Mon. Jun 24th, 2024

Para muitos russos, o massacre numa sala de concertos nos arredores de Moscovo, na noite de sexta-feira, trouxe à mente tiroteios e bombardeamentos em todo o país nas últimas décadas, acontecimentos que as autoridades frequentemente descreveram como terrorismo.

As autoridades associaram muitos desses ataques às guerras da Rússia contra os separatistas chechenos nas décadas de 1990 e 2000. Esses conflitos ajudaram a permitir a ascensão de Vladimir V. Putin, que ao longo das suas duas décadas no poder procurou projectar uma imagem de ser duro com o terrorismo.

No início dos anos 2000, militantes chechenos organizaram vários grandes ataques terroristas, enquanto a Rússia travava uma segunda guerra para derrotar um movimento separatista na Chechénia. Em Outubro de 2002, dezenas de homens armados chechenos tomaram um teatro lotado em Moscovo, fazendo mais de 750 pessoas como reféns.

O cerco durou dias, até que as forças especiais russas encheram o teatro com um gás debilitante para incapacitar os homens armados. Mais de uma centena de reféns morreram como resultado do ataque, sendo a maioria das mortes atribuída ao gás. O governo russo reconheceu mais tarde que tinha bombeado uma versão em aerossol de fentanil na sua tentativa de pôr fim ao impasse.

Em Setembro de 2004, militantes chechenos invadiram uma escola em Beslan, uma cidade no norte do Cáucaso, fazendo mais de 1.000 pessoas como reféns, incluindo 770 crianças, e equipando o edifício com explosivos.

Três dias após o início do cerco, as forças de segurança russas armadas com tanques, foguetes, lançadores de granadas e outras armas invadiram a escola, que pegou fogo enquanto travavam tiroteios com os combatentes chechenos.

Mais de 330 reféns — incluindo 186 crianças — morreram na batalha, levando o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos a decidir, mais de uma década depois, que as autoridades russas tinham violado a legislação europeia em matéria de direitos humanos na forma como lidaram com o cerco. O Kremlin rejeitou a conclusão.

Bombardeiros detonaram dois explosivos em estações de metro históricas de Moscovo em Março de 2010, matando pelo menos 38 pessoas. O ataque, semelhante a um atentado bombista no metro que matou cerca de 40 pessoas em 2004, reacendeu os receios de que a insurreição chechena não tivesse sido reprimida, e um líder militante checheno afirmou ter ordenado o ataque.

Em 2011, um homem-bomba atacou o aeroporto mais movimentado de Moscou, Domodedovo, matando 37 pessoas. As autoridades russas disseram mais tarde que o homem-bomba era um homem do norte do Cáucaso.

Um dispositivo caseiro cheio de estilhaços explodiu na hora do rush, matando pelo menos 14 pessoas. As autoridades identificaram o homem-bomba como membro da minoria uzbeque no sul do Quirguistão e disseram que estavam investigando se ele tinha alguma ligação com extremistas islâmicos.

Cerca de 900 quilómetros a leste de Moscovo, um homem armado atacou uma escola na cidade de Izhevsk, matando 15 pessoas, no que o Kremlin chamou de ataque terrorista.

As autoridades afirmaram que o agressor, que estava armado com duas pistolas, “vestia uma blusa preta com símbolos nazistas e uma balaclava” e não portava qualquer documento de identidade.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *