Sun. Apr 14th, 2024

Os homens que mataram Maksim Kuzminov queriam enviar uma mensagem. Isto era óbvio para os investigadores em Espanha antes mesmo de descobrirem quem ele era. Os assassinos não só atiraram nele seis vezes em um estacionamento no sul da Espanha, como também atropelaram seu corpo com o carro.

Eles também deixaram uma pista importante sobre sua identidade, segundo os investigadores: cartuchos de cartuchos Makarov de 9 milímetros, uma munição padrão do antigo bloco comunista.

“Foi uma mensagem clara”, disse um alto funcionário da Guardia Civil, a força policial espanhola que supervisiona a investigação do assassinato. “Eu vou te encontrar, vou te matar, vou te atropelar e te humilhar.”

Kuzminov desertou da Rússia para a Ucrânia no verão passado, pilotando seu helicóptero militar Mi-8 em território ucraniano e entregando a aeronave junto com um esconderijo de documentos secretos a agentes da inteligência ucraniana. Ao fazê-lo, cometeu a única ofensa que o presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, disse repetidas vezes que nunca perdoará: traição.

O seu assassinato na cidade costeira de Villajoyosa, no mês passado, levantou receios de que as redes de espionagem europeias da Rússia continuem a operar e tenham como alvo inimigos do Kremlin, apesar dos esforços concertados para desmantelá-las depois de Putin ter invadido a Ucrânia em 2022.

Os serviços de inteligência da Rússia foram colocados em pé de guerra e começaram a operar num nível de agressividade interna e externa que lembra a era Stalin, disse Andrei Soldatov, autor e especialista em serviços militares e de segurança da Rússia.

“Não se trata mais de espionagem convencional”, disse ele. “Trata-se de operações – e essas operações podem incluir assassinatos.”

Na Espanha, Kuzminov viveu “uma vida indiscreta”, disse o alto funcionário da Guardia Civil. Ele frequentou bares populares entre a clientela russa e ucraniana, queimando o dinheiro que recebeu do Estado ucraniano. Ele dirigiu por Villajoyosa em um Mercedes Classe S preto.

Não foi estabelecido exatamente como os assassinos o encontraram, embora dois altos funcionários ucranianos tenham afirmado que ele contactou uma ex-namorada, ainda na Rússia, e a convidou para ir vê-lo em Espanha.

“Este foi um erro grave”, disse um dos funcionários.

Altos funcionários da polícia falando sob condição de anonimato disseram que o assassinato traz marcas de ataques semelhantes ligados ao Kremlin, incluindo o assassinato de um ex-comandante rebelde checheno em Berlim em 2019 e o envenenamento do ex-agente da inteligência militar russa Sergei V. Skripal em Salisbury, Inglaterra, em 2018. O Sr. Skripal sobreviveu.

Os dois assassinos encapuzados que apareceram nas imagens das câmeras de vigilância do estacionamento do complexo de apartamentos de Kuzminov eram claramente profissionais que cumpriram sua missão e desapareceram rapidamente, disseram autoridades policiais.

“Não é comum aqui na Espanha alguém levar um tiro com muita munição”, disse o delegado Pepe Álvarez, do Departamento de Polícia de Villajoyosa. “São indícios que apontam para o crime organizado, para uma organização criminosa, para profissionais.”

Embora não tenham surgido quaisquer provas de envolvimento directo do Kremlin, a Rússia não escondeu o seu desejo de ver Kuzminov morto. Semanas após a sua deserção, o noticiário de domingo à noite do Kremlin publicou um segmento citando colegas pilotos e comandos do serviço de inteligência militar da Rússia, jurando vingança.

“Vamos encontrar esta pessoa e puni-la, com toda a severidade das leis do nosso país, por traição e por trair os seus irmãos”, disse um dos comandos, que não foi identificado. “Encontramos todo mundo eventualmente. Nossos braços são longos.”

A deserção de Kuzminov foi um golpe para a Ucrânia, orquestrado por uma unidade secreta do HUR, o braço de inteligência militar da Ucrânia. A unidade é especializada no recrutamento de combatentes russos e na gestão de agentes em território russo para realizar missões de sabotagem. Alguns soldados da unidade receberam treinamento especializado da CIA para operar em ambientes hostis.

Embora a unidade tenha conseguido persuadir russos individuais e, por vezes, pequenos grupos de soldados a desertarem, a ousada fuga de Kuzminov – e o elevado valor do que entregou – não teve precedentes, disse um alto funcionário ucraniano com conhecimento da operação.

O sucesso dos esforços da Ucrânia para recrutar desertores é difícil de quantificar. Milhares de cidadãos russos juntaram-se a unidades voluntárias que lutam com os militares ucranianos e, por vezes, cruzaram o território russo para ataques relâmpago em postos fronteiriços. Não parece, contudo, que tenham alterado o equilíbrio de poder de forma significativa.

Kuzminov disse em entrevistas que ficou desiludido depois de ler postagens de ucranianos na internet.

“Eu entendi quem estava do lado do bem e quem estava do lado da verdade”, disse ele em entrevista a um blogueiro ucraniano.

No início da noite de 9 de agosto de 2023, Kuzminov decolou em um helicóptero militar de um campo de aviação na região de Kursk, no oeste da Rússia, para o que deveria ser uma simples entrega de carga para outra base no país. Com ele na cabine estavam um técnico chamado Nikita Kiryanov e um navegador, Khushbakht Tursunov. Nenhum dos soldados parecia estar ciente dos planos de Kuzminov.

Pouco depois da decolagem, Kuzminov desligou o equipamento de radiocomunicação do helicóptero e mergulhou a uma altitude de pouco menos de 6 metros para escapar do radar. Então ele cruzou para a Ucrânia.

Em entrevistas à mídia ucraniana, Kuzminov foi tímido sobre o que aconteceu a seguir. Ele disse apenas que pousou o helicóptero em um ponto de encontro previamente combinado na região de Kharkiv, a pouco mais de 16 quilômetros da fronteira, onde foi recebido por comandos do HUR.

“Tudo correu bem”, disse ele em uma entrevista.

A realidade é mais complicada. Ao entrar no país, Kuzminov surpreendeu um grupo de combatentes ucranianos, que abriram fogo, segundo outro alto funcionário ucraniano. Na confusão, o Sr. Kuzminov levou um tiro na perna.

O que aconteceu com seus companheiros de tripulação é menos claro. Uma reportagem da televisão russa sobre eles, citando um médico legista, afirmou que os dois haviam sido baleados e mortos à queima-roupa e sugeriu que Kuzminov os havia matado antes de pousar. O alto funcionário ucraniano envolvido na operação disse que isso não era verdade.

“Nossos soldados atiraram neles”, disse o oficial. “Caso contrário, eles teriam matado Kuzminov e poderiam ter escapado naquele helicóptero.”

Em entrevistas, Kuzminov disse que seus companheiros de tripulação estavam desarmados, mas nunca explicou como morreram.

O HUR considerou claramente a missão um grande sucesso. Pouco depois, o general Kyrylo Budanov, chefe da inteligência militar da Ucrânia, anunciou que a operação daria confiança a outros soldados russos que estavam a considerar a deserção. A agência de inteligência até produziu um documentário sobre a operação para mostrar o seu triunfo.

Kuzminov fez uma visita à imprensa, deu uma conferência de imprensa, deu entrevistas denunciando a guerra da Rússia e apelou a outros para seguirem o seu exemplo.

“Você não vai se arrepender”, disse ele no documentário. “Você será cuidado pelo resto da vida.”

O governo ucraniano pagou a Kuzminov US$ 500 mil e forneceu-lhe um passaporte ucraniano e um nome falso: Ihor Shevchenko. Eles também lhe ofereceram a oportunidade de se juntar a eles na luta contra a Rússia.

Em vez disso, Kuzminov deixou a Ucrânia em outubro e dirigiu até Villajoyosa, uma pequena cidade na costa do Mediterrâneo popular entre os turistas britânicos e do Leste Europeu. Lá, ele se instalou no nono andar de um modesto prédio a cerca de 10 minutos a pé da praia.

Foi uma escolha curiosa para alguém tão explicitamente visado pelas autoridades russas para liquidação. A região é uma conhecida base de operações para figuras do crime organizado russo, algumas das quais mantêm ligações com os serviços de inteligência do país, afirmam as autoridades espanholas.

Em 2020, a polícia espanhola prendeu mais de 20 pessoas ligadas a grupos criminosos russos, alguns dos quais operavam em Alicante, na mesma província de Villajoyosa. As pessoas foram acusadas de lavagem de milhões de dólares adquiridos através do tráfico de drogas e de seres humanos, extorsão e assassinatos por encomenda, disseram as autoridades espanholas.

Outro desertor militar russo que se estabeleceu em Espanha e falou sob condição de anonimato por razões de segurança chamou a região onde Kuzminov se estabeleceu de “uma zona vermelha” cheia de agentes russos. “Eu nunca irei lá”, disse ele.

Na manhã de 13 de fevereiro, um Hyundai Tucson branco entrou na garagem embaixo do prédio de Kuzminov e estacionou em uma vaga vazia entre os elevadores usados ​​pelos moradores e a rampa que levava à rua. Dois homens esperaram ali durante várias horas, segundo o alto funcionário da Guardia Civil.

Por volta das 16h20, o Sr. Kuzminov entrou na garagem, estacionou e começou a caminhar em direção aos elevadores. Ao passar em frente ao Hyundai branco, os dois agressores surgiram, chamaram-no e abriram fogo. Embora tenha sido atingido por seis balas, a maioria delas no torso, Kuzminov conseguiu correr uma curta distância antes de desabar na rampa.

Os dois assassinos voltaram para o carro e atropelaram o corpo do Sr. Kuzminov ao sair. O veículo foi encontrado a alguns quilômetros de distância, queimado com a ajuda do que os investigadores acreditam ser um acelerador especial. Os especialistas levaram uma semana para identificar a marca e o modelo do carro e estabelecer que ele havia sido roubado – dois dias antes do assassinato – em Múrcia, uma cidade a cerca de uma hora de distância.

Uma unidade especial da Guardia Civil está a realizar a investigação sob estritas regras de sigilo. As autoridades não confirmaram publicamente que o Sr. Kuzminov foi a pessoa morta. Eles têm lutado para entrar em contato com autoridades na Ucrânia que possam ajudá-los.

Mas entre a comunidade de expatriados russos e ucranianos que vivem em Villajoyosa, não havia dúvidas sobre quem estava por trás da morte.

“Todos pensam que os serviços o eliminaram”, disse Ivan, 31 anos, que fugiu da sua cidade natal, Kherson, na Ucrânia, no início da guerra. “Eles estão por toda parte.”

O relatório anual da Espanha sobre ameaças à segurança nacional, publicado este mês, afirma que a Rússia renovou as suas operações de inteligência no país após a expulsão de 27 diplomatas russos devido à guerra na Ucrânia. Embora em menor número, afirma o relatório, os espiões russos continuaram a procurar formas de “desestabilizar o apoio de Espanha à NATO”.

No passado, as autoridades russas enroscaram-se na tentativa de ofuscar a ligação do Kremlin a vários assassinatos em toda a Europa, muitas vezes face a provas claras de envolvimento do Estado. O caso do Sr. Kuzminov é diferente. Altos funcionários russos falaram de sua morte com alegria mal disfarçada.

“Este traidor e criminoso tornou-se um cadáver moral no momento em que planejou o seu crime sujo e terrível”, disse Sergei Naryshkin, diretor do serviço de inteligência estrangeiro da Rússia.

Dmitri A. Medvedev, o antigo presidente russo que é agora vice-presidente do conselho de segurança do país, disse: “Um cão tem a morte de um cão”.

Em contraste com a grande fanfarra que acompanhou a deserção de Kuzminov, as autoridades ucranianas têm-se mantido caladas sobre o assassinato. Altos funcionários temem que isso possa dissuadir outros de seguirem o seu exemplo.

“Quem irá cooperar conosco depois disso?” disse um dos altos funcionários.

“A Rússia espalhará intensamente a propaganda – eles já estão fazendo isso – de que encontrarão todos os traidores”, disse ele. “Esta é uma mensagem oculta para outros cidadãos da Rússia, especialmente militares, de que iremos encontrá-los se nos traírem.”

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *