz se aprofundaram no fim de semana, quando uma conversa telefônica interceptada de 38 minutos entre o chefe da Força Aérea alemã e outros oficiais foi publicada pela mídia estatal russa, deixando claro que havia planos de contingência caso Scholz mudasse de ideia e decidisse enviar o Afinal, sistema de Touro. O vazamento foi amplamente interpretado em Berlim como uma operação russa destinada a atiçar a oposição a dar mais ajuda à Ucrânia.

Desencadeou investigações em Berlim, porque os oficiais superiores falavam numa linha aberta, dando aos russos uma forma fácil de envergonhar o líder alemão diante dos aliados da NATO e perante o seu próprio público, num momento em que os alemães continuam hesitantes em se envolverem mais profundamente. na guerra.

Os militares alemães confirmaram que o áudio era autêntico, mas não comentaram o seu conteúdo, incluindo uma discussão sobre a necessidade do envolvimento alemão na gestão do sistema caso este fosse entregue à Ucrânia.

No máximo, a Alemanha parece ter disponíveis cerca de 100 mísseis Taurus, que têm um alcance maior do que o Sistema de Mísseis Táticos do Exército que os Estados Unidos forneceram, os mísseis britânicos Storm Shadow ou os mísseis franceses SCALP.

O Parlamento Europeu nomeou o sistema Taurus entre vários de que a Ucrânia necessitava numa resolução não vinculativa que apela a todos os países membros para fornecerem mais armamento. Mas está longe de ser claro que, mesmo que a Alemanha fornecesse mísseis Taurus à Ucrânia, como insistiu o Presidente Volodymyr Zelensky, isso faria uma diferença decisiva no conflito.

A decisão da Alemanha de enviar tanques Leopard no ano passado não permitiu à Ucrânia montar uma contra-ofensiva bem-sucedida, e há dúvidas sobre se os caças F-16, prestes a serem entregues a Kiev, irão virar a batalha agora.

O que a Ucrânia mais precisa, dizem as autoridades americanas, é de projéteis de artilharia antiquados para resistir aos avanços territoriais russos e de defesas aéreas contra ataques de mísseis e drones.

A razão para não dar o Taurus à Ucrânia é simples, disse Scholz aos eleitores num evento na Câmara Municipal de Dresden, na quinta-feira. Embora a Alemanha forneça 30 mil milhões de dólares em armas a Kiev nos próximos anos, o Taurus pode atacar a uma distância de 500 quilómetros, ou 310 milhas.

Isso colocaria Moscovo em risco, e ele deixou claro que não confiava que as forças ucranianas pudessem impedir-se de levar a guerra ao Kremlin. Nem se poderia considerar que a Alemanha visava directamente a Rússia, sem correr o risco de um confronto directo com Moscovo.

Scholz observou que a Alemanha deu e prometeu mais armas do que quase qualquer outro país do mundo, dando-lhe “o direito de dizer frequentemente sim, mas também – às vezes – ‘não desta vez’”.

Mas o que mais lhe causou problemas foi a sua descrição de como os sistemas avançados de mísseis não podiam simplesmente ser entregues à Ucrânia; ele sugeriu que eles precisavam de forças da OTAN para atacar o armamento complexo.

“O que está a ser feito por parte dos britânicos e franceses em termos de controlo de alvos e acompanhamento do controlo de alvos não pode ser feito na Alemanha”, disse ele, praticamente declarando que os aliados da NATO estavam no controlo directo dos sistemas de armas que tinham fornecido. “O que estão a fazer outros países, que têm outras tradições e outras instituições constitucionais, é algo que não podemos fazer da mesma forma.”

Ele disse que uma coisa era dar armas à Ucrânia e outra era a Alemanha apontá-las para alvos. “Não devemos estar ligados em nenhum ponto ou lugar a alvos militares.”

Mas então vieram as fitas vazadas, que incluíam o general Ingo Gerhartz, o oficial de mais alta patente da Força Aérea do país. A conversa interceptada do General Gerhartz capturou ele e outros oficiais se preparando para um briefing confidencial que deveriam dar.

Descreveu em detalhe como os soldados alemães seriam necessários para a selecção de alvos, especialmente contra objectivos difíceis de atingir, como a ponte de Kerch, que liga a Crimeia à Ucrânia.

Os oficiais discutiram como a Alemanha seria capaz de enviar apenas um máximo de 100 mísseis, o que significa que cada disparo teria de contar.

Também discutiram como ajudar a programar o Taurus de forma a evitar ligar a Alemanha ao alvo e sem ser forçado a enviar soldados alemães para a Ucrânia. Uma opção, sugeriram, seria trabalhar discretamente através do fabricante da arma ou transportar os dados do alvo para a Ucrânia por terra.

“Na pior das hipóteses, posso até ter que ir e voltar de carro”, disse um policial.

No domingo, Roderich Kiesewetter, membro da poderosa comissão parlamentar de inteligência, disse que um ouvinte não autorizado aparentemente ligou para a conversa e não foi notado pelos oficiais.

Na tarde de domingo, Boris Pistorius, ministro da Defesa da Alemanha, referiu-se à fuga de informação como um “ataque híbrido de desinformação” russo e apelou a uma reacção equilibrada. “Trata-se de minar a nossa unidade”, disse ele aos repórteres.

Na reunião municipal, os alemães que fizeram perguntas à chanceler deixaram claro que preferiam que o seu governo gastasse mais em casa e menos na Ucrânia.

A sessão começou com um homem a perguntar ao chanceler por que escolheu “a espada em vez da alma”, o que significava entregar ajuda militar à Ucrânia em vez de negociações com a Rússia.

Quando, na sua resposta, Scholz disse que nenhum soldado alemão ou da NATO seria destacado para a Ucrânia, foi aplaudido.

O tema do apoio militar tornou-se mais tenso do que nunca, especialmente na antiga Alemanha Oriental – incluindo Dresden – onde muitos dizem aos investigadores que se opõem a tomar partido contra a Rússia. Embora os membros da instável coligação tripartidária de Scholz e a oposição conservadora em Berlim tenham pressionado a chanceler a fornecer armas cada vez mais sofisticadas, os eleitores regulares não têm tanta certeza.

Em Dresden, Scholz ouviu queixas sobre um milhão de ucranianos que vieram para a Alemanha para fugir da guerra, embora o governo diga que muitos regressaram. Outros críticos da sua política, num argumento paralelo à posição assumida por muitos republicanos no Congresso, dizem que o dinheiro deveria ser gasto em necessidades internas.

“Se vamos financiar armas para a Ucrânia”, disse Daniel Ascher, “devemos também investir dinheiro nos nossos serviços de emergência, porque se o pior acontecer” com a Rússia, “vamos precisar deles”.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *